WHIPLASH.NET - Rock e Heavy MetalWHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal

FacebookTwitterGoogle+RSSYouTubeInstagramApp IOSApp Android
MenuBuscaReload

Anonymous Hate: Evoluindo sem perder o controle

Resenha - Red Khmer - Anonymous Hate

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Convicção e fidelidade aos seus ideais é algo louvável em termos de fazer música, especialmente mo tocante ao Metal, mas é legal ver ao mesmo tempo bandas que sabem evoluir sem perder suas características mais primordiais, ou seja, que sabem manter sua identidade sem deixar de saber se reinventar quando se faz necessário. Mas nem sempre isso acaba dando em coisa boa, já que existem exemplos aos montes de bandas que não conseguem fazer tal mistura alquímica e que acabam gastando tempo (e dinheiro) com discos fracos. Mas também existem ótimos exemplos de quem sabe evoluir sem perder controle do próprio trabalho.
James Hetfield: O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

E neste último grupo, encontramos o ANONYMOUS HATE, banda de Death Metal/Grindcore de Macapá (AP, estado cuja cena está aos poucos surgindo para o Brasil inteiro conhecer), e que chega com seu novo trabalho, o EP ‘Red Khmer’, cujo nome, para quem não sabe, vem de um grupo que governou o Camboja entre 1975 e 1979, e cujas políticas sociais resultaram em genocídio (pela fome, pois sustentavam políticas agrárias absurdas, por doença, já que a propalada ‘autossuficiência’ deles causou mortes por doenças tratáveis como malária, isso sem falar em expurgos com direito a tortura e execuções sumárias. Um triste evento para a raça humana e a prova que as ideias socialistas de Karl Marx nunca serão levadas a sério, por mais que se tente, para desespero dos socialistas brasileiros), lançado pela parceria entre a própria banda e Malignant-Art Records e LAB 6 Music.

Voltando ao EP, a produção visual, com capa feita por Rogério Araújo, ficou muito boa e contextualizada com o conteúdo lírico explícito, enquanto o lado sonoro ficou abusivamente intenso e pesado, lembrando em vários momentos gravações feitas nos Morrisound Studios por volta da década de 90. O que a banda apresenta no EP, em matéria de musicalidade, é a mesma formatação de antes, ou seja, um Death Metal/Grindcore bem pesado e esporrento até a raiz da alma, só que agora ainda mais puxados para o Death Metal, talvez pela entrada de Victor Figueiredo nos vocais, já que as vozes em seus trabalhos anteriores (o CD Demo ‘Worldead’ e o CD ‘Chaotic World’) haviam sido feitas por Carlos Haussler, que faz um gutural no mesmo pé dos gigantes do exterior.

Após uma intro, o massacre começa com a esporrenta ‘Created to Kill’, que tem alguns momentos mais cadenciados, mas que detona em matéria de peso e brutalidade, especialmente pelos riffs de guitarras chapantes e solos insanos, e a cozinha rítmica é algo de absurdo (bumbos velozes e ritmos bem feitos, bem como o baixo mostra que não é só para marcação); em ‘Anonymous Hate’, a velocidade fica um pouco menor, mas o peso das guitarras ainda é absurdo; ‘Red Khmer’ é bem mais cadenciada, priorizando os riffs de guitarra, exceto por momentos em que a pancadaria come solta e a zaga mostra trabalho (e que baterista é esse? O cara deve ser um polvo!). As próximas três faixas são versões personalizadas (e muito bem feitas) de ‘ Dead Shall Rise’ (do TERRORIZER), Paranóia Nuclear/Poluição Atômica (do R.D.P., que ficou com uma roupagem Grindcore muito boa, que lhe caiu muito bem), e ‘Gates to Hell’ (do OBITUARY, do clássico ‘Slowly We Rot’, que ganhou um pouco mais de agressividade que a original), em três homenagens às bandas que influenciaram o trabalho do quinteto.

Mais um trabalho honesto, feito na garra e na vontade (pois fazer trabalhos fora do eixo RJ-SP-MG não é algo simples, e muito menos barato, pois não dinheiro não cai do céu), e que merece uma ouvida com carinho e atenção.

Ou meu caro leitor vai cometer o mesmo erro que muitos cometeram entre 1986 e 1989, e só valorizaram o SEPULTURA depois deles serem sucesso lá fora?

Não espere, e vá à luta agora.

Imagem

Tracklist:

01. Intro
02. Created to Kill
03. Anonymous Hate
04. Red Khmer
05. Dead Shall Rise
06. Paranóia Nuclear/Poluição Atômica
07. Gates to Hell

Formação:

Victor Figueiredo – Vocais
Fabrício Góes – Guitarras e vocais
Heliton Coêlho – Guitarra solo
Alberto Martínez – Bateria
Romeu Tetrus – Baixo

Contatos:

https://www.facebook.com/anonymoushateband
http://www.myspace.com/anonymoushateap
anonymous.hate@hotmail.com

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Red Khmer - Anonymous Hate

Anonymous Hate: Death Metal, honestidade e bom gostoAnonymous Hate: Sete faixas de puro Grind/Death Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Anonymous Hate"


James Hetfield / O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

Emos / 23 músicas que já estiveram na sua playlist

Red Hot Chili Peppers: ouça baixo isolado de Flea em várias músicasGuns N' Roses: por dentro do luxuoso avião privado da bandaA7X: "Somos Metal, mas se alguém acha que não, tudo bem!"

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online