Disarmonia Mundi: projeto interessante de Metal italiano

Resenha - Isolation Game - Disarmonia Mundi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Natural da Itália, o mentor e multi-instrumentista Ettore Rigotti fez do Disarmonia Mundi um dos projetos mais interessantes de seu país no que concerne ao Heavy Metal contemporâneo. O início de sua carreira se deu em 1999 e foi marcado por uma excelente espécie de Death Metal Progressivo que foi se modificando a cada lançamento e hoje encontrou a estabilidade no Death Metal Melódico propriamente dito.
Raul Seixas - Perguntas e RespostasMetallica: porque nunca devem tocar no intervalo do Super Bowl

E é nesta linha que seu quarto álbum, “The Isolation Game”, se encaixa. Apesar da extravagante ilustração de sua capa, é no quesito musical que novamente o Disarmonia Mundi mostra sua desenvoltura. Rigotti toca todos os instrumentos e conta com a versátil voz do conterrâneo Claudio Ravinale (Ground Zero, 5 Star Grave) e ainda tem como convidados especiais ninguém menos do que vocalista Björn 'Speed' Strid (Soilwork) e o guitarrista Olof Mörck (Nightrage) solando em várias ocasiões.

A produção é de grande qualidade e evidencia um trabalho de guitarras realmente criativo (que beleza de riffs!) em seções instrumentais recheadas com mudanças de tempos abruptas e efeitos eletrônicos sutis, mas sempre presentes. Como não poderia deixar de ser, as linhas vocais são exploradas ao máximo e com muito bom gosto, invariavelmente explodindo em fantásticos refrãos.

A transição e combinação entre as partes realmente distorcidas e as mais melódicas são emocionantes em muitas ocasiões, conseguindo injetar um vigor e tanto em um estilo já estabelecido graças à força de canções como "Cypher Drone", "Structural Wound", "Blacklight Rush" ou "Same Old Nails For A New Messiah". Ainda assim, e apesar de toda a excelência de seu repertório, é "Stepchild Of Laceration", com seu peso e agressão tão venenosos que a torna o maior diamante do disco.

Ainda que o chamado Death Metal Melódico tenha gerado tantas bandas que nada mais fazem do que reciclar o que já foi feito pelos pioneiros, o Disarmonia Mundi consegue novamente se destacar e possui tudo para se expandir para além das fronteiras do território europeu, sendo totalmente recomendado aos admiradores da selvageria melódica que feras como Soilwork, Scar Symmetry e até mesmo In Flames oferecem com tanta facilidade.

Contato:
http://www.disarmoniamundi.com
http://www.myspace.com/disarmoniamundi

Formação:
Claudio Ravinale - voz
Ettore Rigotti - vozes limpas, baixo, teclados e bateria

Disarmonia Mundi - The Isolation Game
(2009 / Coroner Records - importado)

01. Cypher Drone
02. Structural Wound
03. Perdition Haze
04. Building An Empire Of Dust
05. Stepchild Of Laceration
06. The Isolation Game
07. Blacklight Rush
08. Glimmer
09. Ties That Bind
10. Losing Ground
11. Same Old Nails For A New Messiah
12. Digging The Grave Of Silence
13. Beneath A Colder Sun

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Disarmonia Mundi"

Raul Seixas
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Metallica
Porque eles nunca devem tocar no intervalo do Super Bowl

Megadeth
Mustaine relembra fãs jogando xixi em Lobão no Rock in Rio

Led Zeppelin: em quantas músicas Plant não fala "baby"?Rock in Rio: Os cachês e exigências dos artistas na edição de 1991Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?Iron Maiden: Estabilidade, sucessos e algumas fanfarrasSleaze Roxx: site elege os 10 melhores álbuns de 2010Black Sabbath: não aprovamos as cruzes invertidas, diz Bill Ward

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online