Tradução - Songs of Moors & Misty Fields - Empyrium

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Marcelo Rissi, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 



5000 acessosThe Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenho5000 acessosOzzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la


When Shadows Grow Longer

When shadows grow longer
And the sun sets for the forthcoming night
Our sorrow is stronger
As darkness and death
Are now near by our side
Many a sun will set
And tears of grief will be shed...

Quando As Sombras Crescem

Quando as sombras crescem
E o sol se põe para a noite vindoura
Nossa aflição se torna mais forte
À medida que as trevas e a morte
Se aproximam do nosso lado
A muitos um sol irá se pôr
E lágrimas de tristeza serão derramadas...

The Blue Mists Of Night

...And many a moon shall rise...
And lead me into the cold embrace of the night
Here we drown in our grief
Drown in an absence of light.
Here is no shelter
No escape from our heart
Entwined in this tragic embrace
I fear and bemourn to depart.

When the shadows fall
And the sun sets in us all...

Just silent hopes remain
And the aching grief that grows
Into a bottomless vale I fall
Oh, I give myself away...
Away! Far away!
To this dim and misty place
My heart reflects the night...

Languid moonshine I bath my skin in thee
O may thy beauty be revealed in me.
Silent winds, whisper to me
Thy songs of solitude and joy...

As Névoas Azuis da Noite

... E a muitos uma lua se erguerá...
E me guiará rumo ao frio abraço da noite
Aqui nós nos afogamos em nossa aflição
Afogamos numa abstenção de luz
Aqui não há proteção
Sem escapatória do nosso coração
Enlaçados nesse abraço trágico
Eu temo e me enluto por partir

Quando as sombras caírem
E o sol se pôr em cada um de nós...

Só restam esperanças silentes
E uma dolorosa aflição que cresce
Num vale infinito eu caio
Oh, assim eu me entrego...
Distante! Muito distante!
Deste lugar sombrio e nebuloso
Meu coração reflete a noite...

Lânguido brilho lunar, eu banho minha pele em ti
Oh! Possa vossa beleza ser revelada em mim.
Ventos silenciosos suspiram para mim
Vossas canções de solidão e diversão...

Mourners

Meager trees in the shrouds
As old as the stones....
Mourners of abandoned love
Forever their woes shall grow silent

O how many times may the moon has shone
Reflected in these black lakes?
Should it be that we can hear
The woes of those
Who ceased their lives?

Oh so old they are...
They bare the neverending grief...
Age-old miserability
Ancient bitter beauty

Lost is the hope of those
Who walk the moors with pain in heart
And all joy it sinks
Buried deep
Forever presumed dead.

Oh so old they are...
They bare the neverending grief...
Age-old miserability
Ancient bitter beauty

Enlutados

Árvores estéreis nas mortalhas
Tão velhas quanto as pedras...
Enlutados pelo amor abandonado
Para sempre suas dores crescerão silentes

Oh! Quantas vezes pôde a lua ter brilhado
Refletida nesses lagos negros?
Deveria ter sido isso o que ouvimos
Os gemidos aflitos daqueles
Que cessaram suas vidas?

Oh! Tão velhos eles são...
Eles revelam a aflição interminável...
Miserabilidade de velhos tempos
Antiga beleza amarga

Perdida está a esperança daqueles
Que vagam pelos charcos, com dor no coração
E toda alegria se afunda
Enterrada profundamente
E para sempre presumida morta.

Oh! Tão velhos eles são...
Eles revelam a aflição interminável...
Miserabilidade de velhos tempos
Antiga beleza amarga

Ode To Melancholy

Melancholy
Still my desire for thy precious tragedian wine
Sweep me away, into the vale of thine!
Where sorrow's strong and so is joy

Melancholy
Still my desire
Oh let my heart by thee inspire
Oh fill the air with thy sweet scent
Let thy light, thy star crescent

Wherever she dwells
I will bid a farewell sigh
For she dwells with beauty
Beauty that must die
And deep inside me
I will wait for her return
To her enchanting
Awe-inspiring flame I'll yearn

Oh lust and rueful thought be mine
My soul enhanced desires...
Melancholy
My heart is thine

Ode à Melancolia

Melancolia
Alivie meu desejo por teu precioso vinho trágico
Varre-me para bem longe, ao vosso vale!
Onde a tristeza é forte tanto quanto a alegria.

Melancolia
Apazigúe meu desejo
Oh! Deixe meu coração por ti se inspirar
Oh! Espalhe pelo ar o vosso doce aroma
Deixe vossa luz, vossa estrela crescente.

Onde quer que ela habite
Vou oferecer um suspiro de adeus...
Por ela que habita com sua beleza
Beleza que deve morrer.
E lá no fundo
Aguardarei o seu retorno
O seu encanto
Chama inspiradora de medo que hei de almejar

Oh! Luxúria e pensamentos tristes sejam meus
Minha alma engrandecida deseja...
Melancolia.
Meu coração é vosso.

Lover's Grief

Oh gothic moon
Thy shine encharmest me tonight
Bereavest me of sleep
Makest me wander under thy light.
Thou letst abloom my heart
Until the very last of thy ray
Shine! Bereaver of sleep
Before black clouds hide thee away....

I know this can't be eternal!
No love hath ever conquered
The borders of time!
No beauty is everlasting, not even thine!
But oh how I wished your heart
Would forever be mine...

Thy eyes caress myself
To endure these painful lies...
The moon's persistence makest me ask...
Why can't we be stars?
Stars that shine forever...
Stars that unite with the night...

At the horizon
The dark storm clouds of sorrow
Have gathered their might
Neither the moon nor the stars
Reveal their light this night
And rain is falling
Pouring down into my soul
While wild weeping clouds
Enwrap me in their woe

Aflição do Amante

Oh! Lua gótica
Vosso brilho me enfeitiça nesta noite
Angustia-me no sono
Faz-me vagar sob vossa luz
Vós deixastes meu coração florescendo
Até o último raio de vossa luz
Brilhe! Destruidora do sono
Antes que nuvens negras venham te encobrir...

Eu sei que isso não pode ser eterno!
Nenhum amor jamais conseguiu atingir
As fronteiras do tempo!
Nenhuma beleza é perpétua, nem mesmo a vossa!
Mas, oh, como eu queria que seu coração
Fosse meu para todo o sempre...

Vossos olhos me acariciam
Para eu suportar essas dolorosas mentiras...
A persistência da lua me faz perguntar...
Por que nós não podemos ser estrelas?
Estrelas que brilham eternamente...
Estrelas que se unem à noite...

No horizonte
As nuvens negras de tempestade de tristeza
Uniram suas forças
Nem a lua nem as estrelas
Revelam sua luz esta noite...
E a chuva está caindo
Despejando-se em minha alma
Enquanto as nuvens selvagens de pranto
Envolvem-me em sua angústia

The Ensemble Of Silence

And again the moon is on the wave
Gliding gently into me
On silent wings the night comes from there
As my heart longs to thee...

For in my hand I still hold the rose
That froze long times ago
Its leafs have withered
It ceased to grow - left in me its woe

The wine of love, is o so sweet
But bitter is regret
I knew at sunset
I would meet the ascending veils of dread

Before my eyes nocturnal curtains fall
The dark and gentle haze of the night
Greedily devours all

(THE NIGHT):
"Woe to him whose heart is filled with bitter rue
And who drowns in grief"

In the silence of the night I loose myself
It makes me drunken with its sweet blue sound.

In the drunkenness of solitude
I fear no more the solemn realms of death
No single sigh from my lips
As I drink the wine of bitterness
My heart is aching nevermore
For I know that all may end
Just I and the poetry of the night
Now forever one....

Just I and the poetry of the night
Now forever one
The ensemble of silence
Plays so beautiful for me...

O Conjunto do Silêncio

E novamente a lua está na onda
Deslizando delicadamente em mim
Em asas silenciosas a noite vem de lá
À medida que meu coração deseja por ti...

Pois em minhas mãos ainda seguro a rosa
Que se congelou tempos atrás
Suas pétalas murcharam
Cessaram de crescer - deixaram em mim sua dor

O vinho do amor, oh, é tão doce
Mas amargo é o arrependimento
Eu sabia que ao pôr-do-sol
Encontraria os ascendentes véus do medo

Diante dos meus olhos, cortinas noturnas caem
O negro e delicado crepúsculo da noite
Vorazmente devora tudo.

(A NOITE):
“Pobre daquele cujo coração está preenchido
de remorso e se afoga em angústia”

No silêncio da noite eu me desato
Embriaga-me com seu doce som triste.

Na embriaguez da solidão
Não temo mais os reinos solenes da morte
Nem um único suspiro dos meus lábios
À medida que eu bebo o vinho da amargura
Meu coração nunca mais penará
Já que eu sei que tudo pode terminar
Somente eu e a poesia da noite
Agora eternamente um...

Somente eu e a poesia da noite
Agora eternamente um
O conjunto do silêncio
Toca tão belo para mim...


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Álbuns Traduzidos0 acessosTodas as matérias sobre "Empyrium"

The SimpsonsThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros

The OsbournesThe Osbournes
Sharon conta como Ozzy tentou assassiná-la

Em 21/08/1989Em 21/08/1989
Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

5000 acessosBayley, Wilson e Cherone: grandes erros na história de grandes bandas5000 acessosGibson: as dez melhores composições épicas do rock5000 acessosGuns N' Roses: o "Chinese Democracy" que você nunca viu5000 acessosMotley Crue: Vince dá sua versão do racha da banda em 19923498 acessosIron Maiden: visita às locações do video "Can I Play with Madness?"5000 acessosBill Ward: "Eu sou o baterista do Black Sabbath"

Sobre Marcelo Rissi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online