The Cult: Porto Alegre pôde ver um show direto

Resenha - Cult (Bar Opinião, Porto Alegre, 17/09/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fotos Liny Oliveira
http://www.facebook.com/photoslinyoliveira

O The Cult esteve em Porto Alegre pela segunda vez. Foi o segundo show da "South America Tour 17". O local do show foi o bar Opinião, menor do que o Pepsi On Stage, que foi o palco de 2008. Pessoas de todas as idades lotaram a casa, porém os mais veteranos tomaram conta da pista.

Pontualmente as 22 horas, os britânicos Ian Astbury (vocal) e Billy Duffy (guitarra), acompanhados dos americanos John Tempesta (bateria) e Damon Fox (guitarra) e do australiano Grant Fitzpatrick iniciaram o show com "Wild Flower" ("Eletric", 1987). Sem conversa emendaram "Rain" ("Love", 1985) e "Dark Energy" ("Hidden City", 2016).

Caminhando de um lado para o outro do palco, Ian arriscou o português para agradecer os aplausos dos fãs. Leu um cartaz que pedia por "Fire Woman", avisando que a música seria tocada mais tarde. Após as sensacionais "Peace Dog", "Lil' Devil" (ambas de "Eletric") e "Nirvana" ("Love") Ian fez a leitura de um banner da marca de cerveja que patrocina o local da apresentação, sem entender o que significava. Ian também elogiou a jaqueta de um fã que estava na grade.

No meio de "Birds of Paradise" ("Hidden City"), o frontman realizou uma homenagem para Chris Cornell, recebendo muitos aplausos e realizando um gesto de coração com as mãos como agradecimento. O ponto forte da noite foi quando "She Sells Sanctuary" ("Love"), "Sweet Soul Sister" e "Fire Woman" (canções que representaram o álbum "Sonic Temple", de 1989) foram apresentadas na sequência. Elas anunciavam que o show estava próximo do seu término. Pouquíssimo tempo depois de deixarem o palco, os músicos voltaram para o bis.

No retorno ao palco Ian disse que a próxima parada do grupo seria em Curitiba, perguntando se os porto-alegrenses gostam de Curitiba. O repertório foi encerrado com "Kind Contrary Man" e "Love Removal Machine" ("Eletric"). Os músicos priorizaram clássicos no setlist, deixando de fora "Revolution" que foi bastante lembrada pelos gaúchos.

A qualidade sonora estava perfeita e o trabalho de iluminação foi completo, com diversas luzes adicionais. Os fãs puderam ouvir a potente voz de Ian com clareza e ver de perto as belas guitarras de Billy. Ele utilizou modelos Les Paul da Gibson e a sua marca registrada, o modelo Falcon G7593T da Gretsch. Apesar da frieza dos músicos com a plateia, o gelo foi se quebrando aos poucos. Depois de usar bastante as suas pandeirolas, Ian distribuiu-as para os mais sortudos, Tempesta jogou baquetas e os responsáveis pelas cordas lançaram palhetas para os fãs. Porto Alegre pôde ver um show direto, onde frescuras não foram bem-vindas e a música esteve no topo em 100% do tempo.


Outras resenhas de Cult (Bar Opinião, Porto Alegre, 17/09/2017)

The Cult: Um grande show de uma grande banda em POAThe Cult: trazendo muita emoção e muito hard rock a POA




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Cult"


The Cult: Vídeos promocionais da box-set de Sonic TempleThe Cult: Sonic Temple será reeditado em box-set com cinco CDs

Matt Sorum: a entrevista mais reveladora de sua carreiraMatt Sorum
A entrevista mais reveladora de sua carreira

São Paulo Trip: As prováveis datas das apresentações...São Paulo Trip
As prováveis datas das apresentações...

Góticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80Góticas
10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80


Quando shows dão errado: 25 apresentações desastrosasQuando shows dão errado
25 apresentações desastrosas

Metallica: sobre o que fala Metallica
Sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaLegião Urbana
Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica

Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioSign of the horns: o sinal do DemônioPearl Jam: homem canta "Even Flow" enquanto é preso; veja vídeoPirações Sonoras: Os 50 álbuns mais estranhos da música

Sobre Guilherme Dias

Fanático por heavy metal e hard rock desde os 12 anos de idade. Coleciona CDs e LPs, principalmente do Helloween e seus derivados. Colabora com o site desde 2013. Nasceu em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336