Gloria: Resenha e fotos do show no Rio de Janeiro

Resenha - Gloria (Teatro Odisseia, Rio de Janeiro, 03/07/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Crédito das fotos:
Fabrício Mainenti

No último domingo (3), o Glória voltou ao palco do Teatro Odisseia, na Lapa, Centro do Rio de Janeiro, para se apresentar diante de seus fãs. Com produção da Cena Rock, o evento contou com abertura das bandas 8MM, The Ocean Revives e Ancora, enquanto o público chegava aos poucos. Marcado para começar às 21h, o show do grupo liderado pelo vocalista Mi Vieira teve início com 20 minutos de atraso, deixando o público carioca bastante ansioso. Se a plateia não encheu o local, talvez em função do dia da semana, por outro lado não faltou empolgação dos presentes. Embaixo a galera formava rodinhas de respeito, com segurança e responsabilidade (como sempre deve ser), já em cima do palco o Gloria respondia com vigor e energia.

A faixa escolhida para abrir o show foi "Desalmado", do álbum "(Re)nascido" (2011), para fazer o chão tremer logo de cara. Ao perceber a disposição do público, Mi agradeceu com um "muito obrigado" e se dirigiu aos fãs colados na beira do palco para pegar nas mãos que estivessem por perto. Mais para frente da apresentação, o grupo, também formado por Elliot Reis (guitarra e vocais), Peres Kenji (guitarra solo), Thiago Abreu (baixo) e Leandro Ferreira (bateria), executou "Horizontes", faixa que tem participação de Lucas Silveira, da Fresno. Como não poderia ser diferente, a plateia cantou os versos da canção em coro e a plenos pulmões.

Então foi chegada a hora do Gloria anunciar sua banquinha, disposta à direita do público e atrás de onde todos estavam. Depois de "Presságio", outra música que contagiou bastante os presentes, o vocalista do Gloria anunciou que o batera Leandro estava completando um ano na banda, fazendo com que os fãs, claro, se manifestassem com muitos aplausos. A noite seguiu com "Minha Paz" e "Tudo Outra Vez". Antes de "Previsões", faixa que estará presente no novo disco "O Quinto", Mi aproveitou para lembrar os últimos 15 anos do Gloria e falou sobre a composição da música. Inclusive, esta não foi a única canção do próximo álbum a figurar no setlist, o grupo também apresentou "A chama" para o público do Rio de Janeiro.

O show contou ainda com "Asas Fracas", que, conforme Mi explicou, foi composta em parceria com o guitarrista do NX Zero Gee Rocha, além de ser a única música que o Gloria toca da primeira formação. Outros sucessos do grupo de post-hardcore paulista também apareceram no repertório, como "Vai Pagar Caro Por Me Conhecer", "É Tudo Meu", "Bicho do Mato", "Anemia", "A Arte de Fazer Inimigos" e "Me Tira Daqui".

Na hora de fechar o show, que teve exatos 60 minutos, Mi desejou que todos voltassem bem para casa e cantou em seguida "Onde Estiver", para catarse dos fãs, "roubando" ainda um chapéu na plateia. Logo após o som do Teatro Odisseia subir, o público ficou com a sensação de "quero mais", por causa da curta apresentação. Mas, como em qualquer grande espetáculo de rock, o ingresso acabou valendo, de toda forma.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Gloria"


QueenQueen
Brasileiro regrava o clássico "Bohemian Rhapsody" sozinho

Andreas KisserAndreas Kisser
"Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Iron MaidenIron Maiden
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

Max CavaleraMax Cavalera
"Deveríamos ter demitido os dois e mantido o nome"

Rock brasileiroRock brasileiro
Em 24 de outubro de 1955 a vida dos jovens mudou

Time Magazine: os 100 maiores álbuns de todos os temposSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlayer: Assista Paul Bostaph treinando bateria em casaLed Zeppelin: as 10 melhores músicas da banda segundo o WatchMojo

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336