Mr Big & Winger: protagonistas da mesma arte

Resenha - Mr. Big e Winger (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 08/02/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Prudente
Enviar correções  |  Ver Acessos

A dramaturgia é a arte de representar emoções por meio de personagens, e avaliando-a de uma forma descomplicada, é composta, basicamente, do protagonista e coadjuvante, onde o primeiro possui um perfil melhor desenvolvido enquanto ao segundo é reservado um desenvolvimento, digamos, tímido.

Blaze Bayley: "é melhor ser ex do Iron que do A-HA"Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre ele

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas o que uma breve explicação sobre dramaturgia serve para a crítica do show das bandas Mr. Big e Winger? A resposta, caro leitor, é: tudo. E é indo contra conceitos da dramaturgia que as duas bandas atuaram como protagonistas na noite do último domingo (08), Fundição Progresso/RJ, colaborando para um saldo positivo a todos: público e bandas.

Com seu hard progressivo, o Winger abriu a noite com a novata "Midnight Driver of a Love Machine", faixa do mais recente álbum de estúdio, 'Better Days Comin' (2014). Sempre comunicativo, o vocalista/baixista/tecladista Kip Winger é o tipo de anfitrião que deixa a visita à vontade e feliz, e fora dessa forma que o público cantou os versos da icônica, "Easy Come Easy Go".

Levantar a bandeira da proeminência técnica dos músicos - do citado Kip Winger; Reb Beach (guitarra); Rod Morgenstein (bateria) e Donnie Smith (guitarra/baixo) - é chover no molhado, visto que o espólio de suas obras foi responsável em ajudar moldar um estilo musical e, principalmente, se perpetuar inexoravelmente ao tempo.

Em sabida decisão, o repertório dos americanos foi balanceado com temas das mais novas safras como "Rat Race" e "Pull Me Under" às inveteradas do teor de "Miles Away"; "Madalaine"; "Seventeen" e "Can't Get Enuff". Como poucos, o Winger promete e entrega um espetáculo, seja para seu público cativo ou para os marinheiros de primeira viagem, que faz valer cada centavo gasto, ou melhor, investido.

Deixar o domingo com aquela sensação e quê da felicidade de sexta a noite é uma tarefa que só bandas da classe do Mr. Big consegue. E como conseguiu, diga-se! Amparado pelo mais recente álbum de estúdio,'...The Stories We Could Tell', a banda americana presenteou o público carioca com uma apresentação pautada pelo brilhantismo individual de todos os músicos, repertório bem sacado e emoção de contar com a participação especialíssima do baterista original, Pat Torpey, - substituído por Matt Starr, completa a banda Eric Martin (vocal); Paul Gilbert (guitarra) e Billy Sheehan (baixo) - afastado por questões médicas.

Canções do multi-platinado álbum 'Lean Into It' como de "Daddy, Brother", "Lover, Little Boy (The Electric Drill Song)"; "Take Cover"; "Wild World"; "Alive and Kickin'"; "Just Take My Heart"; "Green-Tinted Sixties Mind" e "To Be With You" formaram um mix interessante com temas da natureza de "Undertow"; "Take Cover"; "Gotta Love the Ride"; "Colorado Bulldog" e o cover do Priest,"Living After Midnight".

Como em raras exceções, o Mr. Big é uma banda a qual os predicados são aplicáveis a todos os músicos, não há holofote ostentando atenção a um determinado membro, todos são protagonistas e é exatamente isso que faz o primor e grandiosidade de sua arte.

O saldo da noite foi amparado com sorrisos largos a quem se dispôs sair de casa e conferir dois grandes espetáculos de dois ilustres protagonistas, que rechaçam quaisquer maledicências do festivo, alegre e prazeroso hard rock. Voltem sempre, o público agradece!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Mr Big"Todas as matérias sobre "Winger"


Mr. Big: Paul Gilbert curte Shine, com Kotzen, mas estranhou ao ouvi-laMr. Big
Paul Gilbert curte "Shine", com Kotzen, mas estranhou ao ouvi-la

Eric Martin: O grunge acabou com muitas bandas nos anos 90Eric Martin
O grunge acabou com muitas bandas nos anos 90


Blaze Bayley: é melhor ser ex do Iron que do A-HABlaze Bayley
"é melhor ser ex do Iron que do A-HA"

Marilyn Manson: 7 coisas que você não sabia sobre eleMarilyn Manson
7 coisas que você não sabia sobre ele


Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.

adGoo336