Paul McCartney: Duas noites memoráveis em São Paulo

Resenha - Paul McCartney (Allianz Parque, São Paulo, 25/11/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel de Paiva Cazzoli
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Difícil externar o que senti nos dois espetáculos oferecidos por esse senhor de 72 anos. A expectativa da entrada no palco desse artista atemporal era algo fora do comum. Não havia como evitar a frase: “Meu Deus, obrigado pela vida... eu vou ver um beatle”.

3473 acessosUlrich no U2: ele perdeu para McCartney a chance de tocar bateria5000 acessosCorey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"

Abrindo na primeira noite com a dançante “Eight Days a Week” e, na segunda, com a quase psicodélica “Magical Mystery Tour”, a única outra mudança seria no primeiro bis, em que ele mandou a setentista “Hi, Hi, Hi” e, no segundo show, “Get Back”. No mais, sem alterações... e precisa? Esse gênio musical tem tanta obra-prima, em todas as suas fases, que um repertório justo teria que durar um dia inteiro, mesmo assim passível de discussões.

Foram emoções variadas, algumas na mesma música. Em “The Long and Widing Road”, por exemplo, a alegria de ouvir esse clássico alternava com a saudade do meu pai que, da última vez em que o eterno beatle esteve por aqui, derramou suas lágrimas durante esta canção. Na sequência, a belíssima “Maybe I’m Amazed” preparava a plateia para a country “I’ve Just Seen a Face”, emendada na contagiante “We Can Work it Out”. O bolero “And I Love Her” fez brilhar os olhos de minha mãe, fazendo contraponto com as imagens de mulheres grandiosas nos telões ilustrando a marcante “Lady Madonna” e emocionando também minhas irmãs e um amigo que, a todo instante, lembrava os preciosos ensinamentos musicais recebidos na infância.

Depois da inesquecível “Blackbird”, as homenagens aos outros dois mestres da maior banda de todos os tempos não poderia faltar: a emocionante “Here Today”, relembrando a amizade com o não menos brilhante JOHN LENNON; e, para arrepiar o mais insensível dos mortais, a maravilhosa “Something”, de um tal GEORGE HARRISON.

A alegria do público em uma música aparentemente inocente como “Ob-La-Di, Ob-La-Da” só reforçou a maestria das músicas do quarteto fabuloso de Liverpool, que consegue ter canções para todas as pessoas, de qualquer sexo ou idade. “All Together Now” é um exemplo perfeito. Vale ressaltar que até o mago JIMI HENDRIX foi lembrado em uma execução curta, mas certeira, de “Foxy Lady”.

As novas faixas do excelente álbum “New” foram executadas à perfeição, por uma banda simplesmente fenomenal. E foi muito recompensador presenciar duas faixas tão pouco badaladas do grandioso “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”: “Lovely Rita” e “Being for the Benefit of Mr. Kite”, em toda a sua complexidade, trouxeram a certeza de que nunca mais existirá uma banda como THE BEATLES.

“Band on the Run” foi de matar do coração qualquer fã da fase dos WINGS e a pirotecnia de “Live and Let Die” é para não se esquecer jamais. Em contrapartida, a euforia e vontade de quebrar tudo, no bom sentido, na execução de hinos como “Back in the U.S.S.R.” e “I Saw Her Standing There”, a última, por sinal, fazendo com que eu me sentisse voltando a um tempo que não vivi.

A catarse coletiva em “Let it Be” e “Hey Jude” me transportou para um mundo utópico, de paz e confraternização entre os povos. Coisas que só a arte produz.

Inacreditavelmente, havia pessoas indo embora após o primeiro bis. Um bando de alienados que, talvez, não esteja muito acostumado com a dinâmica de um show de Rock’n’Roll ou apenas se esqueceram que Sir James ainda não havia brindado os presentes com a música mais executada de todos os tempos: “Yesterday”. Sua simplicidade é tão marcante quanto sua beleza. Sem palavras. E para os casais se abraçando e os desavisados quase dormindo com a singeleza da canção composta por Paul enquanto dormia, ele dá um golpe de voadora no peito de todo mundo, fazendo uma leitura pesadíssima de “Helter Skelter”, o primeiro rock realmente pesado de que se tem notícia.

Claro, ainda tinha espaço para mais... como que pedindo para que não nos esquecêssemos dos apoteóticos concertos, McCartney iniciou a sequência final de “Abbey Road”, apenas a melhor de qualquer álbum lançado até a atualidade.

A simpatia, destreza nos instrumentos, fôlego para cantar e a capacidade ímpar de entreter um público gigantesco contrastam com a humildade desse cara que não tem noção do tamanho da sua importância para a arte.

Sir James Paul McCartney, obrigado por essas duas noites inesquecíveis... obrigado por compor a trilha sonora de minha vida e de tantos milhões espalhados por esse planeta. E quem acha que estou idolatrando uma pessoa, ache o que quiser. Prefiro vê-lo como um amigo. Alguém muito mais importante do que muita gente que sou obrigado a conviver e que não me acrescenta absolutamente nada de relevante.

“And in the end, the love you take is equal to the love you make”

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Paul McCartney (Allianz Parque, São Paulo, 25/11/2014)

1110 acessosPaul McCartney: Energia de dar inveja a qualquer jovem

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de novembro de 2014

Lars Ulrich no U2Lars Ulrich no U2
Ele perdeu para Paul McCartney a chance de tocar bateria

2257 acessosE se for verdade?: Famosos que morreram e foram substituídos1353 acessosShows: em vídeo, Top 11 Músicas Viscerais de Encerramento255 acessosVersões: Clássicos que você talvez não saiba, ou não lembre que são0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Paul McCartneyPaul McCartney
Os Rolling Stones copiaram os Beatles?

BeatlesBeatles
Paul Cole, um anônimo na capa do "Abbey Road"

The BeatlesThe Beatles
Fotos da última sessão com os quatro juntos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Paul McCartney"0 acessosTodas as matérias sobre "Beatles"0 acessosTodas as matérias sobre "Wings"

Corey TalorCorey Talor
"Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"

Raise the hornsRaise the horns
A origem de um dos simbolos mais fortes do Heavy Metal

Iron MaidenIron Maiden
O passado vergonhoso registrado em fotos

5000 acessosJimi Hendrix: 12 coisas que talvez você não saiba sobre ele5000 acessosRock In Rio I: Pra quem tem menos de quarenta anos fica difícil imaginar5000 acessosBatismo: Os nomes verdadeiros dos artistas do Rock e Metal5000 acessosMegadeth: como é o cabelo de Dave Mustaine quando ele acorda?5000 acessosMarilyn Manson: os divertidos flyers do início de carreira5000 acessosAngra: Destrinchando a música "Carolina IV"

Sobre Daniel de Paiva Cazzoli

Daniel é bancário, professor de Inglês e Português, fanático por Rock´n´Roll em quase todas as suas vertentes, tendo como início de tudo o quarteto fabuloso de Liverpool.

Mais matérias de Daniel de Paiva Cazzoli no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online