Sharon Corr: a magia da Irlanda invade o Brasil

Resenha - Sharon Corr (HSBC Brasil, São Paulo, 17/10/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Se pudermos resumir a noite de quinta-feira no HSBC Brasil, sem dúvidas a palavra “magia” surgirá para a maioria dos presentes. A apresentação de Sharon Corr e sua banda não só trouxe, pela primeira vez, a presença de um Corr ao Brasil como também trouxe o toque especial e intimista que a banda irlandesa trazia em suas apresentações: o rock, o pop e o folk estiveram mais que presentes, em um show digno da técnica de uma das maiores artistas do gênero na atualidade.

A apresentação começou com em torno de 30 minutos de atraso, deixando o espetáculo – que já estava marcado para bem tarde – em um horário mais tarde ainda. Porém o público, que estava bastante contente e em largas discussões nas mesas do HSBC Brasil, não viu neste atraso nenhum problema: era, na verdade, um tempo extra para que todos os presentes dividissem com as pessoas em volta o seu amor pelo artista. O fã clube merece destaque, pois não só mostraram todo o amor para a vocalista em homenagens sem fim durante o show, como também vieram todos uniformizados para a apresentação.

O show foi aberto com “We Could Be Lovers”, que já mostrou grande empolgação do público, levando a música nas palmas. A bela voz de Sharon Corr, que parece apenas ficar melhor e mais forte com o tempo, já deu o tom do que seria toda a apresentação da banda: comandada pela consistência dela, tanto no arco quando nas cordas vocais, não seria difícil supor que o bom resultado seria quebrado durante a apresentação.

O palco estava, no geral, perfeito. Pronto para uma apresentação digna de uma grande estrela internacional, tanto o som quanto as luzes pareciam extremamente bem afinadas com o conceito que a banda apresentava. As primeiras músicas serviram para afinar os detalhes e as arestas que talvez ficaram soltas durante as passagens de som.

A vocalista mostrou durante o espetáculo graciosidade. Agradeceu ao público em português, em seu belo inglês de sotaque britânico e nos gestos emotivos com que desempenhava sua presença de palco. “É maravilhoso estar aqui no Brasil!”, disse ela bastante sorridente, desejando que o público aproveite tanto o espetáculo quanto ela já o estava aproveitando.

Os primeiros destaques da apresentação então surgiram com músicas como “Smalltown Boy” e “Cooley’s Reel”, já bastante conhecidas do repertório da musicista. Ao som do piano e dos vocais de Sharon, as músicas adquiriram um caráter mais que especial, que encantou o público. O silêncio, nesta parte do show, foi o resultado do amor do público para Sharon: a atenção da plateia, focada sobre a apresentação, foi um dos melhores momentos do show. Já na segunda, a primeira apresentação de Sharon no violino, foi impossível não levantar o público, que acompanhou o arco palma a palma.

Encaixada a “Cooley’s Reel” foi a música “Radio”, um dos grandes sucessos do The Corrs. O público rapidamente nota qual é a música que está tocando e vai a polvorosa. O ritmo mágico e empolgante da música dominou o público. “Vocês são ótimos cantores!”, diz Sharon entre sorrisos, tirando mais palmas dos fãs. Agradeceu também ao amor de todos os fãs que vieram ao show, e parecia extremamente confortável em sua estada no país.

As novidades do show vieram no seu miolo, com dois belíssimos covers. O primeiro foi do clássico “Dream a Little Dream of Me”, que para os metalheads como eu foi mais conhecido por uma versão do BLIND GUARDIAN. A música encantou o público e ficou divina com a voz de Sharon Corr, em uma espécie de versão acústica acompanhada apenas no ukulele e no clarinete. A segunda apresentação surpreendente veio com um cover de CARTOLA, “As Rosas não Falam”, que fez o público aplaudir de pé. Não seria por menos, o violino de Sharon fez as notas mais emocionantes da noite para todos nós brasileiros, pois sentimos que um pedacinho do show dela foi dedicado ao próprio Brasil. Melhor ainda foi a notícia de que a música será levada ao redor do mundo na nova turnê de Sharon, em divulgação ao seu novo álbum.

Mostrando que também tem uma mão forte no rock, a música “Love Me Better” foi a maior representação das levadas de guitarra na noite. Cheia de raiva e de um estilo que beirou também ao country, levantou o público e foi outro grande destaque. A música “Raindrops”, que seguiu o show, não teve o mesmo destaque, mas não pode evitar tocar o coração dos presentes: o ritmo, no tom da chuva, não conseguia esconder uma tranquilidade e uma sensação de satisfação.

Fechando o show, a banda apresentou duas músicas bastante conhecidas do repertório do The Corrs: “Dreams” e “So Young”. Elas não conseguiram esconder a sensação que os fãs tinham com o amor pela banda, cantaram juntos em ambas as músicas e até mesmo diversos fãs podiam ser encontrados dançando nas laterais da casa. Na segunda, toda a plateia se levantou para cantar junto, fazendo as mesas serem engolidas pelo mar de pessoas em pé. A vocalista, então, se enrolou em uma bandeira do Brasil que ganhou de um fã, e antes de sair do palco agradeceu novamente a oportunidade de estar no Brasil.

Dado o horário, muitas pessoas se retiraram da casa, porém a maioria continuou ali, em pé, firme como aguardando o retorno da banda. Não demorou muito mais de alguns minutos e todos estavam novamente presentes. Sharon abriu o bis com o solo instrumental de música tradicional “Our Wedding Day”, que realmente deixou a todos estupefatos dada à virtuosidade da violinista: um pedacinho da cultura irlandesa vivia ali, no palco, em frente ao público brasileiro. Ligada ao primeiro bis esteve a intimista “The Same Sun”, música que dá nome ao novo álbum da solista e também a sua nova turnê, estreada neste dia 17.

Antes de finalizar o show, agradeceu o carinho de todos, aos produtores do HSBC Brasil e da Alpha FM, que possibilitaram sua vinda ao Brasil, e especialmente aos fãs. O show foi fechado com “Joy of Life”, música já bastante conhecida do repertório de Sharon pelo mundo. Com uma bela abertura de violino e a voz fantástica de sempre, ficou muito difícil dizer “qual” é a melhor Sharon, que em uma apresentação impecável levou o público na unha com suas cordas mais uma vez.

Quando o show terminou, e todos os músicos se curvaram para a plateia, ficou difícil não ver a satisfação dos fãs que estavam presentes: a condição do espetáculo, grandiosa do inicio ao fim, somente pode dar é mais vontade de repetir o show no próximo domingo, dia 20, quando Sharon Corr fará sua segunda apresentação em São Paulo: pode ser a oportunidade, para os que a perderam, de constatar a maravilha que é a apresentação dessa estrela.

Setlist:
1. We Could Be Lovers
2. The Runaround
3. So Long Ago
4. Ears Painted On
5. Smalltown Boy (cover de Bronski Beat)
6. Cooley's Reel
7. Radio (música do The Corrs)
8. Upon an Ocean
9. Edge of Nowhere
10. Dream a Little Dream of Me (cover de Ozzie Nelson)
11. As rosas não falam (cover de Cartola)
12. Woodstock (cover de Joni Mitchell)
13. Mná Na h'Éireann
14. Take a Minute
15. Love Me Better
16. Raindrops
17. Dreams (cover de Fleetwood Mac)
18. Full Circle
19. So Young (música do The Corrs)
Bis:
20. Our Wedding Day
21. The Same Sun
22. Joy of Life

Fotos: Fernando Yokota

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Corrs"

SlashSlash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Red Hot Chili PeppersRed Hot Chili Peppers
As melhores músicas segundo o Loudwire

Bob DylanBob Dylan
É dele a "Maior Música de Todos os Tempos"

5000 acessosMotorhead: a opinião de Lemmy sobre Viagra, Hendrix e velhice5000 acessosHailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal5000 acessosIron Maiden: em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal5000 acessosSlayer: ouça "Seasons In The Abyss" com Corey Taylor no vocal5000 acessosDeath Metal: o preconceito em matéria sobre carros usados5000 acessosMax Cavalera: Explicando à Billboard o que houve com seus dentes

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online