Marky Ramone's Blitzkrieg: o que conta é a diversão

Resenha - Marky Ramone's Blitzkrieg (Manifesto, São Paulo, 12/09/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Glauber Magalhães
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Diversão, se existe uma palavra para definir os shows de Marky Ramone em São Paulo, essa é a palavra. O lendário baterista, apesar de não ser da formação original dos Ramones, tem total autoridade para poder usar o título e o nome da banda pelo mundo afora.

479 acessosRamones: A resenha do "Road to Ruin" na Punk Magazine5000 acessosMetal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

A banda conta novamente com Michale Graves nos vocais, o ex- Misfits além de cantar muito, sempre sobe no palco com o tesão do fã tocando com ídolo o que torna o show ainda mais legal. Para os puristas e fãs da banda pode não agradar muito, mas eu particularmente acho sensacional quando ele impõe o seu jeito mais melódico de cantar alguns clássicos do Ramones e não simplesmente fazendo uma cópia de Joey Ramone.

O set list conta com toda diversão esperada pelos fãs de várias gerações desde João Gordo, que estava lá, até um moleque que estava atrás de mim na fila, que tinha 15 anos e era seu primeiro show.

Por isso que quando criticam esse tipo de show chamando o artista de caça níquel por usar o nome da banda, em muitos casos eu discordo, porque ver moleques e meninas cantando absolutamente todas as músicas da banda que acabou antes mesmo deles nascerem é no mínimo sensacional.

O show já na primeira música contou com um contratempo quando um dos cabeçotes da guitarra acabou queimando. Solucionado o problema o show transcorreu da melhor forma possível com o som muito bom e obviamente todos os presentes felizes da vida por estarem vendo dois ídolos de diferentes gerações no palco, pois não tem como negar que lá também tinham muitos fãs do Misfits, que aliás foram à loucura quando a banda tocou Dig Up Her Bones.

Estrategicamente o set conta com um break em que Michale Graves pega o violão e canta sozinho algumas músicas de sua fase no Misfits; foram elas: Descending Angels, Fiend Club e Sathurday Night, desnecessário dizer que o público cantou aos berros e que algumas meninas até choraram com essas versões.

Depois desse intervalo o show plugado volta com direito a Pinhead pulando no palco, uma vez que a idéia é te fazer sentir a experiência dos shows clássicos do Ramones.

Obvio que com tudo de legal que rola neste show ninguém ali acha que de fato está vendo o Ramones, mas é como eu citei no início deste texto a DIVERSÃO é o que conta ali, e como sabemos que eles tocam a cada seis meses no Brasil, se você perdeu, relaxe! Daqui a muito pouco tempo eles virão a fazer EXATAMENTE o mesmo show, sem mudar uma nota sequer e é isso que faz todo fã de Ramones ficar ainda mais feliz!

Show com diversão garantida!

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

479 acessosRamones: A resenha do "Road to Ruin" na Punk Magazine154 acessosArquivo KZG: Ramones no Fúria Metal em 1992662 acessosRamones: a terceira e última parte da história da banda2764 acessosRock e Metal: em vídeo, as dez maiores tretas entre músicos95 acessosArquivo KZG: Marky Ramone no Musikaos em 2000196 acessosRamones: em vídeo, entrevistados por Gastão Moreira em 19940 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ramones"

Max CavaleraMax Cavalera
Ele gostaria de ter sido membro do Ramones

Punk RockPunk Rock
Os 25 maiores discos de todos os tempos

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ramones"0 acessosTodas as matérias sobre "Misfits"

Metal/HardMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Dave MustaineDave Mustaine
Falando sobre Magia Negra, Obama e Metallica

CoversCovers
Quando bandas Thrash, Death e Black prestam tributo

5000 acessosKerrang!: listando 30 bandas que mudaram sua vida5000 acessosLed Zeppelin: 10 músicas para ouvir quando estiver na fossa5000 acessosMetallica: Rock In Rio explica pane que ocorreu durante o show5000 acessosTemas de games: cinco clássicos em versões Heavy Metal5000 acessosGuitar World: Eddie Van Halen, o melhor de todos os tempos5000 acessosTwisted Sister: Dee Snider detona falecido baterista AJ Pero

Sobre Glauber Magalhães

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online