Slash: o Rock ainda tem chance de sobreviver nesta era

Resenha - Slash (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 02/11/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Renan Ambrozzi
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

E pela segunda vez estou eu presente no show da carreira de SLASH ao lado da banda MYLES KENNEDY AND THE CONSPIRATORS, esse ano na Fundição Progresso. Para quem chegou cedo e também presenciou o show passado deve ter compartilhado comigo a impressão que pouca gente estava lá e que seria um show vazio … ledo engano. Mesmo a leve presença da chuva não foi o suficiente para segurar os fãs em casa.

876 acessosGuns N' Roses: visita dos músicos a Jerusalém é cancelada5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros

A cada hora que antecedia o show a ansiedade aumentava, mesmo com a banda de abertura PORN QUEEN o público já clamava por SLASH. A propósito, um comentário sobre a PORN QUEEN: excelente banda, tem um instrumental muito bom, com um som puxado pro Southern em suas composições (o que me agrada muito) mas, pessoalmente falando, as músicas não encaixam muito bem, harmonicamente falando. Como ponto alto diria que o cover de ALICE IN CHAINS foi sensacional.

Depois de um curto show de abertura e um momento de tensão as luzes apagam e ouvi-se a voz de introdução ao show que começa com “Halo” do recente “Apocalyptic Love” só pra aquecer. Um dos muitos pontos altos do show, a clássica “Nightrain” faz todos pularem e cantarem junto, seguindo com “Ghost” e mais uma do novo álbum, “Standing In The Sun”, dando espaço para o clamor do público que aumentaram com o riff inicial de “Back From Cali”.

Fazendo uma espetacular volta ao tempo, tivemos “Been There Lately” da época do SNAKEPIT com um solo final de matar e seguido de dois grandes sucessos do GUNS N’ ROSES, “My Michelle” e “Rocket Queen”, ambas trazendo ao palco todo aquele vigor do guitarrista-lenda em seu auge no GUNS, em particular um solo estrondosamente gigante e perfeito em “Rocket Queen”.

Com uma breve apresentação voltamos ao presente com “Bad Rain” e, em seguida, “Not For Me” para acalmar os ânimos, elevar emoções e coros do público. Terminando a música tivemos uma mudança, Myles saiu do palco e Todd Kerns assumiu os vocais para “Dr. Alibi” no puro espírito Rock N” Roll que se manteve em “You’re Crazy”.

De volta com Myles o show prosseguiu com “No More Heroes”, particularmente uma música sensacional, e depois a primeira música da parceria Slash e Myles Kennedy, a balada “Starlight” terminando em aplausos e agradecimentos, e dando sequência à uma íncrivel jam do Slash, trabalhadíssima na melodia, provavelmente muitos tiveram orgasmos nela. Assim a jam emendou na belíssima “Anastasia”, onde Myles estendeu uma bandeira do Brasil no palco recebida dos fãs.

Enfim o single de “Apocalyptic Love”, “You’re A Lie” entrou em cena agitando todos e preparando os ânimos para, provavelmente, a canção mais esperada do setlist, “Sweet Child O’ Mine”, cantada com uma energia impressionante por toda platéia. Ao som do riff inicial de “Slither” do VELVET REVOLVER, Myles apresentou a banda e Slash puxa uma segunda bandeira da platéia que gerou algumas vaias do público por ter o brasão do Flamengo nela (atitude ridiculamente típica brasileira em misturar futebol com música), assim partindo para a última música.

O público ainda em frenesi. Como esperado a banda volta para mais, e numa grande surpresa o primeiro bis foi nada menos que “Welcome To The Jungle” na voz de Todd, algo realmente extasiante e impressionante, a música agitou o público mais que qualquer outra. E encerrando uma noite memorável, a clássica “Paradise City” finalizando com pirotecnia e chuva de papel, só para fazer os fãs irem para casa querendo que o show acontecesse outra vez.

Inegavelmente um show incrível. Um show, que ao meu ver, só não foi melhor graças à fãs que instigam comparações entre épocas, o que é algo ridículo. Quando tiverem chance, vão a um show do Slash em seu momento atual desprendidos de conceitos tão banais, talvez consigam ouvir mais que plena música. Também expresso minha vergonha por aqueles que comparam o talento entre os membros da banda com o antigo GUNS e, principalmente, sobre a capacidade de Myles Kennedy seja vocal ou performática. Algo triste de se ouvir para um fã de música. Mas além de pessoas pobres, Slash e sua banda mostraram que o Rock ainda tem alguma chance de sobreviver nesta era.

Setlist:

01- Halo
02- Nightrain
03- Ghost
04- Standing In The Sun
05- Back From Cali
06- Been There Lately
07- My Michelle
08- Rocket Queen
09- Bad Rain
10- Not For Me
11- Dr. Alibi (vocal de Todd Kerns)
12- You’re Crazy (vocal de Todd Kerns)
13- No More Heroes
14- Starlight
15- Blues Jam
16- Anastasia
17- You’re a Lie
18- Sweet Child O’ Mine
19- Slither

Bis:

20- Welcome to the Jungle (vocal de Todd Kerns)
21- Paradise City

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Slash (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 02/11/2012)

3037 acessosSlash: público em êxtase no show do Rio de Janeiro3620 acessosSlash: seguindo em frente, sem viver somente de passado5000 acessosResenha - Slash (Fundição Progresso, Rio de Janeiro, 02/11/2012)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 16 de novembro de 2012

Guns N RosesGuns N' Roses
Visita dos músicos a Jerusalém é cancelada após ataque terrorista

1429 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1574 acessosFabio Lima: 13 músicas pelo Guns N' Roses0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Rock In RioRock In Rio
5 shows inesperados que o festival trouxe ao Brasil

Guns N RosesGuns N' Roses
Confusão de St. Louis no Jornal do SBT em 1991

Guns N RosesGuns N' Roses
Bumblefoot: "É como dirigir numa estrada maior!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Slash"0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"5000 acessosLemmy: "Radiohead e Coldplay são bandas sub-emo"5000 acessosSeparados no nascimento: Andre Matos e Steve Perry5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo3846 acessosMetaleiro: popularizado no 1º RIR, termo continua polêmico5000 acessosMetallica: o que Andreas Kisser achou do "Hardwired?"

Sobre Renan Ambrozzi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online