G3: Uma verdadeira aula de habilidade e técnica em SP

Resenha - G3 (Credicard Hall, São Paulo, 12/10/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Passando mais uma vez pelo Brasil, a turnê G3 dessa vez contou com STEVE MORSE (DEEP PURPLE, DIXIE DREGS), JOHN PETRUCCI (DREAM THEATER) e, é claro, JOE SATRIANI, o idealizador desse projeto. Depois de uma apresentação no Rio de Janeiro na noite anterior, nesta sexta-feira de feriado foi a vez de São Paulo receber os renomados guitarristas para mais uma celebração ao virtuosismo e à técnica apurada no comando das seis cordas.

11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream TheaterOs dez maiores picaretas da música internacional

Fotos por Adriana Camargo

A abertura do show coube a STEVE MORSE, que entrou no palco pontualmente às 22hs. Trazendo canções de sua carreira solo ao lado do grupo STEVE MORSE BAND, formado por ele após a saída do DIXIE DREGS, o guitarrista explorou toda sua discografia, dos álbuns mais antigos da década de 80 até o mais recente "Out Standing in Their Field" (2009).

Sem delongas, MORSE entrou no palco e foi direto ao assunto, executando uma música atrás da outra até "John Deere Letter", quando então parou para conversar com o público e dizer que era uma honra tocar novamente no país. Aproveitou também para apresentar os músicos que o acompanhavam.

MORSE tem uma sonoridade que mistura Rock, Blues, Soul e diversas fusões de gêneros diversos, com canções muito bem trabalhadas, mas nem sempre tão agitadas. Por esta razão, o público foi se empolgando lentamente e o agito ficou mais para o final, durante a execução das ótimas e mais rápidas "Rising Force" e "StressFest", ambas com um show à parte do baixista Dave LaRue.

O músico, que é parceiro de longa data de MORSE, é realmente fantástico. Domina seu instrumento como poucos e a sonoridade do seu baixo foi destaque em toda a apresentação de MORSE.

Mesmo sendo o guitarrista do DEEP PURPLE, MORSE não tocou sucesso algum da sua banda atual, e o fechamento veio com "Cruise Control", do grupo DIXIE DREGS, outra canção agitada e que arrancou muitos aplausos do público.

Um intervalo de 15 minutos e as luzes se apagaram novamente: era hora de JOHN PETRUCCI mostrar todo o seu talento. O guitarrista foi ovacionado ao aparecer no palco, principalmente pelos muitos fãs do DREAM THEATER presentes no Credicard Hall.

Logo nos primeiros acordes de "Damage Control" já se viu que seria o set mais pesado da noite, com uma "cozinha" muito bem feita novamente pelo baixista Dave LaRue, dessa vez ao lado do companheiro de PETRUCCI no DREAM THEATER, o ótimo baterista Mike Mangini.

Como as canções tocadas por PETRUCCI são mais longas, o set apresentado por ele teve apenas seis músicas, três delas tocadas pela primeira vez ao vivo no Rio de Janeiro na noite anterior, e repetidas agora em São Paulo, como o próprio guitarrista anunciou.

Trocando de guitarra a cada música tocada, PETRUCCI mostrou toda sua habilidade com a guitarra durante 50 minutos e nem o tombo que levou no palco logo no início o fez perder o ritmo. "Glasgow Kiss" fechou o segundo ato da noite, já quase à meia-noite.

Novo intervalo de 15 minutos e o criador do G3 então apareceu no palco. JOE SATRIANI, com seu visual característico, careca e usando óculos escuros, abriu seu set com "Ice 9", do álbum de maior sucesso de sua carreira, "Surfing With The Alien".

Na sequência outra desse mesmo álbum: a sensacional "Satch Boogie". A empolgação com que a plateia ouvia e apreciava o som de SATRIANI era a mesma vista no rosto do guitarrista e de cada um dos músicos que o acompanhavam. Teve até mesmo um rápido duelo entre SATRIANI e o tecladista Mike Keneally: enquanto o guitarrista tocou com o dente, Mike trocou as mãos pelo nariz para tocar teclado. Um momento muito divertido.

Com luzes azuis iluminando todo o palco, SATRIANI mostrou sua genial capacidade de tocar aliando técnica apurada e feeling ao executar "Flying In A Blue Dream". Da mesma forma aconteceu durante "Always with Me, Always with You", faixa em que muitos dos presentes fecharam os olhos para "viajar" ao som dessa balada instrumental, enquanto outros preferiam ficar de olhos bem abertos e acompanhar o riff principal da canção com um sonoro "oh, oh, oh, oh".

O set de SATRIANI foi o que pareceu passar mais rápido, embora tenha tido os mesmos 50 minutos dos demais. Com "Surfing With The Alien", JOE encerrou sua apresentação e perguntou se todos estavam preparados para uma jam com os três guitarristas juntos.

Já era uma 1 hora da madrugada quando a jam começou e, principalmente para quem estava na pista, o cansaço após 3 horas em pé teve de ser superado para acompanhar as três músicas finais.

Os guitarristas do G3 homenagearam algumas das bandas que os influenciaram e o tecladista Mike Keneally foi o vocalista em "You Really Got Me" (THE KINKS). Já em "White Room" (CREAM), o agitadíssimo baixista Allen Whitman também cantou juntamente com tecladista, enquanto SATRIANI assumiu o microfone em "Rockin' In The Free World" (NEIL YOUNG).

Após versões mais alongadas e cheias de improvisos desses três clássicos do Rock, MORSE, PETRUCCI e SATRIANI se despediram do público e agradeceram a presença de todos.

Uma noite que foi mais do que um show, mas sim uma verdadeira aula de habilidade e técnica, ministrada por professores que esbanjam talento e versatilidade com a guitarra nas mãos.

Agradecimentos a Guilherme Oliveira (T4F) pela atenção e credenciamento. Fotos gentilmente cedidas por Adriana Camargo (Universo do Rock).

STEVE MORSE

Banda:

Dave LaRue: baixo
Dru Bretts: bateria

Set List:

1. Name Dropping
2. Highland Wedding
3. On The Pipe
4. Vista Grande
5. John Deere Letter
6. Baroque 'N Dreams
7. Rising Power
8. StressFest
9. Cruise Control (DIXIE DREGS)

JOHN PETRUCCI

Banda:

Dave LaRue: baixo
Mike Mangini: bateria

Set List:

1. Damage Control
2. Cloud Ten
3. Jaws of Life
4. Zero Tolerance
5. Glassy-Eyed Zombies
6. Glasgow Kiss

JOE SATRIANI

Banda:

Jeff Campitelli: bateria
Allen Whitman: baixo
Mike Keneally: teclado

Set List:

1. Ice 9
2. Satch Boogie
3. Flying In A Blue Dream
4. Crystal Planet
5. God Is Crying
6. Always With Me, Always With You
7. Crowd Chant
8. Surfing With The Alien

Jam - MORSE/PETRUCCI/SATRIANI

1. You Really Got Me (THE KINKS)
2. White Room (CREAM)
3. Rockin' In The Free World (NEIL YOUNG)


Outras resenhas de G3 (Credicard Hall, São Paulo, 12/10/2012)

G3: mestres das seis cordas em São PauloG3: A noite das guitarras em São Paulo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "G3"Todas as matérias sobre "Dream Theater"Todas as matérias sobre "Joe Satriani"Todas as matérias sobre "Deep Purple"Todas as matérias sobre "Dixie Dregs"


11 de Setembro: as tristes coincidências envolvendo Slayer e Dream TheaterHá 18 anos: Dream Theater lançava Live Scenes From New YorkLars Ulrich: e se ele tocasse em uma banda country?Dream Theater: em 1994, o Dream Theater cravava seu nome na cena

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Dream Theater: banda lança vídeo animado de Barstool Warrior; assistaDream Theater
Banda lança vídeo animado de "Barstool Warrior"; assista

Dream Theater: banda confirma turnê no Brasil

Dream Theater: datas da turnê brasileira e início das vendasDream Theater
Datas da turnê brasileira e início das vendas

Dream Theater: banda vai executar Scenes From a Memory na íntegraDream Theater
Banda vai executar Scenes From a Memory na íntegra

Dream Theater: duas músicas onde pode ter havido plágioDream Theater
Duas músicas onde pode ter havido plágio

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Dragonforce: Herman Li elege seus cinco riffs favoritosDragonforce
Herman Li elege seus cinco riffs favoritos


Os dez maiores picaretas da música internacionalOs dez maiores picaretas da música internacional
Os dez maiores picaretas da música internacional

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Chinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaChinese Democracy
De 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

Max Cavalera: "Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"Creed: nomeada pior banda dos anos 1990 pela Rolling StoneMarty Friedman: Por que ele largou o Megadeth para tocar J-Pop?Phil Anselmo: vocalista diz que odeia armas e explica o motivo

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336