Crosby, Stills & Nash: Paz de espírito e tranquilidade

Resenha - Crosby, Stills & Nash (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 12/05/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Chevrolet Hall é o local mais habitado a receber eventos de peso em BH. Assim, não poderia ser outro o lugar a receber o icônico trio de folk rock. Os artistas mereciam nada menos que lotação esgotada. Portanto, aos poucos a casa foi enchendo. O palco antes do show estava todo azul. Uma cor que traduz muito bem a sensação que o trio traz com sua música: paz de espírito e tranquilidade.

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs

O espetáculo foi simplesmente uma coisa linda, linda de se ver, ouvir, sentir. A música te faz involuntariamente sorrir, bater palmas, dançar. Crosby disse que eles estavam contentes de estar ali. Bem, isso foi tamanha generosidade, pois eles que faziam o público se sentir contente por estar ali presenciando a magia que eles traziam.

A banda é deliciosa. A harmonia entre os três é inacreditável, toda ela engendrada pelo regente Graham Nash. A voz de David Crosby é totalmente incompatível com seus setenta anos, com sua potência às vezes velada pela fragilidade de uma pétala de rosa. Stephen Stills é absolutamente impetuoso e deixa evidente por que figura entre os maiores guitarristas de todos os tempos, tirando solos de fazer doer o coração.

Revisitando a emblemática apresentação no festival de Woodstock em 1969, o espetáculo contou com hinos que hipnotizam provocando um estado de êxtase. Os clássicos não foram deixados de fora, para o deleite da platéia: iniciando com Carry On, passando por Marrakesh Express, Long Time Gone até mesmo Bluebird, do Buffalo Springsfield, interrompidos por um intervaldo com pausa de 15 minutos.

Foram momentos de contemplação, estampados com um inevitável sorriso no rosto. Uma sonoridade que te faz uma terna massagem no ânimo, acariciando-o. Eles são originais e ainda fazem o mesmo som do psicodélico final dos anos 60. E jamais mudaram, pois esse som é atemporal. Seja porque surgiu à frente de uma geração, sendo moderno até os dias de hoje, seja porque, simplesmente, certas coisas não mudam. Enfim, a viagem valeu o ingresso, que foi o preço pago para se entrar numa caixa musical mágica.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

MetallicaMetallica
Hetfield fala sobre Dave Mustaine, Load e homossexualidade

Iron MaidenIron Maiden
A foto que teria inspirado Derek Riggs na criação de Eddie?

MetallicaMetallica
Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década

5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosIron Maiden: o equipamento de palco da World Slavery Tour5000 acessosMarilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"5000 acessosLemmy: "as pessoas se tornam melhores quando morrem"5000 acessosAxl Rose: em vídeo, a mudança no vocal de 1985 a 20165000 acessosThe Voice Kids: garotinha canta Led Zeppelin e conquista todos

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online