Ummagumma: clássicos do Pink Floyd em Belo Horizonte

Resenha - Ummagumma (Palácio das Artes, Belo Horizonte, 01/07/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luiz Figueiredo
Enviar Correções  













No primeiro dia do segundo semestre de 2011, os rockeiros de Belo Horizonte, em destaque, os fãs da banda inglesa Pink Floyd tiveram a excelente oportunidade de assistir ao show de uma das ou, talvez, a melhor banda cover do Brasil. Além disso, o anúncio de que Roger Waters trará o show The Wall ao Brasil em 2012, também aconteceu na sexta-feira, dia 1º de julho. Era dia de comemorar e se divertir.

Quem assiste ao DVD P.u.l.s.e do Pink Floyd vê todos aqueles efeitos luminosos incríveis e pensa que é impossível fazer algo parecido, muda de idéia logo após assistir a um concerto da banda "Ummagumma Pink Floyd Cover" de Três Pontas, sul de Minas Gerais.

Durante a apresentação do grupo trespontano, é bem comum que o expectador se perca em uma viagem que tira o senso de tempo e espaço. O cenário utilizado é semelhante ao que o grupo inglês apresenta na mega-turnê que originou o DVD P.u.l.s.e, gravado durante os shows de divulgação do álbum The Division Bell, o último de estúdio do Pink Floyd, em 1994.

Guiado por Bruno Morais (vocal e guitarra), o Ummagumma iniciou sua apresentação com Shine On You Crazy Diamond. Começou ali o que pode se chamar de viagem hipnótica. O público que lotou completamente o grande teatro do Palácio das Artes, tanto no nível inferior quanto no superior, ficou estático assistindo à grande performance de cada músico que compõe a banda: dez no total.

O repertório abrangeu diversas partes da carreira do Pink Floyd, caminhando por composições que foram sucessos nas décadas de 1960 à de 90. Músicas como "In The Flesh", "Dogs", "Money", "Time", "Learning To Fly", "Us and Them", "Another Brick In The Wall (part 2)", "Comfortably Numb" (dentre outras) mostraram o nível de profissionalismo, a que ponto a produção é levada a sério e como a interpretação dos clássicos do Pink Floyd é fiel. Não é a toa que estão no patamar de tocar em um espaço tradicional como o Palácio das Artes e lotar o mesmo, tendo os ingressos esgotados antecipadamente.

A apresentação do Ummagumma durou exatamente 2h25m, tendo seu início às 21h05m. Na primeira pausa do show após cerca de duas horas decorridas, Bruno Morais apresentou todo o conjunto, dentre eles sua mãe e sua irmã (backing vocals), Ber e Isabela, respectivamente. Isabela Morais (em destaque na antepenúltima foto) é responsável por um dos momentos mais emocionantes do show em The Great Gig In The Sky.

Ao fim da apresentação, em meio à euforia dos presentes, Ber (Isabel – backing vocal e uma das responsáveis pela produção) anunciou que o Ummagumma voltará a Belo Horizonte para um show diferente entre os próximos meses de setembro e outubro em local aberto. Ainda segundo ela, isso possibilitará mais efeitos de luz e explosões. Mas antes disso o Ummagumma passa pelo Rio de Janeiro para duas apresentações nos dias 15 e 16 de julho.

O repertório da apresentação foi o seguinte (fora da ordem de execução):

1. Shine On
2. Learning to fly
3. Coming back to life
4. Pigs on the wing
5. Dogs
6. Another Brick in the Wall
7. Wot's uh the deal
8. Speak to me / Breathe
9. On the Run
10. Time
11. Breathe Reprise
12. The Great Gig in The sky
13. Money
14. Us and Them
15. Any Colour You Like
16. Brain Damage
17. Eclipse
18. Echoes
19. Wish You Were Here
20. Comfortably Numb
21. The show must go on
22. In The Flesh
23. Run Like Hell


adWhipDin