V. Spy V. Spy: Duas horas de show em Porto Alegre

Resenha - V. Spy V. Spy (Opinião, Porto Alegre, 03/02/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

No seu último show antes do recesso de verão, os caras do Opinião trouxeram dois conceituados nomes para uma noite musicalmente única e interessante. A sonoridade das duas bandas - típica para o calor e para a época do ano - uniu referências do surf music australiano e do reggae jamaicano. O espetáculo de cerca de duas horas, proporcionado pelo V. SPY V. SPY e pelo Inner Circle, agradou o razoável público que permaneceu em Porto Alegre, mesmo em época de férias.

Cannibal Corpse: o pescoço gigante de George FisherLegião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por um problema qualquer ainda desconhecido, a abertura da noite - que ficaria a cargo da HAROLD CARIBBEAN - não aconteceu. De qualquer forma, às 23h30 (mais de uma hora depois da abertura da casa) uma boa quantidade de pessoas já ocupava a pista do Opinião para a primeira atração da noite. Na plateia, curiosos e um número contável de fãs devotos do V. SPY V. SPY recepcionaram David Alan Wilkins (vocal/violão), Michael Weiley (guitarra), Neil Beaver (baixo) e David Bennett (bateria). A banda, que foi fundada no início da década de oitenta na periferia de Sidney (Austrália), iniciou o show com "Clear Skies", uma das mais imponentes músicas do seu pop/rock.

As letras do grupo, comprometidas com uma visão política bastante crítica, em pouco tempo tornou o V. SPY V. SPY (na época SPY VS. SPY) uma das bandas mais importantes do rock australiano, juntamente com o MIDNIGHT OIL e o HOODOO GURUS. Na década de noventa, o movimento aussie - como ficou conhecido no resto do mundo - projetou os australianos nas rádios brasileiras com um impacto bastante considerável. A música dos caras, que nitidamente aborda toda a sensibilidade da vida, caiu no gosto dos surfistas. O V. SPY V. SPY assumiu o surf music com naturalidade.

Embora conte com apenas um integrante da sua formação original nos dias de hoje - o guitarrista Michael Weiley -, a inconsistência da carreira do V. SPY V. SPY prejudicou por demais a carreira da banda. Depois de muitos anos de inatividade, o retorno do quarteto australiano vem acontecendo lentamente. Como o último disco dos caras, "The Honey Island Project" (1998), é suficientemente datado e não há nenhuma novidade recente para mostrar nos shows, o que resta para o grupo é investir no seu repertório antigo. As músicas "Trash the Planet" e "Hardtimes" (destaque à parte pela animação dessa faixa) vieram na sequência da apresentação e mostraram como o V. SPY V. SPY conseguiu dar uma rearranjada na sua sonoridade - que era excessivamente oitentista para os padrões atuais. A voz de David Alan Wilkins se encaixou perfeitamente à (nova) proposta da banda, que conta com diversos momentos pesados e riffs interessantíssimos assinados por Weiley.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Não há dúvidas de que a experiência conta extremamente a favor do V. SPY V. SPY. "Sallie-anne" e "Take It or Leave It" mantiveram o alto nível da apresentação. Por outro lado, músicas como "All Over the World" e "Harry's Reasons" (uma bonita faixa cadenciada) mostraram que os australianos sempre inseriram em sua sonoridade um apelo mais comercial. De qualquer modo, "Credit Cards" (que foi muito bem recebida) e "Clarity of Mind" - talvez o maior clássico do quarteto (e que contou com um pequeno trecho de "Should I Stay or Should I Go", do THE CLASH) - convenceram a plateia de que a banda vive, por que não, um dos seus melhores momentos. Na reta final do show, a instrumental "A.O. Mod" evidenciou toda a técnica e toda a destreza do quarteto australiano.

A receptividade ao V. SPY V. SPY foi incrível. O show, que encerrou com a igualmente interessante "Don't Tear It Down", arrancou palmas e um discurso sincero sobre o quanto os brasileiros são importantes para o sucesso e para a continuidade da banda até hoje. Em uma hora exata de show, os músicos deixaram o Opinião contentes por mais um ótimo espetáculo e os curiosos - que claramente formavam a maioria do público - extremamente satisfeitos pela oportunidade ímpar de ver, pela primeira vez, o até então desconhecido V. SPY V. SPY.

Na sequência, os jamaicanos do Inner Circle subiram ao palco do Opinião para cerca de uma hora de reggae - mas isso já é uma outra história. Certamente, o público deixou a casa contente após o último evento, antes da temporada de férias.

Set-list:

01. Clear Skies
02. Trash the Planet
03. Hardtimes
04. Sallie-anne
05. Take It or Leave It
06. All Over the World
07. Mission Man
08. Harry's Reasons
09. Credit Cards
10. Clarity of Mind
11. A.O. Mod
12. Don't Tear It Down




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "V. Spy V. Spy"


Cannibal Corpse: o pescoço gigante de George FisherCannibal Corpse
O pescoço gigante de George Fisher

Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280