Pennywise e Nitrominds: show, atitude e engajamento social

Resenha - Pennywise e Nitrominds (Circo Voador, Rio de Janeiro, 04/12/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

A Lapa, em um sábado à noite bem quente é um bairro extremamente convidativo, já que, como citado muitas vezes em várias resenhas de shows, é o bairro mais boêmio da cidade do Rio de Janeiro, com variedades de diversão para todos os gostos. E o Rock, mais especificamente o Punk/Hardcore, não poderia faltar, já que os veteranos do Hardcore californiano PENNYWISE, juntamente com os também veteraníssimos brasileiros do NITROMINDS escolheram esta data para a tour que ambas as bandas estão fazendo.

Slayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixoSlash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Circo Voador mostrou-se um espaço bem democrático, pois além de um espaço improvisado para o pessoal praticante de skate (modalidade esportiva extremamente ligada ao Hardcore californiano), havia um stand da ONG Sea Shepherd (www.seashepher.org.br, que visa proteger e preservar os mares, da qual o atual vocalista do PENNYWISE, Zoli Téglás, faz parte e apoia de forma engajada, e este que vos escreve também dá apoio irrestrito. São momentos assim que mostram que o Rock é atitude, e estas atitudes levam-nos a crer que há futuro para o engajamento sócio-político-social no estilo, apesar de alguns alienados que teimam em achar e viver o contrário...

Abrindo a noite, o NITROMINDS desfilou um repertório bem abrangente de músicas de todos os seus discos, e uma boa parte do público presente agitou, pogou e cantou as músicas junto com eles, interagindo com a banda de forma bem harmoniosa.

Com a segurança de muitos anos de experiência, o Hardcore/Crossover do trio é extremamente cheio de energia, garra, vida e personalidade, e a banda entra naquele time de quando um trio de músicos mais parece ter dez no palco!

André toca guitarra e canta com extrema desenvoltura, fora ter ótima comunicação com o público, esbanjando carisma e simpatia. O baixista Lalo é uma verdadeira casa de força, pois agita o tempo todo, faz backing vocals e ainda por cima, também se comunica muito bem com o público. Edu é um verdadeiro mestre nas baquetas, fazendo uma ótima base para as músicas e segurando bem o ritmo, sem contar que sua técnica de bateria é muito boa.

'Something to Believe', 'Fire and Gasoline', uma nova, que estará em seu disco novo, que sai em 2011, e o autêntico hit 'Policemen' levaram o público ao delírio, e uma pena que tiveram apenas 40 minutos, pois ficou aquela sensação 'We Want More' após eles saírem. Esperamos vê-los mais e mais vezes, óbvio!

A dúvida que atormentava o público presente há tempos, que era 'será que Zoli poderia substituir Jim?', após algum tempo de breve espera, foi respondida, pois o PENNYWISE subiu ao palco, e pode-se constatar que o público presente era algo assustador: O Circo Voador estava abarrotado, pois não havia espaço na parte superior, ou mesmo na parte de frente para o palco.

Zoli é um excelente vocalista, com personalidade suficiente para impor seu estilo, fora excelente postura no palco, não parando quieto em momento algum, cantando todas as músicas com desenvoltura. Tendo ainda o experiente guitarrista Fletcher Dragge nas guitarras, que não para um minuto sequer e se comunicava muito com o público, Randy Bradbury no baixo, um pouco mais parado que Zoli e Fletcher, mas igualmente energético, e Byron McMackin na bateria, que é um mestre em sua simplicidade, a banda levou o público à histeria coletiva, pois não havia uma viva alma (ou morta) que conseguisse ficar apática e sem se mexer ali.

Imensas rodas de pogo, slam diving (ou mosh, como preferirem), muitos subiam no palco, cantavam nos microfones, sem atrapalhar a banda, e uma banda que toda hora mostrava duas características que andam em falta no meio roqueiro de hoje em dia: ATITUDE e ENGAJAMENTO SOCIAL, pois Zoli e Fletcher toda hora chamavam a atenção para causas sociais, inclusive levando um dos membros da Sea Shepherd que foi citada antes ao palco, com a bandeira da ONG.

O PENNYWISE estava à vontade, toda hora agradecendo aos presentes pela recepção e elogiando o público, inclusive em um momento, Zoli perguntou ao público quem era fã de Hardcore, de Metal, de Punk e saudou todos, numa mostra de educação e respeito acima do esperado, fora algumas piadas, mostrando um bom humor que anda sumido, jogando para o alto o escudo defensivo que algumas bandas grandes tendem a chamar de 'profissionalismo'.

'My Own Country', 'What If I', 'Peaceful Day', 'Fuck Authority', 'Something to Live For' e muitas outras foram um set ótimo, cantadas por todos, e ao final, durante o bis, a banda chama o público, e o palco é tomado por fãs, que sobem, coroando uma noite ótima, e que sirva de exemplo para muitos fãs de outros estilos, que em geral, preferem ficar em casa, reclamando do mundo e dizendo que tudo está ruim. Mas uma pergunta fica: Quem fica em casa tem direito de reclamar?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Pennywise"Todas as matérias sobre "Nitrominds"


Punk Rock: 21 logos conhecidos e suas históriasPunk Rock
21 logos conhecidos e suas histórias


Slayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixoSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo

Slash: chapação, a louca e atraente Fergie e Axl RoseSlash
Chapação, a louca e atraente Fergie e Axl Rose


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336