Death Angel: o prodígio da Bay Area não decepcionou Recife

Resenha - Death Angel (Clube Internacional, Recife, 30/10/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pablo Vilela, Fonte: Música na Bagagem
Enviar Correções  

Noite de 30 de Outubro. O tradicional calor pernambucano fazia com que todos os presentes no Clube Internacional do Recife suassem ainda mais com a expectativa do aguardado show do Death Angel. Após uma abertura correta da banda pernambucana Cruor, que despejou seu potente Thrash Metal com direito a cover do Sepultura, Escape to the Void, o público estava mais do que aquecido para a entrada dos prodígios da Bay Area.

O Mapa do Metal: grandes bandas de metal dos Estados Unidos - Parte 2

Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

E a banda não decepcionou! Entraram com força total emplacando I Chose the Sky com muita animação e movimentação de palco. O som estava impecável e o público correspondia à empolgação da banda participando nas intensas rodas de pogo e cantando junto com o vocalista Mark Osegueda, que com seus enormes dreadlocks não deixava ninguém parado.

Quem esperava por alguma balada como A Room With a View, ficou sem respiração porque o setlist trouxe apenas pedradas rápidas e intensas de todos os álbuns da banda. As cinco músicas tocadas do novo álbum, Relentless Retribution, provaram que além de ser um fantástico álbum de estúdio, as músicas têm enorme força ao vivo que empolgam todos os bangers presentes.

Obviamente os clássicos como Seemingly Endless Time e Thrashers deixaram o público tão empolgado e as rodas mais aceleradas fazendo com que os seguranças enlouquecessem na tentativa de segurar a grade de proteção do palco. Era visível a empolgação dos músicos que se comunicavam com a platéia todo o tempo, distribuíam água e energéticos aos fãs que transpiravam enquanto "bangeavam" nas grades.

Impressionante também a movimentação de palco e a técnica dos guitarristas Rob Cavestany e Ted Aguilar que duelavam com suas guitarras deixando todos boquiabertos. Kill as One foi o golpe de misericórdia, fazendo com que todos cantassem juntos e colocassem para fora o que restava de forças após um show tão intenso.

A banda se despediu de todos distribuindo palhetas, água e sorrisos, agradecendo muito ao público e dando um show de simpatia. O guitarrista Ted Aguilar com um sorriso enorme filmava toda reação e os calorosos aplausos dos headbangers que deixaram o local exaustos, mas muito felizes.


Outras resenhas de Death Angel (Clube Internacional, Recife, 30/10/2010)

Death Angel: a arte do thrash metal no Recife

Death Angel: Thrash Metal da velha escola em seu melhorDeath Angel
Thrash Metal da velha escola em seu melhor




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


O Mapa do Metal: grandes bandas de metal dos Estados Unidos - Parte 2O Mapa do Metal
Grandes bandas de metal dos Estados Unidos - Parte 2

Death Angel: Em coma com COVID-19, baterista viu Satã e não o achou legalDeath Angel
Em coma com COVID-19, baterista viu Satã e não o achou legal


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990

Thrash Metal: os 10 melhores discos do século 21, segundo o LoudwireThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire


Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável


Sobre Pablo Vilela

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin