Crashdiet: apresentação mais que completa no Rio

Resenha - Crashdiet (Teatro Odisséia, Rio de Janeiro, 03/10/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Monica Fontes
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

No dia 3 de outubro o Rio de Janeiro recebeu a banda sueca Crashdiet pela primeira vez. O grupo de Glam Rock já tinha estado no Brasil em 2008, mas somente em São Paulo. Mesmo sendo dia de eleição e com tempo chuvoso, o local ficou bem cheio. Em meio ao público podia se ver alguns fãs que inclusive copiavam seus ídolos no modo de vestir e maquiar.

5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas5000 acessosAs regras da NWOBHM

O show fez parte da Generation Wild Tour 2010 e teve início com “Down With The Dust”, do último disco “Generation Wild”. Em seguida foi a vez de “So Alive” e “In The Raw”, que agitou bastante o público.

Apesar de ter lançado o primeiro CD em 2005 – “Rest In Sleaze” – a banda já teve três mudanças de vocalista. O primeiro, Dave Lepard, foi encontrado morto em 2006. Seu substituto, H. Olliver Twisted, que esteve com a banda em São Paulo na primeira apresentação no país, saiu em 2008 por não ter disponibilidade para se dedicar totalmente ao Crashdiet. O atual, Simon Cruz, está na banda desde 2009 e vem agradando bastante os fãs. O álbum “Generation Wild”, lançado em fevereiro deste ano, foi muito bem aceito.

Voltando ao show, “Native Nature” seguida de “Falling Rain”, do “The Unattractive Revolution” lançado em 2007, foi um ponto alto da noite. A música é uma das preferidas dos fãs que acompanharam a banda do início ao fim e continuaram com “Riot In Everyone”. Em seguida veio “Rebel” do último disco. É legal ver como Simon se sai muito bem em todas as músicas, mesmo as mais antigas. E é interessante também ver uma banda relativamente nova se consagrar dentro de um estilo que teve seu auge nos anos 80.

Na parte final do show, a banda interagiu com a platéia quando Simon tocou gaita e Eric disse algumas palavras em português. A festa estava quase completa com "Tikket" e "Queen Obscene/69 Shots". Para finalizar, não poderia ser outra: “Generation Wild”.

Fim de show e o público em delírio por ter visto seus ídolos de perto em uma apresentação mais que completa. Que voltem em breve!

Set List
Down With The Dust
So Alive
In The Raw
Native Nature
Falling Rain
Riot In Everyone
Rebel
Armageddon
Bound To Fall
Chemical
Straight Outta Hell
Breakin’ The Chains
It’s A Miracle
Tikket
Queen Obscene/69 Shots
Generation Wild

Line Up

Simon Cruz – Vocal
Martin Sweet – Guitarra
Peter London – Baixo
Eric Young – Bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Crashdïet"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Crashdïet"

Pink FloydPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

HumorHumor
As 101 regras para ser um fã da NWOBHM

Courtney LoveCourtney Love
"Parei com drogas e fodi como um coelho"

5000 acessosEm vídeo: Seguidores do Demônio, as 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano5000 acessosBizarro & Absurdo: 12 Tristes Realidades da Música5000 acessosO tempo, ah o tempo!: rockstars nos anos oitenta e hoje5000 acessosSeparados no nascimento: John Lennon e Silvio Brito5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus5000 acessosValentina: roqueira é a primeira finalista do The Voice Kids

Sobre Monica Fontes

Mônica Fontes - Carioca, nascida em 1968, vive no Rio de Janeiro e é tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por música, leitura e cinema, começou a ouvir rock aos 13 anos, já tendo presenciado grandes shows e eventos desse gênero. Além do rock, também se interessa por outros estilos, como o Pop e MPB. Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Pink Floyd, U2 e Guns N'Roses são algumas de suas bandas preferidas, sem deixar de prestigiar as excelentes bandas e artistas nacionais. Acessa o Whiplash há alguns anos e começou a colaborar por gostar de traduzir os diversos assuntos relacionados no site.

Mais matérias de Monica Fontes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online