Obituary e Belphegor: excelentes shows em Campinas

Resenha - Obituary e Belphegor (Hammer Rock Bar, Campinas, 06/12/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Glauco Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Os deathbangers do interior estavam em polvorosa com o anúncio deste show há cerca de um mês, pois o evento original trazia, além dos americanos e austríacos, o lendário Benediction. Como se sabe, problemas de imigração levaram os ingleses a adiar a turnê brasileira, o que foi uma ducha de água fria para a maioria (uma vez que os demais já se apresentaram por aqui recentemente, e mais de uma vez). Mas a organização tinha alguns trunfos na manga...

Fotos: Regina K.

Dado meu desânimo com black metal há algum tempinho, não animei muito com a inclusão do Equinoxio, mas estava bem curioso pra conhecer o som do trio panamenho. Acabaram sendo a mais surpreendente atração da noite: devidamente paramentados com o figurino do estilo, mandaram um black furioso e muito bem executado - felizmente, pois a linha raw/old school se faz presente em trechos de sua música, mas o que predomina mesmo é a pancadaria incessante à la Marduk / Dark Funeral. Apresentaram músicas de seu debute "Punishment of Souls" e agradaram o ainda reduzido público... destaque pro baterista Cadáver, um verdadeiro cavalo nos tambores. Vale a pena correr atrás e conhecer o som do grupo!

A segunda banda era uma velha conhecida do nosso underground: o brutal death do longevo (quinze anos!) Queiron. Já assisti muitos shows deles, e queria ver como se saíam com a nova fomação - a última vez que os vi foi em 2007, ainda com Furlan e Neil, que depois fundou o Laconist. Com a entrada de Ricardo na guitarra e Lauro (Incinerad) no baixo, a banda não perdeu seu poderio de fogo - aliás, a injeção de sangue novo fez bem aos paulistas. Se os novos membros perdem um pouco no quesito técnico, comparando a seus antecessores, isso é bem compensado pelo suor que derramam no palco, em especial Lauro, que se encaixou muitíssimo bem. Mandaram sons de toda sua carreira, em especial do último "The Shepherd Of Tophet", e o que me chamou a atenção é como o vocal do Marcelo mudou: está bem mais rasgado do que acostumei - o que acho excelente, pois seu gutural tendia a cansar após muitas audições. Saíram, mais uma vez, aclamados pelo grande show.

A metade internacional começou com o Belphegor, que está quase virando brasileiro - esso foi o terceiro show deles que assisti em Campinas. Mesmo assim era a banda mais aguardada, e esta performance não foi diferente das anteriores (com exceção, claro, da incessante dança do banquinho de bateria): Helmuth continua um completo celerado com seus riffs cortantes e vocal assombroso, o baixista Serpenth e Morluch como asseclas perfeitamente sincronizados, e o demolidor baterista Robert Kovačić. A ênfase foi dada aos álbuns mais recentes como "Bondage Goat Zombie" (a execução da faixa-título e "Justine - Soaked In Blood" foi de arrepiar) e "Walpurgis Rites - Hexenwahn", já lançados aqui, mas não faltaram clássicos como "Lucifer Incestus". Realmente mataram a pau, apresentação impecável tanto no quesito nitroglicerina como na integração com o público, que já tinha aumentado significativamente. Sem dúvida e, para minha sincera surpresa, foi disparada a melhor banda da noite - que voltem sempre!

Aí o fechamento veio com o Obituary, da qual sou fã há quase vinte anos e aguardava com expectativa enorme, pois não consegui assistí-los em suas passagens anteriores pelo Brasil. Ma essa mesma me frustrou um pouco: tal qual quando assisti ao Sadus, fizeram um show impecável, mas só tocando material novo. Por mais que sejam um Motörhead do death metal (nunca mudam o som de peso monolítico e é sempre excelente), queria escutar mais clássicos. O público obviamente discordou da minha opinião, pois a roda enorme que se abriu assim permaneceu até o fim da apresentação. Energia transbordando tanto fora como em cima do palco, e é um verdadeiro privilégio ver Ralph Santolla exibindo sua técnica impressionante nas seis cordas.

Mas de meter medo é ver o que o pioneiro John Tardy faz com sua garganta infecta. Uma vez li que o death metal tem três vozes inconfundíveis, inimitáveis e definitivas: o saudoso Chuck Schuldiner (Death), Martin Van Drunen (Hail of Bullets, Asphyx) e o John. Depois do que vi e ouvi nesta noite, não dá pra questionar essa frase: a certa altura do show, ele tirava o microfone da frente da boca e soltava aqueles grunhidos cavernosos que são sua marca registrada, e juro: devia estar a quase dez metros de distância e consegui ouvir claramente sua "voz". Chega a ser assustadora mesmo a potência dos urros do cara, só por ele já valeria a pena investir no ingresso.

Encerraram a apresentação entregando o ouro que tanto esperei: o hino "Dying" (a cena de centenas de cabeças sincronizadas com os bumbos cadenciados do Donald Tardy foi inesquecível) e o clássico à la Celtic Frost - de quem aliás mandaram o cover "Dethroned Emperor", animal - "Slowly We Rot", onde tive que mandar a compostura às favas e entrar na roda de mosh. Saí do Hammer dolorido, mas satisfeitíssimo com a excelente seqüência de shows. Na porta, como já é de saudável praxe no Hammer, a gringaiada toda confraternizava com os fãs, atendendo de boa a todos os pedidos de foto e autógrafo. Ah, se houvessem mais artistas assim solícitos e humildes com quem compra seus CDs...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Obituary"Todas as matérias sobre "Belphegor"Todas as matérias sobre "Queiron"Todas as matérias sobre "Equinoxio"


Obituary: ouça "A Dying World", o novo single da bandaObituary: ouça "A Dying World", música nova da banda

Sepultura: a história por trás do álbum Beneath The RemainsSepultura
A história por trás do álbum "Beneath The Remains"

Rock e metal: o outro lado das capas de discosRock e metal
O outro lado das capas de discos

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal


Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback

Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenMarcelo Maiden
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Pensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich NietzschePensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal
Friedrich Nietzsche

Saúde: bater cabeça pode causar danos ao cérebroThrash Metal: 10 novas promessas - incluindo uma brasileiraMötley Crüe: cocaína, pilhas de Ferraris e outros excessosOzzy Osbourne: dando "chega mais" em Mônica Apor na coletiva

Sobre Glauco Silva

36 anos, solteiro, estudou Linguística e Engenharia de Alimentos na UNICAMP. Tem sua sobrevivência (CDs, cigarro e cerveja) garantida no trabalho em uma multinacional. Iniciado no Metal em 1988, é baixista/vocal do LACONIST (Death Metal) e acredita fielmente que o SARCÓFAGO é a melhor banda do universo.

Mais informações sobre Glauco Silva

Mais matérias de Glauco Silva no Whiplash.Net.