Ripper Owens: carreira no Judas Priest revisada em Curitiba

Resenha - Ripper Owens (Hangar Bar, Curitiba, 23/10/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Molina
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







O ex-vocalista do Judas Priest, Tim Ripper Owens, deu prosseguimento a sua turnê brasileira com show em Curitiba no dia 23 de outubro no Hangar Bar. No repertório formulado especialmente para o país, o cantor exibiu um conjunto de canções do Judas Priest e interpretações para consagradas músicas de heavy metal. Ele não se reservou a somente apresentar canções dos CDs que participou no Judas. O set list incluiu músicas das décadas de 70, 80 e 90. Quem acompanhou Ripper Owens foi a banda paulista Tempestt, que solidifica uma trajetória fazendo turnês ao lado de grandes nomes do metal. Ainda neste ano, o grupo foi banda de apoio de Jeff Scott Soto. O entrosamento entre BJ (vocal e guitarra), Leo Mancini (guitarra), Gabriel Triani (bateria) e Paulo Souza (baixo) deu segurança a Owens. O Tempestt exibiu arranjos fiéis aos originais.

Fotos: Karil Soar

Após breve abertura das bandas curitibanas Epilepsya e Shoot N’ Blaze, Ripper preferiu iniciar a apresentação já detonando com clássicas canções do Judas como “Painkiller”, “The Ripper” e “Burn in Hell” (música do disco Jugulator – primeiro com Ripper Owens). Talvez pelo novo álbum solo “Play My Game” não estar ainda à venda no mercado brasileiro, o cantor preferiu basear o set list em canções do Judas Priest. Sorte do público que chegou a casa para prestigiar as interpretações de Ripper para as canções da consagrada banda inglesa.

Em seguida, os fãs receberam mais canções de Judas, entre elas “Electric Eye” (responsável por um dos melhores momentos da noite), a obscura "The Green Manalishi” do disco “Hell Bent For Leather” de 1979, “One On One” do “Demolition” (último álbum com o cantor) e Grinder.

O cantor também reservou uma parte do show para exibir alguns covers. O público chegou a esperar interpretações para “Highway Star” (Deep Purple), “Paranoid” (Black Sabbath) e “Gates of Babylon” (Rainbow) que constavam em outros repertórios, mas foram retiradas do set list de Curitiba. Ripper incluiu “Symptom of The Universe” (Black Sabbath) e “Flight of Icarus” (Iron Maiden), que agradou bastante o público. Vale dizer que a canção ficou muito boa na voz de Owens.

Para relembrar sua passagem na carreira do guitarrista sueco Yngwie Malmsteen, o ex-vocalista do Judas Priest executou “Rising Force”. Estranhamente ele preferiu incluir a canção no lugar de qualquer outra música que ele gravou no álbum de Malmsteen do qual participou, o “Perpetual Flame”, de 2008.

Do disco solo “Play My Game”, a canção que agradou foi “Starting Over”. Apesar da maioria dos fãs presentes não conhecerem, o novo trabalho teve uma boa receptividade.

Para fechar, o lendário cantor apresentou uma dobradinha clássica de Judas Priest, com “Breaking the Law” e “Living After Midnight”, do álbum mais marcante da banda britânica, o “British Steel”.

O show foi um dos melhores eventos de heavy metal em Curitiba no ano de 2009. É uma pena que pouca gente presenciou o espetáculo. Estima-se que o público foi inferior a 200 pessoas. Quem admira Judas Priest dificilmente vai poder presenciar evento de tal qualidade na capital paranaense.

Aberturas

As duas bandas que abriram o show de Ripper Owens executaram breves repertórios que esquentaram a platéia. Os curitibanos do Epilepsya aproveitaram a oportunidade para priorizar as composições próprias em meia hora. No estilo do grupo são nítidas as influências de Sepultura, Slayer e Pantera. O que se destaca na banda é a presença de palco. O vocalista e guitarrista, Cleiton Valle, exibe uma maneira de cantar que lembra Rob Zombie. Já o baixista Jeison parece espancar as quatro cordas.

Além das músicas de própria autoria, o Epilepsya também expôs versões de "Symptom of The Universe" (Black Sabbath) e "Ace of Spades" (Motorhead). Já o grupo Shoot n’ Blaze preferiu optar pelos covers, agradando o público com canções do heavy metal clássico, de bandas como Iron Maiden e Dio.

Tarde de autógrafos

No período da tarde, Tim Ripper Owens recebeu aproximadamente 30 fãs na loja de discos e roupas Let’s Rock, localizada no centro de Curitiba. Ele tirou fotos e autografou CD’s e DVD’s. Percebeu-se que os fãs esperavam ter a oportunidade de comprar o álbum “Play My Game”, que ainda é uma raridade no Brasil. Após conversar com admiradores e curiosos, Ripper foi presenteado com um par de tênis , que estava exposto na vitrine da loja.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ripper OwensRipper Owens
"Não vou mais trabalhar com Geoff Tate"

415 acessosFrontiers Music: Projeto com Caffery, Owens, Di Giorgio e Zonder402 acessosTim "Ripper" Owens: trabalhando junto com Marzi Montazeri0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Tim Owens"

Tim OwensTim Owens
"Caí fora da banda de Malmsteen sem falar nada"

Judas PriestJudas Priest
Tim Owens se arrepende de ter usado a moto de Rob

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Tim Owens"

As novas caras do metalAs novas caras do metal
Mais 40 bandas que você deve conhecer

LoudwireLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Iron MaidenIron Maiden
Bruce Dickinson diz não haver muito diálogo na banda

5000 acessosIron Maiden: Nado sincronizado ao som de "The Trooper"5000 acessosAngra e Detonator: "Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"5000 acessosGuitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?5000 acessosGangnam Style: uma versão bem mais pesada do clássico5000 acessosNicko McBrain: "Imagine eu tocando Run to the Hills com 73 anos!"5000 acessosGibson: os 10 maiores bateristas de todos os tempos

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online