Jon Lord: o tecladista do Deep Purple na virada cultural

Resenha - Jon Lord (Avenida São João, São Paulo, 02/05/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Zambarda de Araújo, Fonte: Bola da Foca
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Os quase 70 anos de idade não abateram Jon Lord diante do público diverso e agitado de São Paulo, no último dia 2, às 18h de um sábado. Era a abertura da Virada Cultural de São Paulo na Avenida São João, região central da metrópole. Acompanhado pela Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, tendo o maestro Rodrigo de Carvalho como regente, o especialista em órgão e teclados do Deep Purple fez uma apresentação que resgatou as raízes da banda, praticamente uma vanguarda musical no final dos anos 1960.

Deep Purple: queriam Glenn Hughes na banda antes de Roger Glover sairMúsicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

"Concert for Group and Orchestra", disco de 1969, foi executado na íntegra. A maioria dos presentes, até alguns fãs hardcore da banda, não estava em sintonia com a peça. Não era uma apresentação de grandes hits. Mesmo assim foi inevitável não reparar na incorporação rica de elementos do rock, como a bateria e guitarra elétrica, de maneira tão harmônica aos violinos, violoncelos e o próprio órgão Hammond B3 de Lord. A música erudita contagiava os presentes. Muitas pessoas, mesmo sem conhecer esse trabalho mais antigo, entravam em transe durante o espetáculo.

Seguiu-se um solo de bateria de Steve White, baterista com peso e velocidade absurdos. Kasia Laska, cantora da banda solo de Lord, também quebrou um pouco o clima da orquestra para cantar um dos sucessos do tecladista. "Wait a While" trouxe a atmosfera mais triste e um piano melancólico. Mesmo com toda essa apresentação especial, o show ainda estava estranho aos fãs do Purple.

Lord então começou a brincar com seu órgão, após agradecer o público, e todos começaram a entender o que viria. "Pictures of Home" rasgou com os agudos do Hammond e o vocal inspirado de Steve Balsamo, embora ele não seja versátil como Ian Guillan, do Deep Purple original. A guitarra Gibson SG de Chester Kamen dava o peso típico da banda. Nada podia estar melhor.

Veio então "Soldier Of Fortune", composta originalmente por Lord, Richie Blackmore e David Coverdale, junto com alguns problemas. A voz de Balsamo não era suficientemente flexível para as nuances da música, rica dessa maneira graças a Coverdale. Entrou Kasia Laska para ajudá-lo. O resultado? As duas vozes "brigavam" e a música saiu distante do original, apesar da vibração do público.

"Child in Time" deu uma melhor afinada nos músicos, fechando o show. Mesmo com o agudo intenso e demorado de Ian Guillan na canção original, as vozes somadas de Laska e Steve Balsamo conseguiram acompanhar a execução com maior fidelidade. Solos de guitarra inspirados de Kamen deram a "cara mais Deep Purple" da apresentação, cobrindo bem a parte de Blackmore.

No entanto, não posso terminar esse texto sem falar dos problemas que também ocorreram: as caixas de som soaram estouradas, especialmente com a distorção dos instrumentos elétricos ou os tons agudíssimos do órgão Hammond de Jon Lord. O telão que exibia o show teve problemas no final, quando "cortou" a parte de cima da tela. Por último, não custa mencionar a altura do palco, péssima para quem estava perto da grade. Muitos tiveram, realmente, que levantar o pescoço para ver pouca coisa do senhor tecladista.


Outras resenhas de Jon Lord (Avenida São João, São Paulo, 02/05/2009)

Jon Lord: com a Sinfônica de São Paulo na Virada CulturalVirada Cultural: Em São Paulo, um evento não à altura de um Jon Lord




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Deep Purple"Todas as matérias sobre "Jon Lord"


Deep Purple: queriam Glenn Hughes na banda antes de Roger Glover sairDeep Purple
Queriam Glenn Hughes na banda antes de Roger Glover sair

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Glenn Hughes: produtora de Porto Alegre se pronuncia sobre show canceladoGlenn Hughes
Produtora de Porto Alegre se pronuncia sobre show cancelado

Glenn Hughes: produtora do show no Rio se manifesta sobre show canceladoGlenn Hughes
Produtora do show no Rio se manifesta sobre show cancelado

Glenn Hughes: turnê inteira pelo Brasil, com 9 shows, é canceladaGlenn Hughes
Turnê inteira pelo Brasil, com 9 shows, é cancelada

Em 19/08/1945: nascia a lenda Ian Gillan, do Deep PurpleEm 19/08/1945
Nascia a lenda Ian Gillan, do Deep Purple

Deep Purple: vídeo oficial de "Smoke on the Water" ao vivo em 1988Em 01/08/1951: nasce o talentoso Tommy Bolin

Deep Purple: em trilha sonora de filme do TarantinoDeep Purple
Em trilha sonora de filme do Tarantino

Ian Gillan: veja vídeo de "Hang Me Out To Dry"

Slash: ensinando namorada a tocar Smoke on the Water, do Deep PurpleSlash
Ensinando namorada a tocar "Smoke on the Water", do Deep Purple

Ian Gillan: "Strange Kind Of Woman" ao vivo em Moscou

Resenha - InFinite - Deep PurpleDeep Purple
Ao infinito... E além!

1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos

Ian Gillan: Eu era um idiota tão grande quanto RitchieIan Gillan
"Eu era um idiota tão grande quanto Ritchie"


Músicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio BlogMúsicas ruins
As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

Andre Matos: o que ele faria se fosse mulher por um dia?Andre Matos
O que ele faria se fosse mulher por um dia?

Batman: 10 razões pelas quais ele é Metal pra carambaBatman
10 razões pelas quais ele é Metal pra caramba

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVQuais são os rockstars mais chatos do mundo?Sign of the horns: o sinal do DemônioMegadeth: Mustaine se mudou para a Barretos dos EUA pela filha

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.