Resenha - Jon Lord (Avenida São João, São Paulo, 02/05/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Mosca, Fonte: poeiraZine
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Já que o assunto é rock´n´roll, vou contrariar a máxima de que “cavalo dado, não se olha os dentes”. Tudo bem, o evento foi gratuito. Mas, em compensação, não à altura de um lorde. Ou melhor, Jon Lord.

1994 acessosAses das seis cordas: Guitarristas e suas assinaturas5000 acessosKiss: sexo, drogas e rock 'n' roll são para "manés"

Acompanhado da Orquestra Sinfônica Municipal, sob regência do maestro Rodrigo Carvalho, o aclamado ex-membro do Deep Purple abriu a 5ª Virada Cultural, anteontem, no palco da Av. São João, porém sem a costumeira pontualidade britânica. O relógio marcava 18h25 (sim, 15 minutos de atraso) quando o som, no começo embolado, começou a tomar conta do ambiente. Tinha sido dada a abertura à comemoração dos 40 anos do álbum "Concert for Group & Orchestra".

No final do primeiro movimento, “Moderato-Allegro”, começaram a irromper alguns estouros das caixas sonoras, cortando trechos da música e deixando muitos presentes com a pulga atrás da orelha quanto à continuação do espetáculo. Olhares de espanto se faziam notar também no semblante dos músicos.

Para felicidade geral, as próximas duas músicas do repertório mais erudito (“Andante” e “Vivace-Presto”) e as demais canções foram executadas com tranquilidade. Foi um show marcado por diversas surpresas. Algumas agradáveis, e outras nem tanto...

Quem se lembra da bateria de Lars Ülrich no penúltimo disco do Metallica, St. Anger? Bom, era o que estava parecendo o kit de Steve White, o encarregado de comandar as baquetas, que - faça-se justiça – demonstrou bastante técnica, energia e talento. Ao contrário do apático e mediano vocalista Steve Balsamo, cuja performance ficou aquém do esperado.

Para fechar a lista de pontos fracos - e começarmos a falar das coisas boas do concerto - pode-se destacar a falta de civilidade e atenção de grande parte das pessoas que olhava a apresentação próxima ao palco: altos (de sonoros mesmo) bate-papos, barulho e desrespeito. Já o público que acompanhava, atentamente, o espetáculo pelo telão, instalado a cerca de 50 metros do palco, mostrou-se um pouco mais comportado, com uma fileira de jovens, crianças e adultos sentados no chão, e outros em pé, tudo na maior harmonia.

Ao final das três composições clássicas, Lord convida Kasia Laska (ah... meu Deus!) ao palco para cantar “Wait a While”, faixa lançada no álbum “Pictured Within” - que também faz parte do disco ao vivo do Purple lançado em 1999. Essa vocalista merece um parágrafo inteiro: que ruiva bonita! Além dos traços belos e delicados de seu rosto alvo e do corpinho em forma (algo em torno de 1,70 cm, com dois peitinhos na medida e uma bundinha pequena mas arrebitada), a moça canta pra cacete, carregada de emoção! Claro que nada comparado à técnica da energética Sam Brown. Mesmo assim, fiquei hipnotizado com a branquinha (bom... refiro-me à cantora, vale ressaltar rs).

Quem chamou atenção também foram os renomados baixista e guitarrista do grupo: Guy Pratt, ex-membro do Pink Floyd e atual parceiro de David Gilmour; e Chester Kamen, que já trabalhou com Rogers Waters, Paul McCartney, Bryan Ferry, entre outras estrelas...

Após o feeling de “Wait a While”, tinha chegado o momento de êxtase total: o grande clássico “Pictures of Home”. Resultado: a galera desgovernou na pista, e a marofa comeu solta. Ainda não chegara o fim: o setlist foi reforçado com “Soldier of Fortune” e, para encerrar, a apoteótica “Child in Time”. Inefável!

Quem esteve lá, com certeza, presenciou um grande show. Com o quase septuagenário comandante Jon Lord mostrando que ainda é uma fera dos teclados, a precisão da Orquestra Sinfônica Municipal e, claro, a estonteante beleza e talento de Kasia Laska. Mulher que me fez viajar... e esquecer-me por breves mas doces momentos dos problemas cotidianos da cidade: por exemplo, o aterro a céu aberto e desorganização que viraram as ruas da 5ª Virada Cultural.

Pobre São Paulo, pobre paulista.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Jon Lord (Avenida São João, São Paulo, 02/05/2009)

1052 acessosJon Lord: com a Sinfônica de São Paulo na Virada Cultural1637 acessosJon Lord: o tecladista do Deep Purple na virada cultural

Seis cordasSeis cordas
Guitarristas e suas assinaturas

885 acessosAlice Cooper: show reúne membros da banda original1420 acessosDeep Purple: encerrando sua trajetória com ótimo álbum1469 acessosNerd Metal: Deep Purple, o fim em grande estilo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

Hard RockHard Rock
As bandas que deram origem aos heróis do gênero

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Kirk HammettKirk Hammett
"O lugar do Deep Purple é no Rock and Roll Hall of Fame"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"0 acessosTodas as matérias sobre "Jon Lord"

KissKiss
Sexo, drogas e rock 'n' roll são para "manés"

The VoiceThe Voice
Candidato canta Slipknot e passa para a próxima fase

CuriosidadeCuriosidade
13 estranhos objetos relacionados à música

5000 acessosMetal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvir!5000 acessosAndre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"5000 acessosTommy Bolin: Os excessos estavam acabando com aquele cara4890 acessosMike Patton: "Adoro os Mutantes", diz vocal do Faith No More3794 acessosCasório: noivos fazem vestido e terno de camisas de metal usadas5000 acessosUltraje: Roger conta quem escolheu a banda para abrir pros Stones

Sobre Lucas Mosca

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online