Resenha - Whitesnake (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 06/05/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.












Perdoem-me começar esta resenha de forma pouco aconselhável, mas: PUTA QUE PARIU! Esta era a reação menos exaltada que se via no Chevrolet Hall já na segunda música executada por David Coverdale e cia, nada menos que “Fool For Your Loving”. Onze anos após tocarem na capital mineira pela última vez, um dos nomes símbolos do hard rock estava de volta na turnê de divulgação de seu novo álbum, “Good To Be Bad”. E, ali, no palco, é onde podemos perceber porque bandas veteranas, consideradas “ultrapassadas” por alguns – aqueles que se entregam a comentários prontos sobre coisas que desconhecem – permanecem fundamentais e adoradas até hoje. Nem uma noite fria de terça feira, data ingrata, impediu que a casa recebesse um bom público, por volta de 3.000 pagantes.

Fotos: Ary Chedid

Coverdale é uma figura única: fez parte da maior banda do hard rock “puro”, digamos, um dos maiores nomes da fase clássica do estilo, bem como fundou o Whitesnake, fazendo com que o grupo se tornasse um dos melhores da fase mais comercial do hard. Ótimo vocalista, ao vivo sua influência de Robert Plant torna-se gritante e indiscutível. Alguns trejeitos, os agudos, as intervenções... a personificação hard do eterno frontman do Led Zeppelin. Mais que isto. Quem esperava uma voz cansada, falha, poupando-se, viu um senhor de 57 anos em plena forma: física, mental, na voz, na performance, na empolgação e no prazer de se fazer aquilo. A vitalidade manifesta-se também no novo álbum, “Good To Be Bad” é uma obra extremamente consistente e relevante, entre as melhores do ano.

Às 21h em ponto, “Best Years” fez a introdução. Na segunda, como dito, o coral já estava feito. Do recente CD ainda viriam “Can You Hear The Wind Blow” e “Lay Down Your Love”, pesada, suingada e de refrão marcante, candidata a novo clássico. Como muitos ali estavam vendo a banda pela primeira vez, ouvir baladas como “Love Ain’t No Stranger” e “Is This Love” foi recompensador e necessário. Mesmo a segunda, carregada de açúcar, maior hit e contestada por muitos, não deixou de ser agradável e bem recebida.

“Crying In The Rain” veio entremeada por uma pausa para os solos e a instrumental “Snakedance”, onde Doug Aldrich e Reb Beach “brincaram” de um “duelo”. Na verdade, recurso utilizado para chamar a atenção dos fãs e tornar o momento menos cansativo. Carregando a responsabilidade de inúmeros guitarristas de renome que passaram pelo Whitesnake, Aldrich mantém a tradição com absoluto domínio de suas funções e uma pegada notável nos solos e riffs. Já Reb é uma base correta e não compromete. Quando todos estavam “ok” quanto ao solo de guitarra, o pior. Logo após terminarem “Crying” foi a vez de Chris Frazier, na bateria, solar. Desnecessário, fraco, broxante, reprovável... esfriando um show que caminhava para o ápice.

Apesar desse deslize egocêntrico, o que se viu foi uma seqüência impecável com a maravilhosa “Ain’t No Love In The Heart Of The City” e o hard rock farofa da melhor estirpe com “Give Me All Your Love Tonight”. “Here I Go Again” – Coverdale monstruoso! – fechou a primeira parte.

No bis, voltaram com o riff inconfundível de “Still Of The Night”, uma das melhores composições do grupo. Neste momento o show já alçava o status de muito satisfatório e inesquecível, com uma banda coesa entregando uma performance azeitada e cheia de punch e competência, sabendo como poucos incendiar a platéia. Para minha infelicidade, quando Coverdale começou a cantar um trecho de “Soldier Of Fortune”, belíssima, tive o desprazer de estar no lugar errado. Atrás de mim, um exemplo do pior tipo daquele que se diz “fã” de “rock”. Um ser imensuravelmente desprezível e de inteligência inexistente começou a praguejar contra David, porque queria “rrrrrrooockk!”, não “aquilo”, dentre outras besteiras que não merecem ser citadas. É o tipo de imbecil que corresponde ao pior estereótipo de “roqueiro”, e na verdade vai um pouco além, porque não consigo imaginar como um ser que supostamente gosta de rock pode reclamar de ouvir uma boa balada, ainda mais no show de um grupo como o Whitesnake. É uma mentalidade tão diminuta que merece análise. E ainda faz o desfavor de atrapalhar aquele momento de quem estava perto, como eu e muitos outros.

Mas para alegria do público de verdade que estava ali, “Soldier...” preparou o ambiente para que os pedidos incessantes por “Burn” fossem atendidos, entremeada ainda com trechos de “Stormbringer”. 1h45 de hard rock em suas diversas facetas, recheada de clássicos e com uma das maiores vozes do estilo em ótima forma. Nada a se objetar. Como em quase todo bom show, poderia ter tido outras músicas: os fãs sempre irão pedir, com razão. Mas, enquanto esteve no palco, o Whitesnake provou porque é o que é, e, mais do que isso, deixou a melhor impressão possível que uma banda veterana poderia deixar.

Belo Horizonte está se acostumando novamente a ser rota de grandes shows internacionais. Espera-se, contudo, que isto não se limite a este momento favorável do mercado – dólar baixo, bom momento da economia brasileira, patrocínio de empresas, etc – colaborando para que o Brasil seja rota fixa, definitivamente, das turnês internacionais, não pegando apenas as sobras, mas que tudo continue conspirando a favor de quem gosta de música (e sabe respeitá-la). Isto passa também pelo interesse, suporte e educação do público, que vem melhorando. Por isto amebas como as citadas aqui, por favor, fiquem em casa. E parabéns ao Whitesnake por colocar o Brasil dentre os primeiros países a receberem a nova turnê. Não devem ter se arrependido.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Def LeppardDef Leppard
Não foi acidente que fez show no RIR 1985 ser cancelado

1495 acessosManic Eden: quando parte do Whitesnake se juntou a outro vocal525 acessosHair Metal: em vídeo, as dez maiores bandas do gênero386 acessosPata: quando o guitarrista do X Japan reuniu nomes do hard0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Whitesnake"

WhitesnakeWhitesnake
Coverdale explica de onde vem o nome da banda

WhitesnakeWhitesnake
Quantas perderam a virgindade com "Slide It In"?

19971997
15 discos de rock/metal que completam 20 anos de lançamento

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Whitesnake"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Nirvana e Green Day entre as bandas favoritas

EpicaEpica
Entrevista de Simone Simons para a Playboy

Ronnie James DioRonnie James Dio
"Ozzy não canta como eu, Ian Gillan ou Rob Halford!"

5000 acessosPostura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músico5000 acessosEm 16/01/1993: o Nirvana fazia um show catastrófico no Brasil5000 acessosKiss sobre Secos e Molhados: "há quem acredite em OVNIs"5000 acessosIron Maiden: Steve Harris fala da influência do Jethro Tull5000 acessosEpica: "Eu e Simone não encaixávamos, trabalhamos melhor hoje", diz Mark Jensen3001 acessosDimebag Darrel: Um raro vídeo de solo aos 18 anos

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online