Matérias Mais Lidas

Metallica: a palavra mais presente nas letras da banda é...Metallica
A palavra mais presente nas letras da banda é...

Megadeth: gravações de baixo do David Ellefson para o novo disco serão descartadasMegadeth
Gravações de baixo do David Ellefson para o novo disco serão descartadas

DJ Ashba: ele ficou milionário com o Guns N' Roses, e conta o segredoDJ Ashba
Ele ficou milionário com o Guns N' Roses, e conta o segredo

Black Sabbath: o que Geezer Butler não suportava em Ozzy que o fez adorar DioBlack Sabbath
O que Geezer Butler não suportava em Ozzy que o fez adorar Dio

Helloween: ouça o álbum Helloween, que marca voltas de Michael Kiske e Kai HansenHelloween
Ouça o álbum "Helloween", que marca voltas de Michael Kiske e Kai Hansen

Roberto Barros: Até ouvir Angra eu não gostava de power metal, revela o guitarristaRoberto Barros
"Até ouvir Angra eu não gostava de power metal", revela o guitarrista

Massacration: quando Kiko Loureiro criticou a banda - e supostamente arregou para elesMassacration
Quando Kiko Loureiro criticou a banda - e supostamente arregou para eles

Hellfest 2022: anunciado megafestival com 350 bandasHellfest 2022
Anunciado megafestival com 350 bandas

1984: 15 grandes discos lançados em um dos anos mais impressionantes da música pesada1984
15 grandes discos lançados em um dos anos mais impressionantes da música pesada

Nightwish: Auri, projeto de Tuomas e sua esposa, lança vídeo para Pearl DivingNightwish
Auri, projeto de Tuomas e sua esposa, lança vídeo para "Pearl Diving"

Megadeth: revelados detalhes do caso envolvendo vazamentos de David EllefsonMegadeth
Revelados detalhes do caso envolvendo vazamentos de David Ellefson

Troca-troca: dez músicos que mudaram de instrumento ao longo da carreiraTroca-troca
Dez músicos que mudaram de instrumento ao longo da carreira

Van Halen: Wolfgang diz que show para homenagear Eddie é uma grande ideiaVan Halen
Wolfgang diz que show para homenagear Eddie é uma grande ideia

Led Zeppelin: cientistas batizam nova espécie de sapo em homenagem ao grupoLed Zeppelin
Cientistas batizam nova espécie de sapo em homenagem ao grupo

Led Zeppelin: quanto eles conseguiam arrecadar por show no auge da bandaLed Zeppelin
Quanto eles conseguiam arrecadar por show no auge da banda


Arte Musical
Stamp

Young Gods: nome do underground europeu em SP

Resenha - Young Gods (SESC Pompéia, São Paulo, 18/04/2008)

Por Rodrigo Duarte das Neves
Em 23/04/08

Na avalanche de shows imperdíveis que estão acontecendo no mês de Abril em São Paulo, um grande nome do underground europeu visitou o Brasil para 3 apresentações (17, 18 e 19/04): o trio suíço Young Gods.

Liderado pelo carismático vocalista Franz Treichler, o Young Gods movimentou a cena européia no início dos 90’s, com dois discos marcantes: "L’Eau Rouge" (1989) e "TV Sky" (1992). Misturando samplers e efeitos eletrônicos com um vocal sombrio, mas com uma abordagem mais moderna para a época, o trio angariou rapidamente fãs tanto da cena gótica, que teve seu auge nos anos 80, quanto fãs de um som mais alternativo de uma grande cena independente que nascia no final dos 80’s e início dos 90’s. "L’Eau Rouge" abriu caminho com suas melodias sombrias e letras em francês, e esse caminho de respeito no underground foi pavimentado com "TV Sky", onde músicas como "Gasoline Man" e "Skinflowers" finalmente deram o merecido destaque à banda, que angariou numerosos e fiéis fãs.

Em 2004, um alarme falso aos fãs brasileiros soou. Isso porque a banda chegou a tocar no Brasil nesse ano, no Fórum Mundial Cultural em São Paulo, porém o projeto batizado como "Amazonia Ambient Project" em conjunto com o antropólogo Jeremy Narby era totalmente conceitual, não abrangendo o material clássico da banda, o que deixou a imensa maioria dos fãs decepcionados.

Desta vez, como parte do festival "Vida Louca, Vida Intensa – Uma Viagem pela Contracultura" organizada pelo SESC-SP, a banda teve 3 noites para finalmente presentear seus fãs brasileiros com o melhor de seu repertório. Mais uma vez, a poucos dias do evento, mais um susto para os fãs: a banda divulgou que devido a limitações do SESC, os 3 shows seriam no formato acústico. Para uma banda que no auge sempre assustou pela força e peso de seu repertório, esse era um mau sinal para os fãs mais conservadores, e muitos torceram o nariz quando souberam da notícia.

Porém, quem esteve na noite no SESC Pompéia, com certeza não se arrependeu. Aproveitando o lançamento do próximo disco da banda, "Knock on Wood", que deve sair nos próximos meses e é totalmente baseado em releituras acústicas de clássicos da banda, o Young Gods proporcionou uma viagem inesquecível para os presentes. Nos primeiros acordes de "Our House", que abriu o espetáculo, já foi possível perceber o ar de supresa da platéia. A ambiência criada por Franz Traichler, Al Comet e um músico convidado nos violões, e de Bernard Trontin na percurssão era impressionante. Fugindo da sonoridade batida do formato acústico, a banda incorporou vários elementos e efeitos vocais às músicas, transformando cada música em uma nova viagem que surpreendia mesmo o mais fanático fã.

Na terceira música, a belíssima "Everythere", já era claro que Franz e sua banda tinham o público totalmente em suas mãos, tornando aquele o momento certo para a execução de uma das canções mais conhecidas e pesadas do banda. "Gasoline Man" em uma roupagem folk/blues rock ficou fantástica, com Franz levantando de seu banquinho para improvisações em uma gaita, e levantando consigo toda a platéia. Com o jogo ganho, a banda continuou desfilando seus clássicos e não deixou o ânimo baixar em nenhum momento. Versões de "Charolotte", "Ghost Rider", "She Rains", e as homenagens a Kurt Weill ("Speak Low") e Ritchie Heavens ("Freedom") foram executadas com primor, em versões emocionantes onde violões, percussão, voz e efeitos discretos, porém de muito bom gosto, se encaixavam perfeitamente.

Carismático e comunicativo, Franz interagia constantemente com a platéia, muitas vezes arriscando um português arrastado, herança de seu pai brasileiro. E atendendo gentilmente aos pedidos, a banda voltou ao palco duas vezes para execução do bis, encerrando o show com a clássica "Skinflowers", talvez a música que mais tenha se aproximado da versão original, com uma levada bem rock n’ roll. A platéia, emocionada, ovacionou a banda por longos minutos, a maioria estupefata pela grata surpresa de ver a banda executar seu repertório no formato acústico com tanto poder.

No dia seguinte, sábado 19/04, a banda realizou uma tarde de autógrafos na loja London Calling, no centro de SP e os integrantes mostraram ainda mais simpatia no contato direto com os fãs. Empolgado, Franz não se contentava com um simples aperto de mão, abraçando todos os fãs como se fosse amigos de velha data. Em rápida conversa antes de autografar meu vinil de "L’Eau Rouge", Franz mostrou extrema gratidão com a recepção dos fãs brasileiros e confessou que agora que conseguiram abrir as portas para futuras apresentações no país, planejam a volta para prováveis shows no formato "eletric".

Com sua parafernália eletrônica, ou simplesmente com violões no colo, assistir ao Young Gods é uma experiência difícil de descrever. Como o próprio Franz disse na tarde de autógrafos: "Plugado ou desplugado, o importante é a música passar emoções igualmente fortes, e isso estamos conseguindo.".

Alguém duvida? Quem esteve em alguma das três noites de shows da banda, certamente não!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Pentral
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Lista: clássicos do rock e do metal que ninguém aguenta mais ouvir - Parte 1Lista
Clássicos do rock e do metal que ninguém aguenta mais ouvir - Parte 1


Sobre Rodrigo Duarte das Neves

Rodrigo Duarte das Neves, 28 anos, paulista do ABC (nascido em São Caetano e morador de São Bernardo) é engenheiro de projetos enquanto não consegue ser remunerado para viajar o mundo cobrindo festivais de rock. Começou aos 9 anos ouvindo os clássicos, e hoje passa boa parte do seu tempo caçando boas bandas, não importa onde estejam: décadas atrás (psicodelia dos 60's é sua grande paixão) ou nas profundezas do underground atual. The Doors, MC5, Stooges e Monster Magnet fazem parte de sua inspiração diária.

Mais matérias de Rodrigo Duarte das Neves.