Matérias Mais Lidas

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemApós resposta de Malmsteen, Jeff Scott Soto rebate guitarrista e diz que deseja paz

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemMalmsteen diz que Jeff Scott Soto foi expulso de seu show porque não pagou entrada

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemFoto feita após fim da turnê mostra todos do Ghost sem máscaras, incluindo "Ghoulettes"

imagemJames LaBrie fala sobre a possibilidade de trabalhar novamente com Mike Portnoy


Stamp

Alice Cooper: Todo o mise en scène que é marca de suas apresentações

Resenha - Alice Cooper (Credicard Hall, São Paulo, 12/06/2007)

Por Fernão Silveira
Em 14/06/07

"Cara, nós assistimos a uma peça de teatro hoje à noite!" Pois esse comentário, proferido por um fã sentado numa das poltronas da pista (!) do Credicard Hall, resumiu muito bem o que foi o show de ALICE COOPER em São Paulo, nesta terça-feira à noite. O veterano roqueiro norte-americano, pai do "rock horror" e um dos pioneiros do heavy metal, usou seus 100 minutos de espetáculo para mostrar o que tem de melhor em sua obra, que é abrangente ao ponto de transcender a música.

Além do hard rock envolvente, de melodias marcantes e letras deliciosamente juvenis, ALICE COOPER ganhou a platéia com todo o mise en scène que é marca de suas apresentações. Mesmo quem já conhece o roteiro do "rock horror show" de Alice se surpreende com as peripécias desse velho e inigualável frontman.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Impossível não se ver envolvido com o teatrinho mambembe protagonizado por ALICE COOPER e seus coreógrafos, comandados atualmente pela jovem atriz e bailarina Calico Cooper (filha do astro). E o mais legal é prestar atenção na simplicidade amadora dos esquetes executados durante o show. ALICE COOPER troca de jaqueta no palco mesmo, sem frescura, fantasiando-se de caubói (para cantar "Desperado") ou de mosqueteiro (para "Billion Dolar Babies"), de mágico ("Welcome to My Nightmare") ou de louco preso na camisa-de-força ("Dead Babies/Dwight Frye"). Isso sem falar na imensa forca colocada no palco para executar ALICE COOPER, após o cruel ritual de infanticídio praticado por ele durante "Dead Babies". Um show de encher os olhos!

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

E é de encher os olhos – e os ouvidos – a qualidade musical da banda de ALICE COOPER. Experiente que é, o veterano roqueiro tratou de cercar-se de jovens muito talentosos, que nitidamente valorizam a oportunidade de contracenar com um papa do heavy metal. São eles: os guitarristas Kerri Kelly e Jason Hook, o baixista Chuck Garric (que, pelo visual e pela atitude, lembra muito o saudoso Jerry Only, dos MISFITS) e o baterista Eric Singer, que dispensa maiores comentários.

Pensando bem, como não comentar a atuação memorável de Eric Singer, o novo "Catman" do KISS? Parceiro de longa data de ALICE COOPER, Eric Singer é a segunda maior atração do palco, um coadjuvante perfeito para o teatro de terror ao som de heavy metal. O solo de bateria executado por Singer quase levou alguns fãs na platéia às lágrimas. Sem exagero.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O set list também foi bastante generoso. Esbanjando energia, ALICE COOPER emendou hit atrás de hit, tirando o fôlego da galera. O sprint inicial começou com "It's Hot Tonight" e foi parar em "Be My Lover", passando por "No More Mr. Nice Guy" (cantanda em coro pelo Credicard Hall), "Under My Wheels", "I'm Eighteen", "Is It My Body", "Woman of Mass Destruction" (o mais novo sucesso dele) e "Lost in America".

Também não faltaram performances memoráveis para "Public Animal", "Halo of Flies" (esta como uma verdadeira encenação, com trilha sonora de primeira), "Welcome to My Nightmare", "Cold Ethyl", "Only Women Bleed" (incrementada pelo balé de Calico Cooper) e "School's Out", para decretar o final de uma verdadeira "aula de rock".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Para o bis, a banda reservou três grandes pérolas: "Billion Dolar Babies", "Poison" (um dos maiores sucessos da carreira do astro) e "Elected", uma grata surpresa, executada com grande euforia pela banda – ALICE COOPER, de bandeira brasileira em punho, até ensaiou um discurso e pediu votos aos fãs, enquanto seus coreógrafos zanzavam pelo palco com placas dizendo "Vote no rock!", "Um homem problemático para tempos problemáticos!", "Eu não dou a mínima!" e por aí vai.

Não se preocupe, Alice, pois os votos do público brasileiro são seus faz tempo! Aliás, ALICE COOPER no Credicard Hall desponta como fortíssimo candidato na eleição de melhor show de 2007. E vai ser difícil dar segundo turno...

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal


Outras resenhas de Alice Cooper (Credicard Hall, São Paulo, 12/06/2007)

Resenha - Alice Cooper (Credicard Hall, São Paulo, 12/06/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Chuck Wright: ex-Quiet Riot lança single pedindo fim da guerra na Ucrânia


Nita Strauss: a estratégia genial adotada quando ela ainda não tinha empresário

Nita Strauss: o que ela pensa sobre usar sexualidade para promover sua música



Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira.