Alice Cooper: Dias normais e noite de horror na capital paranaense

Resenha - Alice Cooper (Teatro Guaíra, Curitiba, 10/06/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Molina
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O show de Alice Cooper na capital paranaense não foi apenas uma apresentação de sua turnê. O evento se caracterizou como a inauguração da "Psycho Drama Tour", causando ansiedade aos fãs de todo o Brasil, que não sabiam como seria o repertório do cantor. Outra curiosidade era o roteiro do show. Muitos admiradores acreditavam que os efeitos especiais e os números teatrais seriam semelhantes aos do show "Brutally Live" (2000) e do material "Alice Cooper Box - Collector's Edition".

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneMetal sueco: site elege as dez melhores bandas da Suécia

O circo do horror começou pontualmente às 20h, no dia 10 de junho e utilizou como cenário o Teatro Guaíra. Muitos fãs contestaram o lugar em que o show foi realizado, mas após a apresentação confirmaram que a cidade não apresenta outro local para suportar o espetáculo.

Ao ser questionado sobre a realização de shows em teatros, o baterista Eric Singer defendeu a iniciativa. "É mais fácil para obter um som de qualidade e montar todo o cenário. Gosto de tocar em teatros. É melhor para a banda e para o público", disse.

O público que presenciou a abertura da turnê mundial de Alice Cooper não lotou o Guaíra. O motivo foi o preço do ingresso. A entrada inteira para a platéia custou R$ 200. Muitos fãs deixaram de ir ao teatro por causa do preço elevado.

A abertura do show foi extremamente criativa. Em uma cortina, a sombra de Alice Cooper apareceu com sua cartola e bengala, fazendo pose para a platéia. Após o público aplaudir com euforia, o verdadeiro Alice Cooper entra no palco e enterra uma espada no peito do falso Alice Cooper, representado na sombra anterior.

A canção que dá início ao espetáculo é "It's hot tonight", que apresentou falhas iniciais no som, que com o decorrer da execução foram consertadas. O público nem notou por estar com a atenção presa ao cenário do palco e à presença do cantor. Em seguida, a banda expôs uma série de clássicos dos anos 70 como "No more Mr. Nice Guy", "Under my wheel", "I'm Eighteen" e "Is it my body".

Com o público conquistado no início do show, Alice cantou o novo clássico "Woman of mass destruction", do disco "Dirty Diamonds" (2005) e "Lost in America" do CD "The last temptation" (1994).

No decorrer do show, a banda aproveitou a ocasião para apresentar canções mais obscuras. Um dos fatos que chamou a atenção foi o intervalo entre as músicas. O grupo, praticamente, emendava todas e encarava o concerto como um teste. É relevante mencionar que a turnê começou no meio das gravações do novo disco "Along came a spider", que será no formato duplo e conceitual sobre a trajetória de um serial killer.

A apresentação voltou a aquecer os fãs curitibanos em "Welcome to my nightmare", iniciando mais uma série de clássicos setentistas. O momento mais esperado aconteceu após "Only women bleed". Ao começar "Dead babies", o público percebe que a execução de Alice Cooper está próxima. Em "Dwight Frye", Alice é preso na camisa de força até ser levado à forca.

A apresentação fechou com "School's out" e "Billion dolar babies". É incrível como "School's out" tem mais poder ao vivo do que no disco. A exposição da canção no final do repertório é bem adequada.

No bis, Alice cantou "Poison" (seu maior clássico na década de 80) e terminou a apresentação, definitivamente, com "Elected", pedindo votos ao público.

CLique no link abaixo para saber mais sobre a passagem de Alice Cooper por Curitiba:

As aventuras de Alice Cooper em Curitiba

Set-List:
It's hot tonight
No more Mr. Nice Guy
Under my wheels
I'm Eighteen
Is it my body
Woman of mass destruction
Lost in America
Be my lover
Raped & Freezin
Long way to go
Muscle of love
Public Animal
Desesperado
Halo Flies
Welcome to my nightmare
Cold Ethyl
Only women bleed
Steven
Dead babies
Dwight Frye
Devil's food / Killer / I love the dead
School's out
Billion dollar babies
Poison
Elected


Outras resenhas de Alice Cooper (Teatro Guaíra, Curitiba, 10/06/2007)

Alice Cooper: Livres para desfilar os hits da fase clássica




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Alice Cooper"


Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone

Alice Cooper: assista show completo realizado em New JerseyOs anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estilo

Alice Cooper: Breadcrumbs sai em setembro, veja capa e tracklistAlice Cooper
"Breadcrumbs" sai em setembro, veja capa e tracklist

Alice Cooper: fazendo aparição surpresa em igreja dos EUAAlice Cooper
Fazendo aparição surpresa em igreja dos EUA

Hollywood Vampires: novo álbum Rise é lançado em CD no Brasil

Top 10: bandas importantes com menos de 10 discos lançadosTop 10
Bandas importantes com menos de 10 discos lançados

Ultimate Classic Rock: os supergrupos mais improváveis do rockUltimate Classic Rock
Os supergrupos mais improváveis do rock

Hard Rock: alguns dos clipes mais clichê do gêneroHard Rock
Alguns dos clipes mais clichê do gênero


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Marilyn Manson: Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!Marilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockZodíaco True: Os perfis de cada signo em versão HeadbangerIron Maiden: Nicko acha que a banda deve ser "egoísta" no palcoGlenn Hughes: ele deseja o melhor ao "esquisitão" Blackmore

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336