Resenha - Gamma Ray (Olympia, São Paulo, 19/11/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Eduardo Corrales
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.








Uma das coisas mais complicadas para um jornalista é quando tem que cobrir um show ou entrevistar um artista do qual ele realmente gosta. Esse foi o meu caso na noite do último sábado, quando minha banda preferida, o Gamma Ray fez um show em terras paulistanas.

Fotos: Carolina Oliveira

Matéria extraída do site DELFOS – www.delfos.art.br

A abertura ficou por conta do Kavla, que fez um show baseado em músicas próprias. Fizeram um medley que contou com alguns dos maiores sucessos do Rock/Metal, como "The Evil That Men Do" (Iron Maiden), "Master of Puppets" (Metallica), "Mob Rules" e "Heaven and Hell" (Black Sabbath, da época que contava com Ronnie James Dio nos vocais), "Hunting High and Low" (Stratovarius), "Black Dog" (Led Zeppelin), "Highway Star" (Deep Purple) e "Eagle Fly Free" (Helloween). Com um medley desses, é óbvio que a galera agitou bastante, mas no resto do show, era comum vermos apenas as pessoas das primeiras filas batendo palmas e cantando junto, enquanto o restante estava mesmo é esperando o Gamma Ray. Quando terminaram, a platéia ficou gritando gostosa para a baterista, o que me fez imaginar: “será que gritariam a mesma coisa para absolutamente qualquer representante do sexo feminino que pisasse no palco?”.

Às 23 horas, a famosa introdução "Welcome", do primeiro álbum do Gamma começou a soar em playback. O início do show seguiu a mesma fórmula da última apresentação da banda em São Paulo (em 2003), começando com uma música pesada "(Gardens of the Sinner" nas duas ocasiões), seguida de uma mais comercial "(Rich and Famous" em 2003 e "Heaven Can Wait", uma das minhas preferidas, nesta mais recente).

Com o público na mão com estes dois petardos, era hora de fazer uma seqüência com músicas do "Majestic", álbum que saiu há pouco mais de um mês, mais exatamente no dia 11 de outubro. Sempre achei um erro trazer as bandas para cá tão pouco depois do disco sair. É preciso dar um tempo para o público aprender as músicas e, com isso, curtir mais o show. Infelizmente, os promotores parecem não concordar comigo e cada vez mais isso se torna recorrente, como aconteceu ano passado com o Therion e este ano com o Grave Digger.

Obviamente, com a possibilidade, embora ilegal, de se fazer downloads dos álbuns antes mesmo de eles serem lançados, muita gente já estava com as músicas mais do que decoradas e fizeram a festa com "My Temple", "Fight" e "Blood Religion". Infelizmente, isso acaba prejudicando os fãs “de verdade”, que preferem esperar ter o disco oficial nas mãos para ouvi-lo com toda a atenção que merece, acompanhando as letras e tudo mais. No meu caso ainda, que compro CDs japoneses das minhas bandas preferidas (para quem não sabe, normalmente as versões nipônicas têm uma ou duas músicas a mais), acabo demorando bem mais para conseguir colocar as mãos na bolachinha.

Seguiram com a música mais Manowar que o Manowar não gravou, a divertida "Heavy Metal Universe", que teve a tradicional paradinha para a galera cantar. E cantou mesmo, a plenos pulmões. Poucas vezes vi um público cantar tão alto em um show como fez nessa música.

Nesse momento em que o público estava completamente entregue, os alemães decidem jogar o famoso balde de água fria com o sempre pentelho solo de bateria. Obviamente, o solo seguiu exatamente a mesma fórmula que já entreguei na minha resenha para o show do Primal Fear, então não vejo motivos para me estender nisso novamente.

Ao invés disso, vou aproveitar a pausa para falar sobre a banda ao vivo. O Gamma Ray é sem dúvida uma das bandas mais carismáticas do Metal. Seus shows sempre têm um clima de festa (tive oportunidade de assistir a 3 dos 4 que a banda fez em São Paulo), os músicos estão sempre sorrindo e, embora o guitarrista e vocalista Kai Hansen seja considerado um deus por 8 entre 10 headbangers (o cara compôs boa parte dos clássicos do Helloween e é praticamente o inventor do que hoje chamamos de Heavy Melódico), a banda toda tem seu espaço para brilhar. O outro guitarrista, Henjo Richter, também conhecido como o narigudo sorridente, é outro que tem um carisma exemplar e forma uma dupla fenomenal de guitarras com Kai. O companheiro de longa data de Hansen, Dirk Schlächter (que foi guitarrista da banda em três discos: "Sigh No More", "Insanity and Genius" e "Land of the Free" e que assumiu o baixo desde o álbum "Somewhere Out In Space", de 1997), compareceu com um visual bem diferente do que tinha antes, graças a seu novo corte de cabelo. Isso, é claro, não interferiu na sua performance como as caipirinhas com que se esbaldou na véspera do show de 1999 e dessa vez o cara fez seu papel direitinho. O baterista Dan Zimmerman não aparece muito, mas faz o seu papel como o senhor das baquetas.

Depois do solo de bateria, contudo, foi que o show realmente esquentou, com um tremendo "five-hit combo" com algumas das músicas preferidas do público tupiniquim. A primeira delas foi a maravilhosa "Beyond the Black Hole", que levou o Olympia a uma viagem através do buraco negro cantando um dos refrões mais empolgantes que a banda já compôs.

Seguiram com "New World Order" e sua levada à Deep Purple. Seus riffs cavalgados fizeram todos pularem no ritmo da música. Durante sua parte mais lenta, onde a platéia costuma acompanhar a melodia da guitarra com os famosos “Ô-Ô-Ôs”, parece ter havido um problema com a guitarra do Kai Hansen, levando a banda a estendê-la além do previsto. Isso, obviamente, não prejudicou o show, apenas aumentou a parte onde o público cantaria.

Depois de tantas músicas pesadas, nada melhor do que relaxar com uma das melhores baladas não compostas pelo Savatage que conheço: a linda Silence, cantada em uníssono pelos solteiros, enquanto os “acompanhados” abraçavam e beijavam seus “acompanhantes”.

No intervalo antes da próxima música, Kai pergunta: “Estão prontos para a última música de hoje?”. A galera responde: “Não!”. Kai retruca: “Como não? Sim!” e essa brincadeira continua por mais alguns minutos, mostrando o bom humor que permeia o trabalho da banda desde sua estréia, no longínquo ano de 1989, quando ainda era pouco mais que um trabalho solo de Kai, recém saído do Helloween.

Essa tal última música era "Rebellion in Dreamland", talvez o maior sucesso dos caras. Não precisa dizer que foi cantada por todos. A banda emendou outra do mesmo álbum, a faixa-título "Land of the Free", cortando a primeira mais ou menos na metade, o que deixou os fãs chupando o dedo.

Dão boa noite e saem do palco depois de apenas 1 hora e 20 minutos de show, sem deixar dúvidas a ninguém de que voltariam para o bis. Aliás, você já reparou que bis é algo tão programado que a galera nem pede mais? Simplesmente espera a banda voltar? E isso nesse show foi especialmente ruim, pois com tanta música boa sendo tocada em seguida, nem dava para perceber que já estávamos cansados. Contudo, com a pausa forçada do bis, a galera esfriou e não esquentou mais.

Voltaram com a comercial (no bom sentido) "Valley of the Kings", emendada na pesada "Somewhere Out in Space" e fechando este primeiro bis com o final de "Rebellion in Dreamland". Não chegaram a tocar a música desde onde pararam antes do bis, foi realmente apenas o finalzinho.

A banda dá boa noite e sai do palco. De novo. As luzes não se acenderam, então novamente o público simplesmente ficou esperando decidirem voltar. Alguns minutos depois, voltam com a praticamente Hard Rock "Send Me a Sign", outra das preferidas do público.

Para terminar, emendam "I Want Out" do Helloween. Essa música pegou muitos de surpresa, já que não havia sido tocada nos shows anteriores que a banda fez em Porto Alegre e Curitiba. Contudo, havia sido tocada em São Paulo há duas semanas pelo próprio Hansen acompanhado pelo Angra. Talvez um outro sucesso do Helloween teria sido mais legal como "Future World" ou, quem sabe, algum petardo mais raro como "Victim of Fate"?

De qualquer forma, a banda fez um ótimo show. Podia ter sido mais longo – durou 1 hora e 50 minutos, mas não se esqueça que teve duas pausas para bis e um solo de bateria – pois em coração de fã sempre cabe mais umas músicas. Particularmente, acho que deveria ser o oitavo pecado capital ter uma música como "Shine On" no repertório e não tocá-la em todas as ocasiões possíveis. Mas um show perfeito é algo muito difícil, especialmente para quem gosta muito da banda. O Gamma Ray chegou perto. Este foi um ano onde tivemos oportunidade de ver alguns shows de Metal há muito esperados, como o Judas Priest com o Rob Halford ou o W.A.S.P. pela primeira vez no Brasil. Infelizmente, esses shows deixaram a dever e foram passados para trás pelos representantes do Hard Rock, como o Whitesnake e o Scorpions. É bom ver que o Gamma Ray veio para provar que as bandas de Metal ainda sabem fazer um bom show.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gamma Ray"

CoversCovers
Alguns dos mais legais feitos por bandas de Metal

Collectors RoomCollectors Room
O acervo do fundador do fã-clube do Gamma Ray

HelloweenHelloween
Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Gamma Ray"

VocalistaVocalista
Dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiam

MetallicaMetallica
Prejudicando as finanças da Igreja Universal

Yngwie MalmsteenYngwie Malmsteen
Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista

5000 acessosChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte5000 acessosFotos de Infância: Avril Lavigne5000 acessosMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio5000 acessosSolos de guitarra: os 100 melhores segundo a Classic Rock Magazine5000 acessosMetallica: Segundo Mustaine, James, Cliff e Kirk iam demitir Lars5000 acessosMotley Crue: Sebastian Bach chegou a ser chamado para o vocal

Sobre Carlos Eduardo Corrales

Carlos Eduardo Corrales é jornalista e fotógrafo há oito anos. É editor-chefe do Delfos - www.delfos.jor.br - o maior site nerd de jornalismo parcial reflexivo humorístico do mundo. Sua principal característica é não levar nada a sério, até mesmo quando fala sério. A única exceção, claro, são os ensinamentos do Deus Metal. Com esse ele não brinca, pois não quer que o Vento Preto venha tirar satisfação.

Mais matérias de Carlos Eduardo Corrales no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online