Resenha - The Musical Box (Canecão, Rio de Janeiro, 04/10/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O grupo canadense "The Musical Box" nos propiciou uma noite nostálgica numa terça feira quente, típica do clima carioca. Com um misto de teatro, música e cinema em algumas partes, a banda recriou com perfeição extrema a clássica turnê de divulgação do disco "The Lamb Lies Down on Broadway" do Genesis, que seria a derradeira excursão de Peter Gabriel à frente do grupo (1977). Phil Collins assumiria os vocais nas próximas obras, e pouco a pouco o Genesis perderia o caráter progressivo que marcou sua história, culminando em mais uma banda "pop", para alguns apenas um projeto extra de Phil Collins.

Phil Collins: Garotinha canta clássico do Genesis para o bateristaChinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

Como não sou grande conhecedor desta obra do Gênesis, procurei conhecer alguns detalhes, ver fotos... ou seja, entrar no clima do espetáculo que iria assistir. Vendo algumas fotos em "websites", pude notar que estávamos diante de um forte clima audio-visual, com uma banda particularmente inspirada, como que sentindo que esta turnê seria marcante... e isso acabou por gerar uma dúvida cruel, que martelava minha cabeça enquanto me dirigia para o Canecão: será que um grupo que se formou nos anos 90 seria capaz de incorporar toda a complexidade da obra criada por Peter Gabriel e seus asseclas, sem abusar da tecnologia, usando os mesmos "slides" de palco e instrumentos da época? Será que não estaríamos apenas presenciando mais uma banda "tributo" ao Genesis se aproveitando de músicas clássicas para faturar uns trocados em cima de fãs de rock progressivo?

Ao chegar na casa essa dúvida aumentou, porque muitos fãs (inclusive músicos famosos) lotavam as dependências do Canecão (com mesas, como se deve no show em questão). Por volta de 22 horas, as luzes se apagaram e eis que o Ge... quer dizer, Musical Box entra no palco, ao som de "The Lamb Lies Down on Broadway", com "slides" no fundo e efeitos de luz simples, mas eficientes.

"Fly On a Windshield" e "Broadway Melody of 1974" impressionam pela fidelidade: os membros procuram adotar uma postura IGUAL à da banda a que prestavam tributo, e o vocalista literalmente era um clone de Peter Gabriel! Sons como "Back in NYC", "Hairless Heart" e "Counting Out Time" só ressaltavam tal fidelidade, que chegava a ser assustadora (não precisamos citar o uso das mesmas guitarras de Steve Hackett). Se o vocalista era perfeito, o que dizer do batera, que usava a mesma barba que Phil Collins ostentava há 28 anos atrás? E ainda fazia os mesmos "backings"!!!

Nesse meio tempo a obra prima do Genesis ia embasbacando os presentes: não bastasse a execução perfeita de "Anyway", "Carpet Crawlers" e "Ravine", os discursos de Peter "clone" Gabriel eram os mesmos do original, mantendo inclusive a conotação sexual que ostentava a obra. O mesmo ainda se deu ao luxo de aparecer fantasiado como um peixe ("Slipperman") saído de dentro de uma bolha, durante "The Colony of Slippermen", e estar envolto em uma misteriosa cortina cilíndrica em "Riding the Scree". Se eu, que estava me familiarizando aos poucos com a obra do Genesis estava embasbacado, imaginem como estavam aqueles que já a conheciam de cabo a rabo... o Canecão estava em transe.

O final apoteótico com "It" foi impressionante. O público parecia não acreditar no que via... afinal os caras conseguiam reproduzir uma obra complexa, cativante e instigante com perfeição. Para deixar o público mais boquiaberto, o grupo voltou para a execução de "The Musical Box" e a surpresa: uma versão de "Foxtrot" que fez algumas lágrimas escorrerem das faces de vários presentes.

Antes de dizer que foi um grande show, devo afirmar: foi um espetáculo digno de estar na Broadway. Não é à toa que Phil Collins se declarou amador perto deste grupo, que Peter Gabriel levou seu filho para vê-los, afinal era a única maneira decente do garoto saber o que o pai fez no passado. Para fechar a matéria, fico com uma declaração de Carlos Lopes, ex-Dorsal Atlântida, atual Mustang, que ao acender das luzes exclamou: "É caso de internação!".




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Genesis"


Phil Collins: Garotinha canta clássico do Genesis para o bateristaPhil Collins
Garotinha canta clássico do Genesis para o baterista

Phil Collins: Resenha em vídeo da autobiografia Not Dead Yet

Ozzy Osbourne: obcecado pelo 1º disco de Phil Collins?Ozzy Osbourne
Obcecado pelo 1º disco de Phil Collins?

Progressivo: análises exemplificando a guitarra progressivaProgressivo
Análises exemplificando a guitarra progressiva

Led Zeppelin: Não foi minha culpa ter sido uma merda, diz CollinsLed Zeppelin
"Não foi minha culpa ter sido uma merda", diz Collins


Chinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da históriaChinese Democracy
De 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história

As piores tatuagens de rockstarsAs piores tatuagens de rockstars
As piores tatuagens de rockstars

Gutural: mulheres que fazem vocal em bandas de MetalGutural
Mulheres que fazem vocal em bandas de Metal

Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposMeet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportamWacken: o que sobrou da edição de 2016 do festivalCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336