Resenha - Megadeth (São Paulo, 11/10/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felippe Facincani
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

São Paulo, 11 de outubro de 2005 certamente é um dia para guardar na memória de todos os amantes do bom e velho rock and roll ou mais especificamente, do apoteótico thrash metal. Em meio a especulações e também esperança daqueles fãs mais obstinados por sua banda, o Megadeth foi uma das atrações mais aguardadas de 2005 no Brasil. Afinal, o show de São Paulo poderia ser um divisor de águas para a música com um possível fim da banda sendo anunciado.

3005 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosAndre Matos: "Fui praticamente coagido a ser vocal do Viper!"

Dias antes de iniciar a turnê pela América do Sul, Dave Mustaine, líder e guitarrista da banda, disse que o anúncio oficial da continuação ou não do quarteto seria feito no dia 9 de outubro de 2005, em Buenos Aires. Azar dos brasileiros por alguns instantes não terem virado história, mas sorte por outro já que o espetáculo no Credicard Hall seria sensacional em todos os sentidos, como o último na cidade ou o primeiro no Brasil após quase 7 anos de ausência com direito a bis num futuro.

Pois bem, mal Dave havia dito que o Megadeth continuaria e os fãs já se perguntavam sobre novas gravações, CDs e, claro, como seria o show no Brasil. Por que tanta bajulação aos hermanitos e, para nós, nada?

Nada? Bem, não seria essa a palavra correta, afinal às 23h10 da noite, após quase 1h20 de concerto do Apocalyptica, banda instrumental que tira de 4 violoncelos o mais puro heavy metal, Dave Mustaine e sua trupe afundam o palco do Credicard Hall com a paulada “Blackmail the Universe”, tema de abertura do último álbum “The System Has Failed”, fazendo estremecer a platéia que se aglomerava na pista ou que se sacudia como podia no local.

Mal acabava a música e outro tiro da banda começava, com “Set The World Afire”, do conceituadíssimo “So Far, So Good, So What?”. Logo após, o jogo muda de figura com “Skin O´My Teeth” e volta ao novo trabalho com a cadenciada e sombria “The Scorpion”. Até aqui, a banda mostrava o quanto perfeita ao vivo era, ao contrário de 98 quando alguns problemas com som ocorreram.

Logo após essas quatro músicas, Dave deu o “Boa Noite” básico, disse o quanto era bom rever a galera brasileira mas que eles ainda não haviam ouvido nada do que prometeria o concerto. Pois bem, com uma seqüência matadora, “Wake Up Dead”, “In My Darkest Hour”, “Die Dead Enough”, “She Wolf” e “Reckoning Day”, o Megadeth mostrou que além de um setlist bem trabalhado cronologicamente, relatava que a banda estava mesmo de volta às origens e que não esqueceu dos fãs fiéis que ao longo dos anos pediam algo pesado ao contrários dos álbuns que sucederam o “Cryptic Writings”.

Um dos ápices do show foi quando Dave empunhou sozinho sua guitarra, foi à beira do palco e puxou “A Tout Le Monde”, cantada em coro pelo público. Após o belíssimo momento, "Angry Again", "Hook In Mouth", "Something I'm Not", "Hangar 18", "Return To Hangar", "Of Mice And Men", "Tornado Of Souls", "Trust", "Train Of Consequences" e a porrada “Kick The Chair”, fazem mais uma vez o Credicard Hall ruir.

A introdução começa e o povo já começava a pular com os primeiros acordes de “Symphony Of Destruction”, cantada de pé até pelos presentes na platéia superior, onde estão as cadeiras e o conforto.

Depois, “Sweating Bullets” rasga a cena juntamente com “Peace Sells” e acabam até virando uma entrada magistral para “Paranoid”, coverizada do Black Sabbath no “Hidden Treasures” e que explodiu o público, já que antes da música, Dave brincava em acordes alternados, sem dar a entender para o pessoal que viria a ser um dos maiores clássicos do rock, que na versão thrash do Megadeth ficou perfeita.

Após também brincar em “Paranoid”, cantando até “Happy Birthday” para um dos produtores aniversariantes, Mustaine apresentou a banda que trouxe a perfeição dos estúdios para o palco paulista, com Glen Drover na guitarra, James MacDonough no baixo e Shawn Drover na bateria.

Ao final, como já esperado, “Holy Wars...The Punishment Due”, sacudiu de vez o local, levantou platéia, arrastou a multidão na pista e fez chorar de emoção o mais puro amante de heavy metal que viu de perto um concerto perfeito, que após a clássica música, trouxe de bandeja "Silent Scorn" para dar um ponto final ao espetáculo.

“See You Again Guys...” disse Dave Mustaine, se referindo à banda que promete sobre rumores ainda voltar ao final de 2006 para São Paulo, e quem sabe com novo CD nas mãos. No próximo semestre deveremos ter em mãos um CD e um DVD ao vivo dessa turnê de “renascimento” do Megadeth.

Set List:
Blackmail The Universe
Set The World Afire
Skin O' My Teeth
The Scorpion
Wake Up Dead
In My Darkest Hour
Die Dead Enough
She-Wolf
Reckoning Day
A Tout Le Monde
Angry Again
Hook In Mouth
Train Of Consequences
Hangar 18
Return To Hangar
Of Mice And Men
Tornado Of Souls
Trust
Something That I'm Not
Kick The Chair
Symphony Of Destruction
Sweating Bullets
Paranoid
Peace Sells
Holy Wars... The Punishment Due
Silent Scorn

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

2703 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa496 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3487 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1988

19861986
O ano definitivo da música pesada

DebandadosDebandados
Saíram de uma banda e formaram outra (melhor?)

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Andre MatosAndre Matos
"Fui praticamente coagido a ser vocalista do Viper!"

Mike PortnoyMike Portnoy
A reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream Theater

MalmsteenMalmsteen
"A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

5000 acessosRita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper5000 acessosJudas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal5000 acessosYngwie Malmsteen: primeira namorada fala sobre o guitarrista4591 acessosBlack Sabbath: definitivamente, obrigado por tudo4273 acessosSteven Tyler: cantor fala sobre Kid Rock e Jennifer Lopez5000 acessosHeavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 1

Sobre Felippe Facincani

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online