Resenha - Joe Satriani (Atl Hall , Rio de Janeiro, 04/04/2003)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fotos por Anderson Guimarães


Pela terceira vez Mr. Joe Satriani comparecia ao Brasil, desta feita para a divulgação de seu cd “Strange Beautiful Music”. Se no cd anterior, “Engines of Creation”, Joe tinha flertado com ritmos mais eletrônicos, em seu novo lançamento ele fez talvez um de seus cd’s mais diversificados e complexos, abrangendo vários estilos, e esta seria uma turnê interessante, para vermos como as novas músicas se encaixariam ao repertório já consagrado de Mr. Satch.
2011 acessosJoe Satriani: novo álbum traz Glenn Hughes e Chad Smith, turnê do G35000 acessosCapas de álbuns com ilusões de ótica

Um Atl Hall abarrotado (cerca de 7000 pessoas) com uma configuração de público diferente (a pista ficava bem distante do palco e a frente desta estavam dispostas poltronas) esperava ansioso pelo show. Com cerca de 30 minutos de atraso (perto das 23 horas) as luzes se apagam e Mr. Joe aparece com sua guitarra prateada, detonando na distorção e fazendo o público presente entrar em frenesi, com muitas pessoas se levantando e tentando a todo custo tirar fotos, fazer gestos. “Flying in a Blue Dream” é a primeira a ser executada, e é recebida com entusiasmo por um público sedento por bons solos e riffs. Logo depois a clássica “Crushing Day” e a eletro-rock “Devil’s Slide” (do cd “Engines of Creation”) esquentam o já fervilhante público, que cantava nota a nota, e não tirava os olhos de Joe, observando atentamente cada gesto, cada expressão.


Joe Satriani se mostra um guitarrista humilde, pois em muitos momentos do show procurou postar-se junto a seus companheiros de banda, evitando ser o destaque principal. Mas sua empolgação, visível em suas expressões e na maneira que empunhava suas guitarras, e a iluminação e som impecáveis, como em “Scratch Boogie” (cujos solos e bases só um mestre poderia executar) e “Crush of Love” (de seu primeiro cd – “Dreaming#11”) encantaram o público. Sua banda de apoio, composta pelo guitarrista Galen Henson, o baixista Matt Bissonette e o batera Jeff Campitelli se mostra competentíssima, criando a atmosfera perfeita para Mr. Satch brilhar. Matt e Jeff por sinal não escondiam a satisfação de estar tocando com Joe.

Eis que Joe apresenta sua “Seven String Guitar” e nos brinda com “Mind Storm” (do novo cd) e “Seven String”, além da super-jam “Mystical Potato Head Groove Thing”. Nesse momento o público se acalma um pouco e começa a prestar atenção aos movimentos de Joe, seja suas expressões faciais ou o fácil domínio que o mesmo exerce em sua guitarra. Muitos comentavam que a guitarra era parte de seu corpo, e quem sou eu para discordar? “Ceremony” (do cd “Crystal Planet”) seria a próxima e o pandemônio recomeçaria quando Satch tocou os primeiros acordes de “Summer Song” (a música mais usada na televisão brasileira e um dos clipes mais legais que eu já vi). O público, que já cantava os solos em muitos momentos, cantou a música toda e cabeças se mexeram e corpos saltaram de empolgação. Depois de “Midnight” e “Starry Night”, Joe vem ao microfone anunciar a música mais pedida em seus shows, mandando “Time Machine” e em seguida a belíssima “Why”.


Mas Joe precisava respirar e Matt e Jeff fazem uma boa jam, com competência e talento, com destaque para o bom solo de baixo de Jeff, que mesclou velocidade e talento (dando uma palhinha de “Garota de Ipanema” – ele confessaria no backstage que não sabia a música toda) e para o curto, porém competente solo de bateria.

Com Satch totalmente recarregado, “Always With Me, Always With You” fez o ATL HALL tremer, com sua beleza. Uma semi jam com “Raspeberry Jam Delta-V” e mais um clássico: “Surfing With The Alien”.

Quando se pensa que está tudo terminado, Mr.Satch e banda retornam e levam mais duas músicas: “House Full of Bullets” (que empolgou o público) e a belíssima “Friends”, aonde Joe disse abertamente, “somos todos amigos”.


Joe, apesar de não ser um guitarrista muito falante, agradecia o tempo todo ao público, e sempre que podia apresentava seus músicos de banda, num gesto de amizade e respeito. O público retribuía, dando a tônica de um grande show.

Terminado o evento, graças a Isabel da Sony Music (THANKS!), estivemos no backstage, aonde encontramos um Satriani totalmente extasiado por um grande show e muito feliz de ter brindado o público carioca com sua melhor performance na cidade. Valeu Joe,Matt, Jeff e Galen, e sobretudo ao público carioca, que respondeu a um grande show com outro melhor ainda.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Joe SatrianiJoe Satriani
Novo álbum traz Glenn Hughes e Chad Smith, turnê do G3

1302 acessosMarcos de Ros: da cartola do Slash aos óculos do Satriani0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Joe Satriani"

Sammy HagarSammy Hagar
Eddie Van Halen é uma piada perto de Satriani?

Michael AnthonyMichael Anthony
Como é trabalhar com Sammy Hagar e Joe Satriani?

Joe SatrianiJoe Satriani
Os álbuns que mudaram a vida do guitarrista

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Joe Satriani"

CuriosidadeCuriosidade
Capas de álbuns com ilusões de ótica

Meet & GreetMeet & Greet
Como os roqueiros de verdade se comportam

E-FarsasE-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?

5000 acessosSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo5000 acessosSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay5000 acessosMetallica: foto rara de formação original do grupo5000 acessosSlipknot: "O mosh se transformou em uma forma de bullying"5000 acessosVisual rocker: é dos carecas que elas gostam mais?5000 acessosIron Maiden: Steve Harris e sua paixão intensa pelo Prog Rock

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online