Formação de Bandas: Pensamentos opostos e técnica precisam combinar?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Edu Leocádio, Fonte: Bandas Nacionais
Enviar correções  |  Ver Acessos

Dentro do ambiente Rock n' Roll, muita gente tenta formar suas primeiras bandinhas e tocar nos festivais locais. Apesar do número enorme de pequenas bandas independentes surgindo, geralmente, o problema está realmente no som que os caras fazem. Cansamos de ver bandas com apenas um integrante realmente dominando o próprio instrumento e, isso é um grande passo para que a banda não avance tanto como deveria avançar.

Bandas: As maiores da história do rock segundo os audiófilosIron Maiden: Rachel Sheherazade é uma grande fã da banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas a questão aqui é outra e queremos te questionar. O que vale mais: Uma banda onde todos os integrantes possuem uma visão de mundo parecida com a sua ou uma banda onde os pensamentos e posições são completamente opostos, mas todos os músicos tocam bem? Há prós e contras em ambos, com possibilidades extremamente negativas, assim como positivas também.

Por exemplo, uma banda onde todos pensam de maneira diferente sobre a vida, mas todos são músicos competentes, talentosos e esforçados, há uma grande possibilidade de sair uma sonzeira das boas em relação a harmonia, melodia, riffs e qualquer outro elemento que possa fazer parte das composições, mas, apesar de música ser som e letra poesia, músicos que pensam diferente do que a letra diz podem se sentir incomodados com as falas, o que com o passar de tempo pode gerar muitos conflitos internos entre a banda. Se eu não me engano, isso ocorreu recentemente com a banda GAROTOS PODRES. Agora, uma banda onde todos pensam e possuem posições parecidas, há grande chance de que as letras não gerem conflitos entre os integrantes, porém, só visão de mundo em comum não faz música!

O correto seria uma dosagem de ambas as coisas, técnica e concordância nas posições dos integrantes, porém, num ambiente tão diversificado como o nosso, é um tanto complicado formar uma banda onde seja possível ter ambas as coisas. Então, apesar de toda esta reflexão, a melhor sugestão é que você toque em tudo o que quiser tocar. Música envolve experiências e contradições de pensamentos também. Pelo jeito, toda a conclusão foi em vão, porém, sugiro que reflita sobre o tema e compartilhe seu ponto de vista nos comentários. Que este post seja um bom espaço para o debate.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Bandas: As maiores da história do rock segundo os audiófilosBandas
As maiores da história do rock segundo os audiófilos

Iron Maiden: Rachel Sheherazade é uma grande fã da bandaIron Maiden
Rachel Sheherazade é uma grande fã da banda


Sobre Edu Leocádio

Nascido em 1996, carioca e meritiense. Guitarrista e violonista cristão. Caminhando no rumo esquerdo da vida.

Mais matérias de Edu Leocádio no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor