Black Sabbath: são os deuses músicos britânicos?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sergio Gattás Bara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A música para mim é a mais perfeita forma para se chegar a Deus. Uma forma de materializar Deus. Entre tantos iluminados estão Beethoven, Milton Nascimento, Mike Oldfield, Marillion, Fish, Chico, Elis e todos aqueles que fazem arrepiar e emocionar, preenchendo nossas almas. São muitos. Mas uma dos mais especiais, profundos e que tem uma conversa com Deus em cada nota, em cada música é o Black Sabbath. Parece irônico que uma banda que foi - erroneamente - tão perseguida por promover o coisa ruim seja para mim uma forma tão próxima de Deus.

1280 acessosTony Iommi: almoço de domingo com Ian Anderson5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

O interessante da minha história com o Sabbath é que ela começa com minha irmã, Nadja, em 1975, quando ela compra o Volume 4 e o Sabotage. Passa também por todos os irmãos. Mário e Alexandre e, em especial, o Zé Eduardo, que, em 1983, me apresenta o Born Again. Até então era radicalmente MPB. Milton, Chico, Beto Guedes etc. e olhe lá!

Numa noite de 83, ouvindo o então novo disco - com Ian Gillan no vocal - no quarto da Nadja, o Zé Eduardo traduziu uma letra que me tocou profundamente e mudou minha forma de ver a vida. Isso me fez buscar a história da banda. Depois veio Marillion, a carreira solo do Ozzy, Rush e outros. Sem nunca abandonar os nossos brasileiros. Comprei tudo. E em uma época que o Sabbath era motivo de chacota. E foi durante muito tempo. O ressurgimento para o grande público veio com as bandas de Seattle - Nirvana, Alice in Chains, Soundgarden além de Metallica, Faith No More, Sepultura e tantas outras que tinham no Black Sabbath - e não nos preciosos Led Zeppelin e Deep Purple - sua principal referência.

Saltando da década de 1980 para a data do show mais esperado da minha vida. E ela era simbólica. 13. De outubro. De 2013. O polêmico e místico número do nome do disco de retorno do Black Sabbath. O show foi absolutamente perfeito. De uma simplicidade desconcertante. De um peso e em uma harmonia exemplares. Nenhuma briga. Um astral altíssimo na Praça da Apoteose (Apoteozzy é perfeito mas reduz muito!). Todos cantando em uníssono. Sem firula alguma. Sem pirotecnias. Emocionante em cada música. Um show baseado no som denso e verdadeiro de quatro caras que eram pobres em Birmingham, Inglaterra, que, desde sempre, desde sua origem, quiseram fazer um som que nunca ninguém tinha feito. E fizeram.

Faziam o que acreditavam - e maravilhosamente continuaram fazendo até hoje. As letras são excelentes e inteligentes. Desde 1970 continuam atuais. São ousados. Eles são únicos pois se propuseram a isso. Tony Iommi e Geezer Butler relatam, por exemplo, que os técnicos, quando ouviam o som da guitarra e do baixo separados, falavam que estava errado. E eles explicavam que o só funcionava mesmo, do jeito que eles queriam, juntos.

Fica aqui meu agradecimento, respeito e admiração por esses 4 (o que inclui o genial Bill Ward - fora de corpo - e por motivos de saúde - mas sempre presente de alma) - que me ajudaram tanto a me aproximar ainda mais de Deus.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Tony IommiTony Iommi
Almoço de domingo com Ian Anderson

1424 acessosTony Iommi: "Valeu a pena desde o 1° dia", diz sobre carreira456 acessosHeavy Lero: a segunda parte da história do Black Sabbath com Dio0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

ObservadorObservador
10 regressos musicais mais memoráveis do século XXI

Collectors RoomCollectors Room
Óculos de Ozzy é um dos ítens da coleção de Almir Figueredo

Ronnie James DioRonnie James Dio
"O Sabbath com Ozzy inventou o Heavy Metal!"

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Nick JonasNick Jonas
Ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

EaglesEagles
O significado da clássica "Hotel California"

KissKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

5000 acessosPresença de Palco: dicas para iniciantes5000 acessosFoo Fighters: Pelo Twitter, banda responde ao vídeo viral5000 acessosTeoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?5000 acessosOzzy Osbourne: "Eu não me lembro de nada dos anos 90"5000 acessosGame of Thrones: a inspiração do Blind Guardian e Hammerfall5000 acessosBobbie Brown: a vida mundana e devassa da musa mor do hard rock

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Sergio Gattás Bara

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online