Slayer: resenha de show em São Paulo no Minuto HM

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Eduardo Bianchi Rolim e Suellen Carvalho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 19/06/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A quinta-feira amanheceu da pior forma em São Paulo para um show: frio e chuva. Sorte que a chuva desistiu no final da tarde de cair e a situação melhorou.

1497 acessosSlayer & Yoko Ono: e não é que funciona?5000 acessosCornos do Rock: a dor e o peso do chifre em três belas canções

A casa recebeu um ótimo público, pois os (poucos) ingressos que ainda estava sendo vendidos no dia do show se esgotaram. Entretanto, a casa demorou para liberar a entrada da galera, já aglomerada nas filas, o que fez com que muita gente perdesse parte do show de abertura da noite, do Korzus – inclusive nós.

Entretanto, ao finalmente entrarmos, nos surpreendemos (positivamente) com o VOLUME do som do Korzus. Estava EXCELENTE, estava fazendo os ouvidos SANGRAREM. Ficamos, claro, muito felizes com isso, mal conseguíamos nos fazer ouvir. Logo pensamos: “se está assim na abertura, quando o Slaaaaayyyeeeerrrr entrar, os ouvidos derreterão”. Ledo engano que será detalhado ao longo da resenha.

A banda brasileira, pelo pouco que vimos, mostrou estar em grande forma e foi muito aplaudida pelos presentes, deixando o palco ovacionada, algo raro hoje em dia para bandas de aberturas – mas mostra o carisma que eles conseguiram ao longo dos anos na cena.

Era hora de nos prepararmos, afinal, nunca havíamos visto a banda ao-vivo. A Suellen resolveu se preparar comprando algumas cervejas Itaipava por “módicos” R$ 7,00. Na boa, isso deveria ser proibido – é muita exploração.

De verdade, estávamos um pouco tensos pois era um show sem divisão de pistas e não sabíamos direito o que esperar – outro engano que será detalhado no texto.

Com poucos minutos (hm) de atraso, veio o apagar das luzes. Aquele maravilhoso apagar das luzes que faz com que todo o sacrifício, toda a grana investida, problemas do dia, entre outras coisas, deixem de ser relevantes. A introdução de World Painted Blood, música do último trabalho dos caras e da respectiva tour é dada, a bandeira da banda é iluminada. Vai começar! Vê-se algumas rodas se abrindo em alguns pontos da pista e o público saudando a banda gritando SLAYER! SLAYER! SLAYER! Maravilhoso. Era um Big Four que estaria por ali.

A banda toma o palco e a começa. Vale lembrar neste momento da ausência do guitarrista Jeff Hanneman na noite, sendo substituído por Gary Holt, do Exodus – que, por sinal, fez um excelente trabalho.

O show tem início com a já citada World Painted Blood, uma excelente música de abertura, aliás, seguida de Hate Worldwide, também do último trabalho da banda. Muito legal a participação dos fãs nestas canções mais recentes, berrando os refrões de forma empolgada – ainda que World Painted Blood nem seja um trabalho tão recente assim uma vez que foi lançado em 2009.

Até aí, tudo certo. Mas, ué, cadê aquele espetacular som? A banda começa a tocar e parece que dormiram na mesa de som com o botão VOLUME DOWN apertado. O som estava muito mais baixo do que a instantes atrás com o Korzus e, apesar de uma leve melhora na segunda música, continuou baixo, frustrando estes que vos escrevem.

Primeira pausa do show, Tom Araya agradece os gritos de “Slayer, Slayer” e pergunta para a platéia “Are you ready?” seguido de um grito de “Waaaaaaaaaar”. É a deixa para o riff matador de War Ensemble, música que abre o clássico de 1990, Seasons In The Abyss. Neste momento é uma pena o som não estar tão matador quanto à música.

No ápice do solo final, o som do Via Funchal simplesmente desaparece! Porém a banda permanece tocando, totalmente alheios ao acontecimento. E mesmo nesta situação em que não há som nenhum é impressionante ser possível ouvir de onde estávamos (quase nas últimas fileiras) Dave Lombardo espancando seu kit de bateria. E ouvir com clareza!!! É possível ouvir até mesmo Kerry King arregaçando as cordas de sua guitarra!

No último refrão, o público mostra o porquê de São Paulo ser a capital do Heavy Metal no Brasil, cantando em uníssono “Sport the waaaar…. War suppooooort…” deixando os quatro integrantes da banda bastante emocionados.

Veja a sequência desta detalhada resenha do show, acompanhada de fotos e vídeos, no Minuto HM:

http://minutohm.com/2011/06/15/cobertura-minuto-hm-–-slayer-...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Kerry KingKerry King
Guitarrista revela qual a sua música favorita do Metallica

1497 acessosSlayer & Yoko Ono: e não é que funciona?839 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores929 acessosBody Count: divulgado videoclipe de covers do Slayer771 acessosBody Count: veja o vídeo para "Raining Blood", do Slayer0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slayer"

SlayerSlayer
Banger que enfrentou furacão conta como surgiu a ideia

NoisecreepNoisecreep
As dez melhores canções de Metal (e Hard) dos 80s

SlayerSlayer
Tom Araya revela seus ídolos do baixo

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"

Cornos do RockCornos do Rock
A dor e o peso do chifre em três belas canções

RodolfoRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

Mamonas AssassinasMamonas Assassinas
Músicos já sabiam que iam morrer?

5000 acessosRammstein: "Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann5000 acessosVídeo: ex-rockeiro explica o real significado da mão chifrada5000 acessosGuitarristas: E se os mestres esquecessem como se toca?5000 acessosPink Floyd: tudo sobre "Another Brick in the Wall"5000 acessosLemmy: 65 anos com "o fígado de um recém-nascido"5000 acessosGibson: os 10 riffs mais incríveis dos anos 80

Sobre Eduardo Bianchi Rolim e Suellen Carvalho

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online