Minuto HM na Califórnia: Hollywood Walk Of Fame e Capitol Records

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eduardo Bianchi Rolim, Fonte: Minuto HM, Press-Release
Enviar Correções  

publicidade

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Saudações, galera,

Vamos dar um novo passeio por Hollywood e sua famosa Hollywood Boulevard (Blvd), a rua mais famosa da Califórnia. Quer queira, quer não, é impossível não frequentar essa rua quando na região de Los Angeles. Ela não somente traz as mundialmente conhecidas atrações, como concentra boa parte da diversão.

publicidade

Ainda do Brasil, fiz uma pesquisa sobre as estrelas da calçada mais famosa do mundo, criada na década de 50, e achei uma lista com o numeração de cada uma delas. Além das 15 quadras da Hollywood Blvd, também há estrelas em 3 quarteirões da Vine Street, famosa por ser a rua de um dos prédios mais importantes da Califórnia: o que abriga a famosa Capital Records.

publicidade

Como curiosidade, as estrelas individuais dos membros do Beatles, por exemplo, não ficam na rua principal. Elas ficam exatamente na Vine Street, em frente ao Capitol. Entretanto, em uma das extremidades da Boulevard e em destaque, com o mini-jardim perto, está a estrela "The Beatles".

Confesso que ficar vendo as estrelas só é legal mesmo na hora que você está lá e fiz bem de ir direto aos pontos de interesse com minhas anotações. Aqui, neste post, através das fotos, trarei apenas as relacionadas com música, mas claro que vi as outras. De qualquer forma, ao mesmo tempo que é engraçado ver as pessoas do mundo inteiro andando olhando apenas para o chão, em 5 minutos uma pessoa mais agitada pode achar aquilo chato demais. No meu caso, não fiquei tão entediado pois a rua possui muito mais que as tais estrelas.

publicidade

Já a "Capitol Tower" é realmente lindíssima e, infelizmente, não consegui entrar no prédio, mesmo tendo passado por lá em um dia de semana (e durante o dia). De qualquer forma, foi mágico presenciar este lindo e imponente prédio, tão importante para a história da música. Hoje pertencente a Universal Music Group, a Capitol Records foi fundada em 1942 (período da Segunda Guerra).

publicidade

Já nos anos 50, a britânica gravadora EMI comprou a Capitol e, para fazer frente ao Abbey Road, da Inglaterra, construiu esta famosa torre na Vine Street e, ao longo do tempo,o selo foi ganhando um ar cada vez mais londrino – uma clara referência que os fãs de Beatles reconhecem, com seu design parecido com um vinil no topo. A arquitetura da "Capital Tower", em seus 13 andares, impressiona, além de ter sua estrutura preparada para resistir a tremores.

publicidade

Após a explosão do Fab Four e da cena britânica dos anos 60, os Beatles assinaram com um "selo irmão" da EMI (Parlophone), até finalmente, em 1963, a Capitol exercer sua opção e usufruir da Beatlemania a partir de 1964 (aliás, o "With The Beatles", quando lançado aqui no Brasil pela EMI-Odeon, assim como no Canadá, saiu com o título de "Beatlemania"). A Capitol Records finalmente "acordava" para o rock and roll para se tornar a primeira distribuidora americana de artistas como Beach Boys, Grand Funk Railroad, Pink Floyd, além dos Beatles e os discos solos dos membros da banda.

publicidade

Em 1976, a EMI terminou de adquirir a Capitol em 100% das ações e criar 2 selos alternativos: EMI America Records e EMI Manhattan Records. Mas, com a recente e enorme crise da EMI dos últimos anos, neste ano de 2012 a operação foi vendida para a Universal.

O selo traz, ao longo de tantas décadas, muitas polêmicas desde a época da censura. Os Beatles, claro, são os mais "afetados" em relação aos originais da Inglaterra. Além disso, há polêmicas envolvendo a forma como os discos eram distribuídos, quanto a forma que os engenheiros americanos tentavam reproduzir as músicas em 2 canais (a famosa época do nascimento do estéreo), sendo que os fãs americanos podiam ouvir as músicas dos Beatles como ninguém mais no mundo.

publicidade

Mais recentemente, as polêmicas continuaram, como nos casos do Pink Floyd e seu primeiro disco, The Piper At The Gates Of Dawn e o primeiro single que fez sucesso, See Emily Play, com a remoção de músicas sem sentido; o Iron Maiden e seus dois primeiros discos, o homônimo e o Killers, com as polêmicas com Sanctuary e Twilight Zone. Além disso, o Risk, do Megadeth, possui trechos de guitarras nunca autorizados por Mustaine e, como consequência, temos o "Capitol Punishment: The Megadeth Years", com a faixa escondida chamada "Capitol Punishment", com vários trechos de músicas do Megadeth em um interessante medley.

Mas voltando a falar da experiência na região em termos de turismo, nem tudo são flores e acho válido registrar por aqui. A Hollywood Blvd "morre" quando anoitece e você sai das suas principais quadras – normalmente as quadras mais próximas ao "centro", que posso considerar a região da Hard Rock / Chinese Theater. Depois das 22h00, já de noite mesmo no verão californiano e com grande parte dos turistas já não andando por tudo (ou com eles dentro dos restaurantes, shoppings e cinemas), andar uma quadra para cima ou para baixo da Hollywood Blvd pode ser apavorante até para quem, como eu, está acostumado com a sensação de insegurança de São Paulo em seus piores lugares.

O início da madrugada na região dá medo, e pude ver isso de perto em mais de uma oportunidade: é impressionante a quantidade de carros de polícia em buscas, prostitutas, drogas e tudo mais na região. Quando fui na primeira noite sozinho para a Vine Street, caminhando, não tive CORAGEM de entrar na rua – e olha que eu não tenho medo de andar por lugares assustadores em São Paulo. Muita escuridão e muita gente, digamos, "estranha". Voltei para o carro, que estava estacionado 2 quarteirões para cima da Hollywood Blvd e, já no carro, na própria Hollywood Blvd, voltei a passar um apuro com um carro de polícia dando um "cavalo de pau" na minha frente, como se fosse bater de frente comigo e desviando no último segundo.

O que parece até emocionante, confesso, na hora não tem nada de legal. A violência de todos os tipos por lá é muito clara e só não vê quem fica no tal "centrinho", que realmente nada acontece. Los Angeles é sim uma cidade caótica e mesmo não sendo o propósito deste blog falar deste tipo de coisa, acho que vale o registro. Assim, evite estar sozinho e de madrugada fora dos locais principais da Hollywood Blvd, principalmente a pé.

Para ver uma grande galeria de fotos e mais links e curiosidades, como a música do Megadeth, acesse a matéria original no Minuto HM:

http://minutohm.com/2012/12/29/minuto-hm-na-california-hollywood-walk-of-fame-e-capitol-records-building/

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

Whiplash.Net: Como enviar conteúdo ou se tornar um colaborador do siteWhiplash.Net
Como enviar conteúdo ou se tornar um colaborador do site


Sobre Eduardo Bianchi Rolim

Paulistano, nascido em 1982, bacharel em Sistemas de Informação pelo Mackenzie e pós-graduado em Administração de Empresas (CEAG) pela FGV. Tem como paixão as bandas Iron Maiden e MetallicA, mas é fã de rock e metal internacional em geral. Alguns hobbies são: acompanhar o time do coração, Corinthians; doente por Back To The Future e Indiana Jones; viajar; Playstation; jogar o eterno Duke Nukem 3D. Carros em geral e F1 em especial. Tudo que pode ser relacionado à tecnologia (software e hardware). Ama os velhos receivers valvulados e aquelas maravilhosas caixas pesadas e potentes. Fã do Whiplash desde os primórdios. Criador e administrador do Minuto HM (www.minutohm.com), o blog da família do Heavy Metal (Twitter: @minutohm).

Mais matérias de Eduardo Bianchi Rolim no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin