Revivendo o depois: ensaio sobre o novo punk rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gugu Queirós, Fonte: Taverna Estelar
Enviar correções  |  Ver Acessos

Entender a genealogia de um gênero musical é uma tarefa exaustiva e em alguns casos inviável. Mas sendo a música uma criação humana, ela perpassa e explora diferentes aspectos da culturalidade, e isso por si só é trabalho para todo um campo científico (como a Etnomusicologia ou a História Social da música). Estando ciente dessa complexidade recorro a um recorte categórico e temporal: o gênero do Rock Punk em seus 50 anos de existência.

The Beatles: e se os quatro estivessem vivos e juntos em 2030? (vídeo)Death Metal: as 10 melhores (ou piores?) capas do estilo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Qual a primeira banda punk?

Impossível definir. Os aspectos agressivos e simplistas que permeiam o estilo já estavam presentes nos anos 1960 (período auge da contra-cultura em que músicas complexas começavam a dominar o cenário do rock com os últimos álbuns dos BEATLES e o Rock Progressivo). Nesse contexto não se pode deixar de pontuar THE STOOGES. Denominados como Proto-Punk eles surgiram em 1967 com uma agressividade que espantava até mesmo o público mais jovem. IGGY POP, vocalista do grupo, anos mais tarde afirmou que a banda além de preconizar o Heavy Metal poderia ser facilmente definida como Thrash Metal (em entrevista no livro Barulho Infernal). O fato é que THE STOOGES influenciou toda uma safra de grupos nas décadas seguintes. O grunge dos anos 1990, o metal dos anos 1980 e o Punk Rock emergente em 1970.

Podemos entender o Punk como uma ressaca dos anos 60. O período do paz e amor, a efervescência da contra-cultura não alcançou seus objetivos de uma pacificidade mundial. O capitalismo ganhou ainda mais força, a Guerra Fria se mantinha, bem como a Guerra do Vietnam e a Crise Enérgetica. Na Inglaterra uma crise econômica se desenvolve na primeira metade dos ano 70, intensificada com o empréstimo do país ao FMI em 1974.

O clima de tensão que os jovens desse período viviam davam margem para sentimentos de descrença e rancor ao conservadorismo. É com essa climática que RAMONES nos EUA e SEX PISTOLS na Inglaterra ganham destaque com suas composições simples e ousadas. (No Brasil ganha atenção a cena de Brasília que propiciou ABORTO ELÉTRICO, PLEBE RUDE e CAPITAL INICIAL).

Mas com os anos 1980, o cenário internacional da música se diversifica ainda mais. O Metal ganha forma, o Disco se populariza de vez (é o auge de grupos como ABBA e CHIC), e emerge o PÓS-PUNK. Com uma sonoridade mais experimental e de pegada mais pop (que acaba preparando o terreno para o Rock Alternativo e a New Wave), teve como grandes expoentes THE SMITHS, THE CURE, JOY DIVISION e aqui no Brasil, a LEGIAO URBANA.

No século XXI, todavia, percebemos um retorno estilístico em vários gêneros. O Heavy Metal ganhando outra roupagem no Nu Metal, as estruturas de blues no New Pop (BEYONCÉ, ARIANA GGRANDE e ALICIA KEYS), e esse cenário do Pós-punk é trazido de volta com o REVIVAL PÓS-PUNK.

Há vários grupos que podemos encaixar nesse subgênero, como THE WHITE STRIPES, FRANZ FERDINAND, THE STROKES. Mas prefiro trazer a tona duas bandas, ARCTIC MONKEYS e THE DRUMS.

ARCTIC MONKEYS cresce dentro do cenário comumente definido como Indie (música independente) com a gravadora Domino Records (que produziu também FRANZ FERDINAND e a banda THE KILSS), com Whatever People Say I Am, That's What I'm Not, álbum de estreia, a banda se notabiliza alcançando o top das paradas em diversos países.

O disco contém os elementos mais fortes de revival-pós-punk e de rock de garagem, dada a formação da banda com duas guitarras, baixo, bateria, vocal e vocal de apoio, e riffs simplistas que acompanham o compasso das composições. É o caso na faixa que abre o álbum, The View From The Afternoon. (lembrando a sonoridade de No One Knows de QUEENS OF STONE AGE)

Esse elemento de riff base é marcante no punk como um todo, desde STOOGES, RAMONES, THE SMITHS (What Difference Does It Make? é um ótimo exemplo), e Joy Division (She's Lost Control é icônica por seu riff que acompanha toda a canção)

Do I Wanna Know?, hit de ARCTIC MONKEYS, recebe seu tom de arranjo com o riff de introdução, e a mesma estrutura pode ser ouvida em Arabella, ambas canções do disco AM. (modelo que a banda brasileira MOPTOP faz em Sempre Igual, em História Pra Contar e O Rock Acabou).

THE DRUMS, hoje considerada uma banda Indie Pop, também se notabilizou com essa estrutura de composições que remetem ao pós-punk oitentista. A própria sonoridade eletrônica que o grupo enfatiza em seu último album, Brutalism, se aproxima consideravelmente da New Wave.

Portamento, segundo disco do grupo (e para mim o mais consistente musicalmente) é uma verdadeira homenagem a sonoridade do pós-punk, uma mescla moderna de THE SMITHS e JOY DIVISION. O álbum abre com Book of Revelation demonstrando um traço marcante das letras da banda, a repetição de sentenças, que por sua vez acompanham o arpejo de guitarra (propositalmente fora do tom) e palmas, além do uso massivo do baixo como norteador dos riffs principais. Elemento esse que fica evidente nas músicas Days e Money (esta ultima se dividindo entre guitarra e baixo).

Todavia, o álbum se destaca por essa circularidade entre elementos do revival do punk e da new wave, uma espécie de mistura de THE CURE e NEW ORDER.

Apesar de tais grupos fazerem uso considerável da musicalidade dos anos 1980, não deixam de inovar e trazer sua própria marca, tantos em seus riffs principais, experimentalismo e letras, que por sua vez demonstram as dificuldades contemporâneas de relações humanas. E o fato de tais grupos fazerem um sucesso notável, faz crer que o punk ainda tem muita lenha para queimar, além de ser o provável gênero do rock ainda com mais evidencia no mercado fonográfico.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Beatles"Todas as matérias sobre "Stooges"Todas as matérias sobre "Ramones"Todas as matérias sobre "Arctic Monkeys"Todas as matérias sobre "Joy Division"Todas as matérias sobre "New Order"Todas as matérias sobre "Mop Top"


The Beatles: e se os quatro estivessem vivos e juntos em 2030? (vídeo)The Beatles
E se os quatro estivessem vivos e juntos em 2030? (vídeo)

Beatles e Stones: todos os LPs e compactos que saíram no Brasil

John Lennon: como ele seria se estivesse vivo em 2030John Lennon
Como ele seria se estivesse vivo em 2030

Alta Fidelidade: o rock censurado na BBCBeatles e Nirvana: o que acontece se juntar "Day Tripper" com "About A Girl"?

Chitãozinho e Xororó: eles citam Beatles como uma de suas grandes influênciasChitãozinho e Xororó
Eles citam Beatles como uma de suas grandes influências

Fusca: Volks se despede do carro com emocionante música dos BeatlesFusca
Volks se despede do carro com emocionante música dos Beatles

Viralizou: mulher grita deixa eu escutar Beatles para pregadora em metrôViralizou
Mulher grita "deixa eu escutar Beatles" para pregadora em metrô

Greta Van Fleet: Danny Wagner diz que suas influências vão além de Bonham e cita nomesGreta Van Fleet
Danny Wagner diz que suas influências vão além de Bonham e cita nomes

Beatles: Unboxing da recente box-set com todos os singles

BBC: as canções com maior poder de cura da históriaBBC
As canções com maior poder de cura da história

The Beatles: Algumas questões a respeito da temática luciféricaThe Beatles
Algumas questões a respeito da temática luciférica


Death Metal: as 10 melhores (ou piores?) capas do estiloDeath Metal
As 10 melhores (ou piores?) capas do estilo

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?


Sobre Gugu Queirós

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336