Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemHalford relembra o dia que caiu em pegadinha armada por Tony Iommi e Geezer Butler

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira


Stamp

Nirvana: por que eles fizeram sucesso antes do Pearl Jam, segundo Stone Gossard

Por Igor Miranda
Em 10/04/21

O Pearl Jam e o Nirvana lançaram seus álbuns de maior sucesso, respectivamente "Ten" e "Nevermind", em datas muito próximas - entre agosto e setembro de 1991. A primeira banda levou algum tempo para estourar, enquanto a segunda registrou ótimas vendas logo de cara.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com o passar do tempo, o sucesso de ambos foi equilibrado: tanto "Ten" quanto "Nevermind" venderam milhões de cópias no mundo todo. Os álbuns receberam até certificação de diamante nos Estados Unidos, por ultrapassarem as mais de 10 milhões de unidades comercializadas no país.

Por que, então, o Nirvana conseguiu fazer sucesso mais rapidamente que o Pearl Jam? O guitarrista Stone Gossard refletiu sobre o assunto em entrevista ao Audio Ink Radio.

O assunto veio à tona porque a entrevista tinha um caráter bem nostálgico. Gossard estava falando sobre o relançamento de um álbum do The Living, banda de post-punk vinda de sua cidade natal, Seattle. O trabalho, intitulado "The Living: 1982", será divulgado no próximo dia 16 de abril pela Loosegroove Records, selo do próprio Stone.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O The Living trazia Duff McKagan (famoso baixista do Guns N' Roses) na guitarra, John Conte no vocal, Greg Gilmore (futuro baterista do Mother Love Bone, banda que trazia Stone Gossard na formação) na bateria e Todd Fleischman no baixo. O projeto foi um embrião da sonoridade típica de Seattle.

Durante a entrevista, Stone Gossard foi perguntado se o sucesso do Pearl Jam o surpreendeu, já que bandas como o The Living e o Mother Love Bone nunca estouraram. "Sim! (Risos) Tudo foi uma surpresa. Você sai do ensino médio, começa a sonhar em estar nas bandas e tudo o que quer fazer é poder excursionar ou vender alguns discos. É muito divertido. É como se não houvesse nada mais empolgante do que tocar e estar com seus amigos, curtindo, compondo riffs e letras, criando capas de discos", respondeu, inicialmente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O músico, então, seguiu com sua reflexão: "Com isso, você pode criar um trabalho, uma renda para si, mas também é algo que te deixa animado. Isso aconteceu com o Pearl Jam, mas começou com o Mother Love Bone. A banda Green River começou a rolar rapidamente e eu logo estava sendo recompensado por apenas estar curtindo por aí".

O entrevistador, então, citou que estava conversando com Greg Gilmore sobre as bandas daquele movimento. O baterista revelou ter ficado surpreso com o sucesso do Soundgarden e do Nirvana, mas não com o êxito do Pearl Jam, pois sentia que havia algo especial ali.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Stone Gossard, curiosamente, não vê da mesma forma. Para ele, seria mais natural que o Nirvana e o Soundgarden fizessem sucesso mais rapidamente. O motivo, em sua visão, é que a sonoridade dessas bandas, especialmente do Nirvana, é mais simples - não de uma forma pejorativa - que a do Pearl Jam.

"Hmmm, é interessante. Estávamos ouvindo o Soundgarden, e o Nirvana para mim era tipo... assim que comecei a ouvir os discos deles, fiquei tipo 'oh meu Deus'. Porque há uma natureza e uma simplicidade no Nirvana, uma franqueza e um tipo próprio de dinâmica, que é bem enraizada no blues. Para mim, era como: 'oh meu Deus, isso é garantido'", declarou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em contrapartida, na opinião de Stone Gossard, o Pearl Jam apostava em uma pegada mais complexa. "Para mim, o Pearl Jam era mais complexo. Não era algo que estava sendo feito ainda. E não era só uma coisa. Foi meio que um monte de coisas que se juntaram. Eu não tinha certeza do que iria acontecer com a banda", afirmou.

O guitarrista não chega a mencionar, mas outro ponto que pode ter sido crucial para o sucesso do Soundgarden e especialmente do Nirvana em um âmbito mais acelerado com seus álbuns de 1991 era a experiência dessas bandas. Os dois grupos existiam há mais tempo que o Pearl Jam e chegaram a lançar álbuns no fim da década de 1980.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No caso do Pearl Jam, "Ten" era seu álbum de estreia - e nem todos esperam fazer tanto sucesso com seu primeiro trabalho. Os músicos se conheciam de outros projetos, especialmente Stone Gossard e o baixista Jeff Ament, que tocaram juntos no Mother Love Bone, mas aquele grupo em especial existia há apenas um ano quando "Ten" foi gravado.

imagemPearl Jam: Eddie Vedder relembra rivalidade com Nirvana e críticas de Kurt Cobain

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.