Resenha: A história não contada do Motörhead, de Joel McIver

Resenha - A história não contada do Motörhead - Joel McIver

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Natália Ribeiro, Fonte: Metal Ground
Enviar correções  |  Comentários  | 

O prefácio do livro é escrito por outro personagem ilustre do rock n’ roll, Sir. Glenn Hughes, Deep Purple, Black Sabbath, Black Country Communion … declarando sua admiração por Lemmy e corroborando a ideia de que o vocalista do Motörhead é o próprio rock n’roll personificado.

5 acessosEm 22/11/1980: Motorhead lança o EP Beer Drinkers And Hell Raisers5000 acessosHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gênero

Nota: 9,25

A divisão dos capítulos foi feita de forma cronológica, começando antes de 1971, até 2011, ano em que foi lançado pela primeira vez lá fora. Embora o livro seja organizado de forma linear, a história da banda, em termos de sucesso e reconhecimento, traça um caminho bastante tortuoso, são vários bons e maus momentos e isso só faz crescer minha admiração.

O que o livro deixa claro é o que o Motörhead sempre procurou seguir seus instintos e sua intuição, apesar de hoje terem conquistado seu lugar no hall de “banda para a eternidade”, a história mostra que a banda sofreu duros golpes das gravadoras e da “indústria” da música. É como se eles não quisessem o Motörhead lá, mas tinham que engoli-los, e o sabor não era nada agradável.

Até hoje o Motörhead é uma banda que faz parte do mainstream, mas dispensa esse glamour por saber o que tudo aquilo representa e o quanto aquilo custa. Lemmy não gosta da ideia de “rock star”, ele toca porque é aquilo que ama fazer e vive disso há quase 50 anos. Ele sabe que não existe nenhum glamour em dormir em vans fedorentas, usar roupas sujas e se alimentar mal. É claro que hoje em dia a banda não passa mais por isso, mas ele tem plena consciência de que o Motörhead só é o que é hoje porque já passaram muito por isso.

Boa parte do livro é dedicada à Lemmy, assim como tudo relacionado ao Motörhead. Prepotência? Eu não diria isso. Sempre que tem a chance Lemmy fala da importância de seus colegas de banda e deixa claro que todo dinheiro que ganham com o Motörhead é divido igualmente.

Foi ele quem sempre esteve lá, sempre foi o cara mais velho e mais experiente da banda, não que isso queira dizer algo sobre como ser um líder, mas Lemmy sempre esteve lá não só para o Motörhead, mas também para o próprio rock n’roll. Em 1957, com 12 anos, teve contato com Bill Haley com “Rock Around The Clock”, que não o impressionou muito, foram Little Richard, Jerry Lee Lewis, Chuck Berry e Fats Domino que o fizeram perceber que “algo” estava acontecendo e que poderia mudar a sua vida.

“Eu ia ser criador de cavalos, que era o meu sonho. Mas então eu ouvi Little Richard e literalmente tudo mudou.”

Parece algo que existe dentro de nós, correndo em nosso sangue e que fica adormecido, até que seja acionado por algo e nosso corpo e mente passam a encarar o mundo de uma outra forma. Não parece algo que vem de fora para dentro, mas sim um sentimento que vem de dentro para fora.

“‘Que diabos é isso?’, e todo mundo mudou… Lembro-me de antes disso: era tudo terrível antes do rock’n’roll”.

Daí ele dormiu no sofá da casa da mãe do John Lord, foi roadie do Jimi Hendrix, tocou no Hawkwind, montou o Motörhead, tentou ensinar alguma coisa de baixo para o Sid Vicious, excursionou com Dio, escreveu músicas para Ozzy Osbourne e teve o Metallica tocando em sua festa de aniversário surpresa, com todos os integrantes vestidos de Lemmy.

O Motörhead nunca fez parte de nenhuma tendência, talvez por isso tenha sobrevivido a todas elas. Durante anos a mídia tentou rotulá-los de algo, e lá se foi o Punk, a NWOBHM, o Thrash Metal, o Grunge o New Metal… e o Motörhead continua.

“Somos uma das poucas bandas que nunca vai deixar você decepcionado. Sempre fomos fiéis a tudo que acreditamos.”

Os 25 avos descontados na nota desta resenha é uma implicância como subtítulo “a história não contada”, pois na verdade o que temos é um trabalho minucioso de McIver em organizar relatos e entrevistas de diversas fontes num recorte de tempo de mais de 40 anos.

Esse livro é um pedaço significativo da história do rock.

Titulo: A história não contada do Motörhead

Preço Capa: R$44,90
http://www.idealshop.com.br/a-historia-nao-contada-do-motorh...

ISBN: 978-85-62885-19-8

Ano: 2013

Páginas: 276

Tradução: Renato Puppi Munhoz

Autor: Joel McIver

Editora: Edições Ideal

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de junho de 2014


Banda de aberturaBanda de abertura
Para quem seu grupo favorito abria shows?

5 acessosEm 22/11/1980: Motorhead lança o EP Beer Drinkers And Hell Raisers21 acessosEm 08/11/1980: Motorhead lança o álbum Ace of Spades0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

Pré-Guitar HeroPré-Guitar Hero
Os primeiros rockstars em video-games

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
Família contratou empresa especializada para criar sua urna

SoundcheckSoundcheck
Bandas que mandam bem até na passagem de som

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"


Hard RockHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

MulheresMulheres
As bandas mais famosas em suas versões femininas

GuitarraGuitarra
Ouça o riff mais popular de todos os tempos

5000 acessosSteven Tyler: "nunca esquecerei a audição para o Zeppelin"5000 acessosDia do Rock: dez tentativas brasileiras de assassinar o gênero5000 acessosTop 5 Pantera: About.com elege os cinco melhores álbuns da banda5000 acessosSepultura: Uma entrevista sincera e reveladora para Gastão Moreira5000 acessosDuff McKagan: "eu cheirei meu peso em cocaína"4575 acessosLemmy: "Em dois anos vou ter 70! Como isso foi acontecer comigo?"

Sobre Natália Ribeiro

Editora do canal Metal Ground e do blog Rockalogy (desde 2009). Formada em Estudos de Mídia na Universidade Federal Fluminense, participante em diversos artigos e pesquisas ligadas ao heavy metal.

Mais matérias de Natália Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online