A Autobiografia - Eric Clapton

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9


Independentemente do fato de concordarmos ou não com as célebres pixações “Clapton is God” (“Clapton é Deus”) que surgiram em Londres no fim dos anos 60, o fato é que esse inglês de aparência pacata vem se mantendo com grande sucesso no mercado musical já há quase cinco décadas. Boa parte dessa história é contada, de forma bastante eficiente por sinal, em sua autobiografia, lançada no Brasil (em português, portanto) pela Editora Planeta.
3010 acessosEric Clapton: guitarrista pesca salmão de 12,7 kgs5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha

Talvez poucos músicos tenham feito de forma tão perfeita a transposição entre o blues e o rock quanto Eric Clapton. Tendo participado de grupos seminais como The Yardbirds (do qual fizeram parte também Jeff Beck e Jimmy Page), John Mayall’s Bluesbreakers e Cream (junto a dois outros monstros sagrados, Jack Bruce e Ginger Baker), de projetos breves mas que marcaram a história da música de forma indelével, como Derek And The Dominos (com Duane Allman, da Allman Brothers Band) e Blind Faith (com Steve Winwood, do Traffic), e tendo desenvolvido desde então uma carreira solo de grande sucesso, Clapton certamente tinha muita estória para contar. E contou, sob sua perspectiva, neste livro.

É importante frisar que o enfoque principal do livro não é o aspecto musical de sua carreira, mas sim o aspecto pessoal. Claro, a música está sempre presente na narrativa, e não poderia deixar de ser, mas o que transparece é mesmo que o guitarrista tinha uma espécie de necessidade de botar pra fora todos os seus demônios, meio que num processo de “limpeza geral” que a sua vida vem sofrendo nos últimos anos. De qualquer forma, é fascinante entender como uma personalidade como a de Clapton vai sendo moldada ao longo dos anos, e vários nomes que vão surgindo são, obviamente, bastante conhecidos: Chris Farlowe, John Lennon & Yoko Ono, George Harrison, Mick Jagger, Ron Wood, Roger Waters, Phil Collins, Albert Lee, Bob Dylan, Mick Fleetwood, John McVie, Alexis Korner, Jimi Hendrix, além de todos os citados acima, é lógico. Não deixar de ser um relato (ou pelo menos uma visão) de como a cena rhythm’n’blues e, depois, blues/hard rock, foi formada na Inglaterra especialmente.

Clapton passa a idéia de nunca ter inteiramente compreendido toda a veneração por seu nome, manifestando uma reação dupla em relação a isso, por vezes negando-a e por vezes simplesmente aproveitando o momento. Estórias como a da pixação de “Clapton is God”, ou de como surgiu seu apelido “slowhand” (“mão lenta”), ou sobre sua paixão por Pattie Boyd (esposa de George Harrison), são narradas no livro, de certa forma desmistificando a sua figura. Sua visão pessoal da cena inglesa (e norte-americana) do final dos anos 60 e início dos 70 nos ajuda a melhor compreender como tudo se desenrolou. Ele cita, por exemplo, que seu estilo diferia do de Page e Beck pois eles eram mais influenciados pelo rockabilly, enquanto que ele tinha raízes mais profundas no blues.

Chega a ser impressionante (e louvável) a forma extremamente sincera com a qual Clapton trata no livro de temas polêmicos, como o consumo de drogas e álcool de forma desenfreada, quase o matando em algumas ocasiões, entre outras questões. Vários dos relatos são oriundos de anotações de seu próprio diário.
Tragédias não ficaram de fora, como a morte de seu filho Conor, assim como as de Jimi Hendrix e Stevie Ray Vaughan.

Não é um livro pequeno (são quase 400 páginas), mas é uma leitura tão fluida e fácil, que de forma alguma se torna cansativa. Mais um trabalho bem feito de um artista que dá a si próprio menos créditos do que merece (e do que recebe dos outros).

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Eric ClaptonEric Clapton
Guitarrista pesca salmão de 12,7 kgs

586 acessosTopsify: Ed Sheeran confirma que Eric Clapton toca em "Dive"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Eric Clapton"

Guitar WorldGuitar World
Os melhores solos de guitarra de todos os tempos

SoloSolo
10 artistas que se lançaram em carreiras bem sucedidas

Stones, Led, Nazareth e outrosStones, Led, Nazareth e outros
Rockers que já gravaram Reggae

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Eric Clapton"

HumorHumor
O dia em que Steve Vai foi humilhado por Chimbinha

Total GuitarTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

Collectors RoomCollectors Room
Baixos, guitarras, calcinhas, e máquina de pinball do Kiss?

5000 acessosGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?5000 acessosThe Wall - Uma obra de arte conceitual3208 acessosRaimundos: veja HQ baseada na letra de "Puteiro em João Pessoa"5000 acessosOasis: Liam Gallagher o melhor vocalista de todos os tempos5000 acessosAeroblus, o maior power trio latino americano

Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D’Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online