Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

A Autobiografia - Eric Clapton

Por Rodrigo Werneck
Postado em 27 de janeiro de 2009

Nota: 9

Independentemente do fato de concordarmos ou não com as célebres pixações "Clapton is God" ("Clapton é Deus") que surgiram em Londres no fim dos anos 60, o fato é que esse inglês de aparência pacata vem se mantendo com grande sucesso no mercado musical já há quase cinco décadas. Boa parte dessa história é contada, de forma bastante eficiente por sinal, em sua autobiografia, lançada no Brasil (em português, portanto) pela Editora Planeta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Talvez poucos músicos tenham feito de forma tão perfeita a transposição entre o blues e o rock quanto Eric Clapton. Tendo participado de grupos seminais como The Yardbirds (do qual fizeram parte também Jeff Beck e Jimmy Page), John Mayall’s Bluesbreakers e Cream (junto a dois outros monstros sagrados, Jack Bruce e Ginger Baker), de projetos breves mas que marcaram a história da música de forma indelével, como Derek And The Dominos (com Duane Allman, da Allman Brothers Band) e Blind Faith (com Steve Winwood, do Traffic), e tendo desenvolvido desde então uma carreira solo de grande sucesso, Clapton certamente tinha muita estória para contar. E contou, sob sua perspectiva, neste livro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É importante frisar que o enfoque principal do livro não é o aspecto musical de sua carreira, mas sim o aspecto pessoal. Claro, a música está sempre presente na narrativa, e não poderia deixar de ser, mas o que transparece é mesmo que o guitarrista tinha uma espécie de necessidade de botar pra fora todos os seus demônios, meio que num processo de "limpeza geral" que a sua vida vem sofrendo nos últimos anos. De qualquer forma, é fascinante entender como uma personalidade como a de Clapton vai sendo moldada ao longo dos anos, e vários nomes que vão surgindo são, obviamente, bastante conhecidos: Chris Farlowe, John Lennon & Yoko Ono, George Harrison, Mick Jagger, Ron Wood, Roger Waters, Phil Collins, Albert Lee, Bob Dylan, Mick Fleetwood, John McVie, Alexis Korner, Jimi Hendrix, além de todos os citados acima, é lógico. Não deixar de ser um relato (ou pelo menos uma visão) de como a cena rhythm’n’blues e, depois, blues/hard rock, foi formada na Inglaterra especialmente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Clapton passa a idéia de nunca ter inteiramente compreendido toda a veneração por seu nome, manifestando uma reação dupla em relação a isso, por vezes negando-a e por vezes simplesmente aproveitando o momento. Estórias como a da pixação de "Clapton is God", ou de como surgiu seu apelido "slowhand" ("mão lenta"), ou sobre sua paixão por Pattie Boyd (esposa de George Harrison), são narradas no livro, de certa forma desmistificando a sua figura. Sua visão pessoal da cena inglesa (e norte-americana) do final dos anos 60 e início dos 70 nos ajuda a melhor compreender como tudo se desenrolou. Ele cita, por exemplo, que seu estilo diferia do de Page e Beck pois eles eram mais influenciados pelo rockabilly, enquanto que ele tinha raízes mais profundas no blues.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Chega a ser impressionante (e louvável) a forma extremamente sincera com a qual Clapton trata no livro de temas polêmicos, como o consumo de drogas e álcool de forma desenfreada, quase o matando em algumas ocasiões, entre outras questões. Vários dos relatos são oriundos de anotações de seu próprio diário.
Tragédias não ficaram de fora, como a morte de seu filho Conor, assim como as de Jimi Hendrix e Stevie Ray Vaughan.

Não é um livro pequeno (são quase 400 páginas), mas é uma leitura tão fluida e fácil, que de forma alguma se torna cansativa. Mais um trabalho bem feito de um artista que dá a si próprio menos créditos do que merece (e do que recebe dos outros).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eric Clapton responde quem criou o heavy metal: Cream ou Led Zeppelin

Eric Clapton em 1967 previu que "LPs serão estendidos, durando de duas a três horas"

Cream: "Disraeli Gears" comentado faixa a faixa por Eric Clapton em 1967

Pattie Boyd conta como superou as separações com George Harrison e Eric Clapton

Cream: A insatisfação de Eric Clapton com "Disraeli Gears" em 1967

Cream: Eric Clapton revela significado dos títulos "Disraeli Gears" e "SWLABR"

Eric Clapton sobre Stevie Ray Vaughan: "Ele parecia uma antena receptora"

Eric Clapton: "Foi um privilégio para mim, estar no palco com Jimi Hendrix"

Eric Clapton ficou insatisfeito com sua versão de "I Shot the Sheriff"

Na opinião de Jack Bruce, em seu auge quem foi melhor: Eric Clapton ou Jimi Hendrix?

O músico incrível que foi induzido três vezes ao Hall da Fama do Rock

A mancada pela qual George Harrison disse que Eric Clapton jamais o perdoou

Eric Clapton não se considera um autêntico bluesman

My Generation: Roqueiros famosos com seus pais

Eric Clapton: saiba mais sobre a doença que o acometeu

Quando Pete Townshend faltou a um show do The Who pra ir assistir o Pink Floyd

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular "Simple Man"

David Gilmour largou vício maléfico após ouvir erro em disco do Pink Floyd


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck.