Edu Falaschi: ''O Angra sempre foi a banda da minha vida''

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Jéssica Alves, Fonte: Blog Olhar Alternativo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O dia 2 de junho foi marcante para os fãs do rock e suas vertentes no Amapá, com a presença de um dos ícones do Heavy Metal nacional e porque não internacional, Edu Falaschi, vocalista da banda Almah, e ex-vocalista do Angra, para a realização de um workshow, na capital Macapá.

5000 acessosMini Iron Maiden: tocando "Ghost Of The Navigator" na escola5000 acessosMetallica: os motivos da saída de Jason Newsted

Em meio a um turbilhão de assuntos, como a saída do Angra, cenário heavy metal nacional e Metal Open Air, Edu pode até render debates polêmicos, mas também é um cara muito humilde, tanto no modo de tratar fãs e jornalistas, como também ao ser questionado sobre sua carreira e os motivos que o levaram ao deixar o Angra.

Nascida como um projeto do então vocalista do Angra, a banda Almah tornou-se um dos principais nomes do cenário nacional e agora é a prioridade de Edu. Em um bate papo para o blog, Edu, de um jeito simpático e expontâneo revelou sobre a saída do Angra, substituições no Almah, sua saúde vocal, a importância do Angra em sua vida e planos para o futuro com o Almah e em sua carreira. Confira:

Olhar Alternativo - Olá Edu, é uma honra poder realizar essa entrevista com você. É a segunda vez que você está no Amapá, gostaria que você expressasse aos nossos leitores, a sua impressão sobre o nosso público.


Edu Falaschi – Ah, muito obrigado. Aquele show vai ficar marcado na minha memória, foi um dos mais legais que eu já fiz, em questão de público, pois além de estar lotado, e ser a primeira vez tocando no Amapá, pude perceber que a galera estava muito emocionada, entregue para a banda, cantando junto, se alegrando a cada música, vendo milhares de pessoas cantando junto com você, sem nenhum tipo de violência, como muitas pessoas acham que os shows de rock têm, e aí veio uma prova, em um show lindo, sem nenhum incidente. Tudo bem que no final, a galera se excedeu e quase parou embaixo do palco (risos), mas foi muito bacana e espero ter a oportunidade de fazer um show tão bacana, com o Almah.

Olhar – Você veio fazer um workshow, o que você aponta de diferente neste tipo de evento?

Edu – O workshow é mais didático, baseado na técnica vocal, falo da minha carreira, falo com o publico, canto algumas musicas e é algo mais tranquilo. No show é aquela coisa, um evento, você chega com todo o aparato da banda inteira, em duas horas de paulada (risos). Já no workshow, é mais tranquilo, tenho mais contato com os fãs, faço autografo, fotos. Mas ressalto que gosto bastante de realizar os dois tipos de evento.

Olhar – É impossível te entrevistar sem citar a sua saída do Angra. O que ocasionou isso?

Edu – Na verdade foram muitos motivos. Obviamente algumas coisas são caras, e essa saída tem bastante a ver com a carta pós Rock in Rio, o qual falei que precisava de uma pausa para fazer o tratamento para voz que iniciei, há seis meses. Como parte do tratamento, é importante que eu fosse direcionado ao tipo de canto que fizesse bem para minha voz. Para resgatar a minha qualidade vocal, de acordo com dados médicos, é necessário que eu cante dentro da minha tessitura.

Mas mesmo estando recuperado, não quero ter esses problemas de novo e por isso, tive que sacrificar o meu posto no Angra, porque aí teria duas opções. Ou a banda continuava levando músicas apenas da minha época, o show direcionado ao meu tipo de voz ou não seria possível a banda se adaptar nessa maneira. Mas por questão de saúde, tive que optar em deixar a banda. Lógico que se eu pudesse cantar Angra a minha vida inteira, eu faria isso, pois eu adoro a banda, cresci musicalmente com eles. Mas pela minha característica vocal, mais grave e agressiva que faço no Almah, o caminho a seguir foi esse.

Olhar - E você sentiu essa dificuldade ao longo dos anos?

Edu - Antes nunca tinha cantado daquele jeito, e por ser mais novo, ia na raça e acabei fazendo as coisas acontecerem. Mas com o passar do tempo, teve um reflexo e me prejudiquei. Fiz shows cantando mal e após o Rock in Rio, percebi que ali foi o limite para fazer o que eu gosto e deixar de tentar agradar aos outros. Minha voz não é aquela voz para cantar Carry On, e sim para cantar na minha fase.

Eu sabia que iriam fazer comparações sempre, mas resolvi enfrentar. Eu só tinha receio de prejudicar minha voz por ter que cantar músicas tão agudas que, na verdade, nada tinham a ver com a minha característica natural, como eu fazia anteriormente no Symbols, por exemplo. Não deu outra, naquela época me ferrei por ter me dedicado ao extremo nos shows. Eu deveria ter parado assim que os problemas começaram, mas muitas coisas já estavam agendadas.

Assumi o risco e decidi cumprir todos os compromissos para não deixar o Angra na mão. Agora que estou totalmente recuperado e voltei a cantar na minha melhor forma, posso afirmar que não faria isso hoje. Assim como vários vocalistas também não o fazem, como é o caso do Khan, do Kamelot, que está doente e parou tudo, colocando um substituto na banda para a tour. Eu abracei todas as causas do Angra, vesti a camisa e fui pra cima, me prejudiquei física e moralmente naquele período, mas hoje a banda é um grande nome! É claro que com a ajuda dos primeiros 9 anos da primeira formação. Mas nosso trabalho nesses 10 últimos anos foi primordial para que o Angra se tornasse o que é hoje mundialmente.

Olhar - Gostaria que você resumisse sobre o que vai ser da sua carreira daqui para frente e o que o Angra significa para você, já que ficou mais de uma década na banda?


Edu – O Angra para mim é tudo, foi a banda que me mostrou para o mundo, que eu construi em minha carreira de mais legal. Digo que o Angra foi a única banda que eu saí, o Mitrium, não deixei a banda, ela encerrou, o Symbols acabou porque eu entrei no Angra, mas me dispus a continuar no vocal, mas a banda decidiu acabar.

Infelizmente no Angra ocorreu a decisão mais difícil da minha vida, como falei na carta. O Angra sempre foi a banda da minha vida e essa decisão não foi fácil de ser tomada, mas de tantas coisas que envolvem a minha saída, como o cuidado com a voz e os problemas internos, tudo me deu coragem para que um dia eu acordasse e seguisse o meu caminho. Construi um bonito legado com o Angra em 11 anos e acredito que o Angra vai continuar mantendo o seu nível e vou continuar fazendo aquilo que eu mais amo, que é o heavy metal, com o Almah.

Como o Almah, houve o fato do crescimento da banda, que se consolidou em 2008, no segundo álbum. Ganhamos melhor disco e banda de 2011 no Brasil, fomos para o Japão, teve boa repercussão de publico e critica e estava ficando difícil conciliar. Entao essa decisão vai ser melhor para todo mundo e vou lutar para que a banda continue com seu espaço na cena metal.

Eu quero que todo a história e beleza da música do Angra sejam mantida, e hoje em dia, o que passou não vem mais ao caso. Adoro o que eu construi com o Angra, tenho o maior respeito e espero que eles continuem seguindo com esse belo legado. E espero que os fãs merecem uma resposta positiva em cada formação da banda, porque é isso que fica na vida das pessoas.

Em relação ao Almah, no inicio do ano, o Paulo Schroeber anunciou a saída do Almah para cuidar de sua saúde, e agora a banda passa por outra mudança, com a saída do Andreoli. Como está essa questão?

Edu – Essa é uma questão natural, porque na verdade, o Almah começou com um projeto solo meu, e basicamente apesar de ser uma banda, eu levo filosofia da banda, com as composições e faço questão que todos trabalhem e sejam reconhecidos de forma igual, que seja uma família dentro da banda. Mas também obviamente sei da importância da minha contribuição na banda, e também dos demais membros. O Paulo saiu devido a um problema no coração, mas por mim, tocaria com ele a vida inteira, pois além de um puta músico, é meu amigão.

Já com o Felipe, houve um desgaste emocional e pessoal que vinha, por causa do Angra e obviamente resvalou no Almah, e teve esse desgaste e chegamos a conclusão de que não dava para ele continuar no Almah, com a minha saída do Angra. A minha prioridade agora é o Almah e a dele é o Angra, na hora que voltar as atividades. Para evitar esse tipo de problemas, a melhor solução foi a separação.

Olhar – Voce falou em substituição, como está a interação do Gustavo di Pádua?

Edu – Pô, o Gustavo foi um achado, supergente boa e encaixou perfeitamente com o Almah, o cara toca muito e veio para somar, porque ele canta e compõe bem, e está fazendo uma incível dupla de guitarras com o Marcelo Barbosa

Olhar – Para finalizar, como estão os planos do Almah e na sua carreira?

Edu – Estamos com plano de gravar um DVD e promover o lançamento até o fim deste ano, o que eu espero. Lançamos um disco vitorioso e pretendemos lançar um novo CD no ano que vem. E muito possivelmente uma turnê internacional no ano que vem. E o DVD estamos fazendo o planejamento para ocorrer o show para o DVD. Estamos conversando diversas ideias.

Olhar - Edu, muito obrigada pela entrevista. Agora fica o espaço pra você mandar uma mensagem aos nossos leitores.

Edu - Muito obrigado a todos os fãs pelo apoio e carinho de sempre! Amo todos vocês, povo maravilhoso de Macapá.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 04 de junho de 2012
Post de 06 de junho de 2012

Angra: a saída de Edu Falaschi

5000 acessosAngra: A carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída5000 acessosAlmah: Felipe Andreoli comenta saída da banda5000 acessosKiko Loureiro: comentando a saída de Edu no Twitter5000 acessosAngra: A saída de Edu e suas implicações5000 acessosEdu Falaschi: "Muito triste sim! Mas não dava mais!"5000 acessosAngra: Bittencourt se pronuncia sobre saída de Falaschi5000 acessosAngra: Edu Falaschi diz que saiu por causa de sua voz5000 acessosAngra: remanescentes falam sobre a saída de Edu Falaschi0 acessosTodas as matérias sobre "Angra: a saída de Edu Falaschi"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Angra: a saída de Edu Falaschi"0 acessosTodas as matérias sobre "Edu Falaschi"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Almah"

Mini Iron MaidenMini Iron Maiden
Tocando "Ghost Of The Navigator" na escola

MetallicaMetallica
Ulrich comenta os motivos da saída de Jason Newsted

Heavy MetalHeavy Metal
Autores que inspiraram o estilo: Friedrich Nietzsche

5000 acessosKiss: vídeo com Gene Simmons em cena de sexo?5000 acessosA importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars5000 acessosDiscórdia: alguns dos maiores insultos entre artistas5000 acessosLinkin Park: "Perdemos fãs ao longo do caminho intencionalmente"2281 acessosCompact Disc: como e por qual motivo nasceu o revolucionário formato4174 acessosPower Ballads: as 10 maiores de todos os tempos

Sobre Jéssica Alves

Uma jovem nascida em 1990 e moradora do Estado do Amapá que teve a sorte de ser criada em um lar onde o rock sempre esteve presente. Por frustação no meio musical, a veia jornalística falou mais alto e atualmente caminha no ramo do Jornalismo Cultural e milita na divulgação da cultura underground tucujú. Seu forte está no heavy metal, hard e classic rock.

Mais matérias de Jéssica Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online