Tropa de Shock: "Na indústria o maior problema foi a web!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Monica Fontes
Enviar correções  |  Comentários  | 

Prestes a lançar seu oitavo álbum de estúdio intitulado “Immortal Rage”, a banda Tropa de Shock concedeu uma entrevista em que fala sobre o lançamento do disco e a turnê comemorativa dos 20 anos de carreira.

5000 acessosMetal: por que os metalheads vivem presos no passado?5000 acessosMúsicas ruins: As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

Falem um pouco sobre o processo de gravação do próximo álbum.

Depois de definirmos quais músicas iriam ser gravadas, o processo se tornou mais simples. O que mais deu trabalho foi escolher um entre muitos timbres de guitarras base para obter um peso bem agressivo. E na bateria procuramos timbrá-la bem densa. Um ótimo trabalho em conjunto com o estúdio Tomada. Como gravamos o resto em nosso estúdio, tivemos muito tempo para fazer vários takes e escolher os melhores. Usamos dois tipos de baixo – um de quatro cordas e um de cinco, de acordo com a proposta. Usamos também três tipos de amplificadores junto com distorções analógicas, tanto pra solos e bases. Criamos timbres diferentes para o teclado de acordo com a proposta da harmonia, violões elétricos, e os vocais foram trabalhados em um timbre mais médio valorizado por backing vocals. Acredito que as pessoas irão se surpreender com a sonoridade final.

O “Immortal Rage” será um álbum conceitual?

Este álbum foi concebido de forma diferente. Pedimos a cada um dos músicos que buscassem um tema, depois escolhemos os mais interessantes e escrevemos tudo em “forma de poesia”. A idéia é que o ouvinte interprete cada canção do seu jeito. O “Immortal Rage”, de certa forma, está ligado aos quatro elementos: água, terra, fogo e ar. Basta descobrir como.

Vocês pretendem lançá-lo também no exterior?

Sim, pretendemos trabalhar duro para que isto aconteça. Este CD tem tudo para virar.

Como foi feita a escolha de Augusto Abade para ser o novo guitarrista e quais influências ele trouxe para a sonoridade da banda?

Estávamos procurando mais um guitarrista. Colocamos um anúncio e ele respondeu de imediato. Sua pessoa e seu caráter nos agradaram de primeira e após o teste, vimos que era ele. O Augusto é dono de uma sensibilidade muito apurada e de técnica bem pesada, que se encaixou como uma luva em nossa banda.

Para a turnê comemorativa de 20 anos de carreira, o grupo já tem uma ideia do set list?

Já. O set list se baseia nos nossos 7 CDs. Procuramos colocar as mais conhecidas e também músicas não tocadas ao vivo. Um show que mostra todas as nossas fases e que é feito para velhos e novos fãs.

Vocês pretendem tocar com outras bandas nessa turnê?

Com certeza, pois dividir o palco é dividir conhecimento e fazer novas amizades.

Com todo esse tempo de estrada, o que vocês acham que aconteceu de positivo e de negativo com relação ao grupo e também na indústria musical?

De positivo o Tropa de Shock nunca parou de fazer shows, lançar CDs e viajar o mundo sempre indo para frente. De ruim sempre é a troca de músicos que deixam saudades. Já na indústria musical o maior problema foi a web, pois a mesma fez muitas pequenas gravadoras quebrarem, o que dificulta muito para as bandas lançarem seus trabalhos.

Ainda sobre a indústria, o que a banda pensa sobre os downloads ilegais, a quebra de gravadoras, e o que poderia ser feito para reverter esse quadro?

A grande verdade é que teremos que nos adaptar com as novas mídias que vêm acontecendo. Músicas vendidas na web, CDs dentro de pendrives, e sei lá mais o quê. Hoje é simplesmente impossível deter a pirataria, mas graças a Deus há pessoas que gostam de ter os originais em suas coleções.

O que vocês acham da cena atual no Brasil?

A cena está louca, pois tem muita coisa acontecendo. Novas bandas, velhas bandas voltando. O que é muito bom para todos.

Qual é a opinião do grupo com relação aos grandes festivais como o Wacken Open Air e o que acham da realização deles vir a acontecer aqui?

Achamos o máximo, pois aqui virou um pólo de boa música tão forte como a Europa.

Tem tido muitos shows internacionais no Brasil ultimamente e é ótimo que o país esteja incluso nos circuitos das bandas. Mas por outro lado, vocês acham que isso pode, de certa forma, prejudicar as bandas nacionais?

Tudo vai depender da banda e os caminhos que ela escolher para divulgar seus trabalhos e para conquistar seu próprio espaço. Grandes shows são ótimos, pois podemos ver realmente quem são as bandas que gostamos “ao vivo” e estes shows fortalecem nossa cena.

Agradecemos a entrevista e pedimos que deixem uma mensagem aos fãs. Esse espaço é de vocês.

Agradecemos a todos que nos dão suporte até hoje. Fãs, amigos, mídia, gravadoras, promotores, etc. E não deixem de conhecer nosso novo trabalho “Immortal Rage”. Valeu!

http://www.tropadeshock.com
http://www.myspace.com/tropadeshock

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Tropa De Shock"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Tropa De Shock"

MetalMetal
Por que os metalheads vivem presos no passado?

Músicas ruinsMúsicas ruins
As 100 piores segundo o Aol Radio Blog

Occult RockOccult Rock
Dez ótimas bandas fora o Ghost

5000 acessosDuff McKagan: "Justin Bieber é um roqueiro de verdade!"5000 acessosCâncer na língua: Os músicos que sofreram deste mal5000 acessosShaman: baixista desabafa sobre cena brasileira5000 acessosÁlbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rock5000 acessosLoudwire: os melhores álbuns de rock de 2013 até agora4802 acessosMelhor que Galinha Pintadinha: como alegrar uma criança com Power Metal

Sobre Monica Fontes

Mônica Fontes - Carioca, nascida em 1968, vive no Rio de Janeiro e é tradutora de inglês e espanhol. Apaixonada por música, leitura e cinema, começou a ouvir rock aos 13 anos, já tendo presenciado grandes shows e eventos desse gênero. Além do rock, também se interessa por outros estilos, como o Pop e MPB. Led Zeppelin, Deep Purple, Black Sabbath, Pink Floyd, U2 e Guns N'Roses são algumas de suas bandas preferidas, sem deixar de prestigiar as excelentes bandas e artistas nacionais. Acessa o Whiplash há alguns anos e começou a colaborar por gostar de traduzir os diversos assuntos relacionados no site.

Mais matérias de Monica Fontes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online