Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Alice Cooper: "I Hate You" é um "presente" aos fãs da banda original

Resenha - I Hate You - Alice Cooper

Por Neimar Secco
Em 07/03/21

Detroit é sinônimo de música pulsante. É de lá que vem a mitológica gravadora Motown, berço da nata da música negra norte americana. Ao redor do aglomerado industrial dos motores potentes e ruidosos dos veículos que percorrem as estradas dos EUA e mundo afora, era inevitável que uma energética cena roqueira se instalasse e fosse o contraponto à altura do movimento hippie de paz e amor que permeava a California e a a maior parte dos EUA naqueles tempos de guerra do Vietnã. e que antecediam o turbulento escândalo de Watergate.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Detroit foi o embrião do punk e da "contracontracultura". Foi nesse caldeirão que Iggy Pop and The Stooges, MC5, Bob Seger, Grandfunk Railroad, Suzi Quatro e…. Alice Cooper iniciaram uma erupção musical que espalharia lavas por todo o mundo, chegando a Nova York, Londres e, por que não, São Paulo? New York Dolls, Talking Heads, Gang Of Four, The Ramones, The New York Dolls, Velvet Underground, Blondie, Patti Smith… Por aqui: Joelho de Porco, Casa das Máquinas, entre outros, também beberam da fonte detroitiana.

Ciente de toda essa riqueza musical, na qual ele mesmo também nasceu, Alice Cooper criou esse petardo chamado DETROIT STORIES. São 15 músicas, entre composições próprias e covers, executadas no melhor estilo garage rock, que celebram a Motor City e sua música. \Para a empreitada, chamou seu produtor dos melhores tempos e álbuns, Bob Ezrin, seus amigos de banda, Michael Bruce, Neal Smith e Dennis Dunaway, além de Steve Hunter (Alice Cooper, 1975-1979, David Lee Roth), Wayne Kramer (MC5), Mark Farner (Grand Funk Railroad) entre vários outros

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Comecemos pelas faixas que já haviam sido lançadas no EP Breadcrumbs, de 2017.

"Detroit City 2021", cuja versão original foi lançada em 2003 no CD The Eyes Of Alice Cooper, reaparece como um item essencial no álbum. Outra composta por Alice e parceiros é "Go Man, Go", rock energético, direto ao ponto, com um refrão e backing vocals cheios de energia e "punch". "East Side Story" é a cover do veteranaço Bob Seger. Quem só o conhece por músicas mais calmas como Against The Wind e Still The Same ou Hollywood Nights vai se surpreender com a irreverência dessa faixa. "Sister Anne", outra cover, essa do MC5 também contém a energia e a irreverência da original. "Hanging On By A Thread" é a atualização de "Don’t Give Up", single lançado em 2020, cujo tema são as tensões eefeitos gerais causados pela pandemia do coronavírus.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quanto às gravações inéditas, o álbum abre com "Rock’n’Roll do Velvet Underground cujo convidado especial é o guitarrista Joe Bonamassa. Na letra Alice substitui New York por Detroit para encaixá-la na temática do álbum.

"Our Love Will Change The World", original da banda Outrageous Cherry tem a introdução muito parecida com Getting Better do álbum Sgt. Peppers dos Beatles e é um festival de ironias de como mudar o mundo através do amor à irreverência ao status quo. "Social Debris" refere-se a imagtem das bandas de Detroit da época, Alice Coopeer em especial, claro, como a margem de uma sociedade bem educada e correta. Um destaque nesse álbum é a coesão da banda e dos músicos convidados. Tudo em plena harmonia (usando um termo irônico aqui em contraponto à rebeldia). $1,000 High Heel Shoes é a homenagem ao lado funk/soul de Detroit, representado pela sessão de metais e pelo vocal do grupo vocal da era disco Sister Sledge. Joia rara. "Hail Mary" é rock báscio e despretensioso e irreverente à figura bíblica de de Maria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Drunk and In Love" é um blues , a "balada do álbum. "Drunk" (embriagado) pode ter sido a maior autorreferência feita por Alice nesse álbum. Afinal, foi sua "cura" do alcoolismo que o manteve vivo até hoje e saudável o bastante para gravar e fazer shows em boa forma aos 73 anos.

"Independence Dave" traz o lado patriótico de Alice, que já se fez presente em músicas de álbubns anteriores como Model Citizen, de 1980, por exemplo.

"I Hate You" é um "presente" aos fãs da banda original, que surgiu em 1964, com o nome de The Earwigs e se tornaria a mitológica ALICE COOPER BAND. Todos os membros originais da banda, exceção feita, logicamente, a Glen Buxton, falecido em 1997, participam e cantam trechos "ofendendo" uns aos outros. Pura ironia, irreverência, celebração de uma vida dedicada ao rock and roll. Quanto a "Wonderful World", não espere nada parecido com a pacifista canção eternizada por Louis Armstrong nos tempos de guerra do Vietnã. Mais uma vez a energia e a irreverência imperam aqui. Quanto a "Shut Up And Rock", é um recado, para alguns, como nom meu caso, tardio, para passarmos nosso precioso tempo nos calando e dedicando nosso precioso tempo ao rock ande roll. Isso evita discussões e desentendimentos (e em casos como o meu, perda de amizades caras…) Portanto, deixo meu conselho: Shut Up, ligue seu som e curta no melhor lugar e em bom som DETROIT STORIES. O rock, a cidade de Detroit e nossos ouvidos roqueiros afiados agradecem!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Chuck Wright: ex-Quiet Riot lança single pedindo fim da guerra na Ucrânia


Nita Strauss: a estratégia genial adotada quando ela ainda não tinha empresário

Nita Strauss: o que ela pensa sobre usar sexualidade para promover sua música



Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.

Mais matérias de Neimar Secco.