Oficina G3: drama pessoal superado com reflexões e ótimo rock pesado do último trabalho

Resenha - Histórias e Bicicletas - Oficina G3

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jorge Felipe Coelho, Fonte: Rádio Catedral do Rock
Enviar Correções  

Sim, o Oficina G3 é uma banda de rock cristã. Sim, essa informação é totalmente irrelevante para quem ouve um álbum de rock buscando primeiramente música de alto nível. Quero dizer que nesse caso específico, qualquer tipo de preconceito que lhe impeça de conhecer o som pesado e melódico do grupo que é ovacionado dentro e fora do meio gospel, só lhe fará deixar de saborear um disco muitíssimo acima da média no cenário do rock n’ roll nacional. Falarei de Histórias e Bicicletas, lançado em 2013 e último álbum de estúdio da banda que está em hiato anunciado desde 2018, mas não sem antes contextualizar esse ótimo trabalho.

Por dentro com Paulo Baron: Valverde e Aposan falam sobre música gospel e secular

Lemmy Kilmister: "Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Oficina G3 existe desde o fim dos anos 80 tendo à frente Juninho Afram, reconhecido pela revista "Guitar Player" como um dos melhores guitarristas do país e o único membro original remanescente. A banda atuou por subgêneros do rock e até teve sua fase pop nos anos 90, na qual PG era o vocalista principal do grupo. Com a saída de PG em 2003, Juninho assumiu os vocais principais em novo trabalho com influências de rock progressivo. O líder do Oficina G3 sempre buscou uma banda que pudesse fazer um som mais pesado, com músicos proficientes e versáteis ao mesmo tempo, já que tocava em igrejas de forma mais acústica e intimista.

O céu se abriu em 2008 quando o multi-instrumentista, produtor e cantor brasiliense Mauro Henrique entrou para a banda. Mauro domina como poucos as técnicas vocais, como melisma, drives, falsetes, etc. É um músico tão completo que elevou o nível do grupo de tal forma a fazer Juninho declarar que somente após a entrada dele conseguiu fazer a banda soar do jeito que ele sempre sonhou. O time de primeira foi formado ainda pelos excelentes Alexandre Aposan na bateria, Jean Carllos no teclado e Duca Tambasco no baixo. Logo no primeiro trabalho com a voz de Mauro e a dinâmica musical mais influenciada pelo metal, o álbum Depois da Guerra ganhou um certificado de ouro da ABPD pelas vendas e faturou um Grammy Latino em 2009. Não foram poucas as comparações com o Dream Theater na época.

Em 2012, meses antes de embarcarem em uma viagem para Londres a fim de gravar e produzir o trabalho seguinte, a esposa de Mauro faleceu após uma batalha contra o câncer. Os relatos e vídeos disponíveis no youtube de Mauro ao lado de Jacky Dantas são surpreendentes. Em meio a toda dificuldade que atravessavam, ambos não perderam a fé. Estavam felizes, agradecendo pela oportunidade de aprender com o momento de dificuldade e cantando juntos no hospital. Boa parte disso serviu de inspiração e está impresso em Histórias e Bicicletas. Um álbum dedicado à falecida esposa de Mauro onde, além de guitarras raivosas, brilham letras com mensagens positivas de superação, melodias certeiras, e uma ótima produção da própria banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Diz" abre o trabalho já querendo impressionar com um riff de peso e uma ótima bateria de Alexandre. Logo após, "Água Viva" se mostra uma das melhores canções da história da banda em termos de harmonia e peso, a linha vocal forte de Mauro é acompanhada por um coro do tecladista Jean e do líder Juninho. Ao final desse moderno petardo, melodias singelas de piano aparecem sozinhas, iniciando o clima para a próxima canção do disco: "Encontro" é a minha faixa predileta. Uma levada instrumental crescente com um refrão sentimental e grudento. Ainda é embelezada por um interlúdio com uma poesia declamada por Roberto Damasio. Essa sequência inicial de três canções fortes é um grande destaque.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Também quero ressaltar a canção "Confiar", uma balada cantada ao violão que vai adquirindo peso em uma dinâmica do tipo metal progressivo. "Compartilhar" mostra toda habilidade de Juninho com o melhor solo de guitarra do álbum. "Descanso", outra linda balada, certamente é a faixa mais emotiva do trabalho. Foi composta por Mauro e Jacky (assista aqui a explicação de Mauro e uma versão ao violão) enquanto estavam imersos no hospital, os versos de superação e a melodia tocante falam por si só. E o ótimo cover de Dennis Jernigan, "Save From Myself", que consolida Mauro cantando em inglês e fecha o trabalho com chave de ouro e um clima pra cima.

Percebe-se que nas canções pesadas o baixo de Duca esteve mais presente que no último álbum. O entrosamento da banda melhorou ainda mais em relação ao trabalho anterior. Deu vazão a outro repertório de ótimas canções em que a técnica e a melodia chamam a atenção. Tanto pela história de superação que o cerca, quanto pela produção de bom gosto e a possibilidade de ser definitivamente o último álbum do grupo, Histórias e Bicicletas é um excelente disco de rock n’ roll que merece ser ouvido atentamente.

Leia mais no Boletim do JF, disponível no link abaixo.

https://radiocatedraldorock.com/?p=494




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Por dentro com Paulo Baron: Valverde e Aposan falam sobre música gospel e secularPor dentro com Paulo Baron
Valverde e Aposan falam sobre música gospel e secular


Oficina G3: Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódioOficina G3
Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais


Lemmy Kilmister: Estou pronto para morrer. Minha vida foi boaLemmy Kilmister
"Estou pronto para morrer. Minha vida foi boa"

Cenografia: os pedestais mais bizarros do Rock e MetalCenografia
Os pedestais mais bizarros do Rock e Metal


Sobre Jorge Felipe Coelho

Quando criança, lia as letras dos encartes e ouvia discos de vinil na saleta de casa antes e depois de ir pra escola. Aos 9 anos de idade já tinha ido ao seu primeiro show guitarreiro. Hoje, administrador de formação, colaborou com a Rádio Cult FM, faz o Boletim do JF na Rádio Catedral do Rock e o Podcast Faixa a Faixa do Rock, continuando a ouvir, falar e escrever sobre a sua paixão: o rock n' roll.

Mais matérias de Jorge Felipe Coelho no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280