RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Oficina G3: ficou muito aquém do que a banda pode oferecer

Resenha - Histórias e Bicicletas - Oficina G3

Por Hananias Souza Santana
Postado em 26 de julho de 2013

Nota: 7

Depois de lançar em 2008 o álbum "Depois da Guerra", o OFICINA G3 alcançou o melhor momento em sua carreira; bom número de vendas, elogios do público e da crítica e prêmios, inclusive um Grammy latino. Depois de anos de espera, é lançado o sucessor de "Depois da Guerra"," Histórias e Bicicletas", em 30 de abril de 2013.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco foi gravado no RAK Studios em Londres, onde artistas como PAUL McCARTNEY, RADIOHEAD, MUSE e ADELE, por exemplo, já gravaram álbuns. O disco segue na linha de rock/metal progressivo e as letras segundo Juninho Afram, trazem reflexões acerca de experiências vividas pelos integrantes do grupo, como o tema do disco já diz: "Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança)". A banda conta com Juninho Afram na guitarra, Mauro Henrique no vocal, Duca Tambasco no baixo, Jean Carllos nos teclados e Alexandre Aposan na bateria; esse é o primeiro disco de Aposan como baterista oficial do OFICINA, posto que estava vago desde que Walter Lopes saiu da banda, o último trabalho deste foi "O tempo", lançado em 2000.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A atuação dos músicos no geral foi boa, o nível técnico da banda é muito alto, são todos músicos excelentes. Juninho tocou muito nesse disco, os solos são um destaque a parte. Da mesma forma Duca e Mauro foram destaques, principalmente Duca que nos presenteou com linhas de baixo inspiradas. Já Jean estava tímido nos teclados, se comparado a trabalhos anteriores, e enquanto a Aposan, eu achei uma atuação inferior se comparada com o disco anterior. A produção ficou de razoável para boa, alguns aspectos poderiam ter sido melhor trabalhados.

É um bom disco, é um bom trabalho, mas na verdade ficou muito aquém do que o OFICINA G3 pode oferecer. "Depois da Guerra" foi um dos melhores discos de metal nacional dos últimos tempos, e as minhas expectativas para o trabalho seguinte eram astronômicas. Ouvir "Histórias e Bicicletas" pela primeira vez frustrante devido às altas expectativas que criei. Como disse, é um bom disco, mas tem ideias que não foram das mais felizes, como um longo solo de piano no final de uma música, ou uma poesia sendo recitada no meio de outra. Algumas músicas ficaram um tanto melosas; o cover da música de Kleber Lucas é o ponto mais baixo do disco, realmente não era necessário. Pontos positivos do álbum anterior não são encontrados nesse disco, como a influência do metalcore, gutural de Jean em algumas músicas ou o uso de pedais duplos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Concluindo, "Historias e Bicicletas" ficou muito aquém do que o OFICINA G3 pode fazer, ficou um disco de difícil digestão. Mas analisando friamente, é um bom disco, tem bons momentos, boas letras, boa atuação dos músicos. Acredito que se a banda tivesse optado por um produtor de fora da banda, como foi no caso de "Depois da Guerra", o resultado seria superior.

Destaques: " Água Viva", "Não Ser" e "Lágrimas".

Tracklist:

1. "Diz" 5:42
2. "Água Viva" 6:20
3. "Encontro" 6:21
4. "Confiar" 5:13
5. "Não Ser" 5:52
6. "Compartilhar" 4:59
7. "Descanso" 5:18
8. "Aos Pés da Cruz" 4:01
9. "Sou Eu" 5:41
10. "Lágrimas" 7:17
11. "Save Me From Myself " 4:16

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outras resenhas de Histórias e Bicicletas - Oficina G3

Oficina G3: ouça sem preconceitos, curta o som...

Oficina G3: Talvez estejam aqui os melhores solos de Juninho

Oficina G3: Um trabalho com alta carga poética

Oficina G3: drama pessoal superado com reflexões e ótimo rock pesado do último trabalho

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Hananias Souza Santana

Hananias Souza Santana, nascido em 1990, estudante de administração na Universidade do Estado da Bahia, guitarrista, por ser negro, morar na periferia de Salvador e ser cristão batista, tinha tudo para curtir rap, pagode ou gospel, mas como o amor a música foge a rótulos, se tornou headbanger desde a adolescência. Os estilos de sua preferência são o Hard Rock e Heavy Metal anos 70 e 80, mas ouve um pouco de tudo dentro do rock and roll.
Mais matérias de Hananias Souza Santana.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS