Oficina G3: ficou muito aquém do que a banda pode oferecer

Resenha - Histórias e Bicicletas - Oficina G3

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Hananias Souza Santana
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Depois de lançar em 2008 o álbum "Depois da Guerra", o OFICINA G3 alcançou o melhor momento em sua carreira; bom número de vendas, elogios do público e da crítica e prêmios, inclusive um Grammy latino. Depois de anos de espera, é lançado o sucessor de "Depois da Guerra"," Histórias e Bicicletas", em 30 de abril de 2013.

Cinema: o melhor e o pior dos rockstars em filmesMetal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvir

O disco foi gravado no RAK Studios em Londres, onde artistas como PAUL McCARTNEY, RADIOHEAD, MUSE e ADELE, por exemplo, já gravaram álbuns. O disco segue na linha de rock/metal progressivo e as letras segundo Juninho Afram, trazem reflexões acerca de experiências vividas pelos integrantes do grupo, como o tema do disco já diz: "Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança)". A banda conta com Juninho Afram na guitarra, Mauro Henrique no vocal, Duca Tambasco no baixo, Jean Carllos nos teclados e Alexandre Aposan na bateria; esse é o primeiro disco de Aposan como baterista oficial do OFICINA, posto que estava vago desde que Walter Lopes saiu da banda, o último trabalho deste foi "O tempo", lançado em 2000.

A atuação dos músicos no geral foi boa, o nível técnico da banda é muito alto, são todos músicos excelentes. Juninho tocou muito nesse disco, os solos são um destaque a parte. Da mesma forma Duca e Mauro foram destaques, principalmente Duca que nos presenteou com linhas de baixo inspiradas. Já Jean estava tímido nos teclados, se comparado a trabalhos anteriores, e enquanto a Aposan, eu achei uma atuação inferior se comparada com o disco anterior. A produção ficou de razoável para boa, alguns aspectos poderiam ter sido melhor trabalhados.

É um bom disco, é um bom trabalho, mas na verdade ficou muito aquém do que o OFICINA G3 pode oferecer. "Depois da Guerra" foi um dos melhores discos de metal nacional dos últimos tempos, e as minhas expectativas para o trabalho seguinte eram astronômicas. Ouvir "Histórias e Bicicletas" pela primeira vez frustrante devido às altas expectativas que criei. Como disse, é um bom disco, mas tem ideias que não foram das mais felizes, como um longo solo de piano no final de uma música, ou uma poesia sendo recitada no meio de outra. Algumas músicas ficaram um tanto melosas; o cover da música de Kleber Lucas é o ponto mais baixo do disco, realmente não era necessário. Pontos positivos do álbum anterior não são encontrados nesse disco, como a influência do metalcore, gutural de Jean em algumas músicas ou o uso de pedais duplos.

Concluindo, "Historias e Bicicletas" ficou muito aquém do que o OFICINA G3 pode fazer, ficou um disco de difícil digestão. Mas analisando friamente, é um bom disco, tem bons momentos, boas letras, boa atuação dos músicos. Acredito que se a banda tivesse optado por um produtor de fora da banda, como foi no caso de "Depois da Guerra", o resultado seria superior.

Destaques: " Água Viva", "Não Ser" e "Lágrimas".

Tracklist:

1. "Diz" 5:42
2. "Água Viva" 6:20
3. "Encontro" 6:21
4. "Confiar" 5:13
5. "Não Ser" 5:52
6. "Compartilhar" 4:59
7. "Descanso" 5:18
8. "Aos Pés da Cruz" 4:01
9. "Sou Eu" 5:41
10. "Lágrimas" 7:17
11. "Save Me From Myself " 4:16


Outras resenhas de Histórias e Bicicletas - Oficina G3

Oficina G3: Um trabalho com alta carga poéticaOficina G3: Talvez estejam aqui os melhores solos de JuninhoOficina G3: ouça sem preconceitos, curta o som...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Oficina G3"


Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010

Oficina G3: Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódioOficina G3
Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio

Rock Cristão: alguns dos principais discos nacionais do gêneroRock Cristão
Alguns dos principais discos nacionais do gênero


Cinema: o melhor e o pior dos rockstars em filmesCinema
O melhor e o pior dos rockstars em filmes

Metal Extremo: algumas bandas que você precisa ouvirMetal Extremo
Algumas bandas que você precisa ouvir

King Diamond: ele é satanista, e não meramente marqueteiroKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback

Iron Maiden: a tragédia pessoal do baterista Clive BurrIron Maiden
A tragédia pessoal do baterista Clive Burr

Dr. Sin: O motivo da banda parar nunca foi mercado, foi internoDr. Sin
"O motivo da banda parar nunca foi mercado, foi interno"

Ultimate Classic Rock: os top 10 solos de Jimmy PageUltimate Classic Rock
Os top 10 solos de Jimmy Page


Sobre Hananias Souza Santana

Hananias Souza Santana, nascido em 1990, estudante de administração na Universidade do Estado da Bahia, guitarrista, por ser negro, morar na periferia de Salvador e ser cristão batista, tinha tudo para curtir rap, pagode ou gospel, mas como o amor a música foge a rótulos, se tornou headbanger desde a adolescência. Os estilos de sua preferência são o Hard Rock e Heavy Metal anos 70 e 80, mas ouve um pouco de tudo dentro do rock and roll.

Mais matérias de Hananias Souza Santana no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336