Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


The Dark Element: após estreia fraca, projeto evolui e justifica continuação

Resenha - Songs the Night Sings - Dark Element

Por Victor de Andrade Lopes
Em 18/11/19

Nota: 7

Quando o The Dark Element (supergrupo formado pelo guitarrista Jani Liimatainen (ex-Sonata Arctica, Cain's Offering, Blackoustic) e a cantora Anette Olzon (ex-Nightwish) anunciou seu segundo disco, metade de mim pensou: "minha nossa, o primeiro lançamento não foi ruim o suficiente para eles perceberem que a parceria não funciona?". A outra metade foi mais para o lado do "que bom, eles terão mais uma oportunidade de mostrar se são dignos de nossos ouvidos".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Felizmente, meu lado mais fanboy e otimista levou a melhor desta vez. Porque a dupla aproveitou a chance. Songs the Night Sings não pode nem sonhar em entrar no meu top 10 de final de ano, mas sem dúvidas é uma grande evolução com relação à estreia autointitulada deles.

O álbum ainda soa irritantemente comercial, mas desta vez o grupo faz disso uma característica de seu som, e não uma tentativa de agradar o titio mercado. As primeiras faixas já nos trazem riffs e solos de mais atitude (importantes para um supergrupo formado por um guitarrista de renome) e orquestrações mais respeitosas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mesmo as músicas que desaceleram, como "When It All Comes Down" e "To Whatever End", fazem-no sem perder o peso e a atitude, mantendo uma firmeza razoável do começo ao fim. Não temos lá uma incursão profunda por novos territórios musicais conforme prometido no material de divulgação do trabalho, mas com certeza houve uma busca por algo mais distante da zona de conforto.

Jani, que ficou devendo (e muito) no disco anterior, ressurge ainda bem aquém de suas capacidades - aparentemente ele reserva sua própria nata para o Cain's Offering - mas com uma performance mais respeitável, de qualquer forma.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anette, por sua vez, manteve o bom nível ouvido na estreia. Desta vez, ela não teve de levar tudo nas costas e o projeto está funcionando mais efetivamente como uma parceria de duas pessoas, isto é, ambas as partes estão se entregando bastante - mas ainda sem darem o melhor de si.

Vale lembrar que o The Dark Element segue apoiado por uma dupla. O baixista Jonas Kuhlberg repete seu papel, enquanto que Rolf Pilve (Stratovarius) faz em Songs the Night Sings sua estreia nas baquetas.

Abaixo, o clipe de "Not Your Monster":

Track-list:
1. "Not Your Monster"
2. "Songs the Night Sings"
3. "When It All Comes Down"
4. "Silence Between the Words"
5. "Pills on My Pillow"
6. "To Whatever End"
7. "The Pallbearer Walks Alone"
8. "Get Out of My Head"
9. "If I Had A Heart"
10. "You Will Learn"
11. "I Have to Go"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/songsthenightsings

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.