RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemPaul Stanley sabia que seria um rockstar desde a sua juventude

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano


Stamp

Absu: Em 2001, velocidade, ferocidade e lirismo

Resenha - Tara - Absu

Por Ricardo Cunha
Postado em 29 de maio de 2019

Banda do Texas/EUA formada em 1989 pelo baterista Proscriptor McGovern (Russley Reell Givens). Seus registros iniciais, incluindo demos e o primeiro álbum se inclinaram para o death metal, mas evoluíram mais para uma mistura de black metal e thrash metal a partir do segundo álbum e extendendo-se aos posteriores. Eles passaram a incorporar elementos do música celta, folk, jazz fusion, rock progressivo e psycodelia de onde surgiu a definição "Mythological Occult Metal", uma mistura que funde velocidade, ferocidade e lirismo.

Tara (2001), é o quarto álbum do Absu e encontra um paralelo quase perfeito em Reign In Blood, do Slayer, mas vai além. Proscriptor consegue ser tão criativo quanto Dave Lombardo e ainda aumentar a velocidade da música da banda. No que diz respeito à velocidade, este é um ponto que, a meu ver poderia ter sido melhor trabalhado, visto que a hiper velocidade acabar por tornar-se cansativa, podendo levar o ouvinte a perder o interesse pelo disco nos momentos finais. Contudo, para um disco com duração média de 50 minutos, deve agradar mais do que desgastar. Quanto a ferocidade, é realmente surpreendente que um grupo formado por músicos tão experientes e de alto nível técnico tenha optado por tocar um estilo tão brutal e esporrento. Por fim, o lirismo é um fator que deve agradar a todos os que gostam de ler e se interessam por mitologia. O conceito do álbum é muito rico, embora seja também confuso. E isto decorre em função da organização das ideias que, embora cheias de beleza em relação ao modo de vida dos povos antigos, não seguem uma sequência lógica e dificultam o acompanhamento das narrativas. De acordo com o minhas pesquisas, há até um texto de Proscriptor explicando o conteúdo, mas devido ao fato de que ele escreve como se fosse um poeta louco declamando, não ajuda muito.

Não consta nas fontes pesquisadas, quem produziu o disco. Logo, podemos crer que esse trabalho foi realizado pela própria banda. Talvez por esse motivo não tenham realizado o potencial que tinham para que o álbum fosse sucesso comercial, o que, na verdade, é uma grande besteira, pois todos sabemos que o som propositalmente sujo e cheio de ruidos é a maior marca das bandas undergrounds. Além dos mais, este disco já é considerado um clássico entre os black metalheads.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Ricardo Cunha

Editor no site Esteriltipo - Marketing de Conteúdo.
Mais matérias de Ricardo Cunha.