Absu: Em 2001, velocidade, ferocidade e lirismo

Resenha - Tara - Absu

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Banda do Texas/EUA formada em 1989 pelo baterista Proscriptor McGovern (Russley Reell Givens). Seus registros iniciais, incluindo demos e o primeiro álbum se inclinaram para o death metal, mas evoluíram mais para uma mistura de black metal e thrash metal a partir do segundo álbum e extendendo-se aos posteriores. Eles passaram a incorporar elementos do música celta, folk, jazz fusion, rock progressivo e psycodelia de onde surgiu a definição "Mythological Occult Metal", uma mistura que funde velocidade, ferocidade e lirismo.

Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaBrian May: "eu não sabia que Freddie era Gay"

Tara (2001), é o quarto álbum do Absu e encontra um paralelo quase perfeito em Reign In Blood, do Slayer, mas vai além. Proscriptor consegue ser tão criativo quanto Dave Lombardo e ainda aumentar a velocidade da música da banda. No que diz respeito à velocidade, este é um ponto que, a meu ver poderia ter sido melhor trabalhado, visto que a hiper velocidade acabar por tornar-se cansativa, podendo levar o ouvinte a perder o interesse pelo disco nos momentos finais. Contudo, para um disco com duração média de 50 minutos, deve agradar mais do que desgastar. Quanto a ferocidade, é realmente surpreendente que um grupo formado por músicos tão experientes e de alto nível técnico tenha optado por tocar um estilo tão brutal e esporrento. Por fim, o lirismo é um fator que deve agradar a todos os que gostam de ler e se interessam por mitologia. O conceito do álbum é muito rico, embora seja também confuso. E isto decorre em função da organização das ideias que, embora cheias de beleza em relação ao modo de vida dos povos antigos, não seguem uma sequência lógica e dificultam o acompanhamento das narrativas. De acordo com o minhas pesquisas, há até um texto de Proscriptor explicando o conteúdo, mas devido ao fato de que ele escreve como se fosse um poeta louco declamando, não ajuda muito.

Não consta nas fontes pesquisadas, quem produziu o disco. Logo, podemos crer que esse trabalho foi realizado pela própria banda. Talvez por esse motivo não tenham realizado o potencial que tinham para que o álbum fosse sucesso comercial, o que, na verdade, é uma grande besteira, pois todos sabemos que o som propositalmente sujo e cheio de ruidos é a maior marca das bandas undergrounds. Além dos mais, este disco já é considerado um clássico entre os black metalheads.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Absu"


Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista

Brian May: eu não sabia que Freddie era GayBrian May
"eu não sabia que Freddie era Gay"

As tatuagens de Rob HalfordAs tatuagens de Rob Halford
As tatuagens de Rob Halford

Andre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateSaxon: O Rush era meio que intocável nos anos 80Motorhead: Nem queda de avião consegue abalar a calma de Lemmy Kilmister

Sobre Ricardo Cunha

Apaixonado por música e estudante de Filosofia, juntou os interesses para escrever principalmente sobre rock e metal.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

adGooILQ