In Flames: com Colony, em 1999, um dos maiores momentos da banda

Resenha - Colony - In Flames

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

O ano era 1999, e o mundo do metal estava fervendo, muito por conta da variedade de bandas e estilos que surgiram naquela década. Todo mês algum álbum novo era lançado, e bandas de Power Metal, Black Metal sinfônico, Prog Metal e Death Metal melódico eram constantemente citadas em revistas e conversas de fãs de Metal.

Simone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dentre essas bandas de Death Metal Melódico, uma em especial se destacava: o In Flames, que em maio de 1999 lançou "Colony", quarto álbum de estúdio.

O sucessor de "Whoracle" (outro ótimo disco) é um dos melhores e mais maduros discos já lançados pelos rapazes de Gotemburgo. Um disco surpreendente, que era uma continuação da evolução sempre presente nos trabalhos da banda.

O disco é uma aula do começo ao fim. A faixa de abertura, "Embody The Invisible", que começa com um riff empolgante, e conta com um grandioso refrão, além de solos curtos e diretos, é um murro no meio da cara. O ritmo continua pesado com a ótima "Ordinary Story", que reúne doses cavalares de peso e melodia, com pitadas de melancolia (outra característica das bandas de metal noventistas). "Scorn" chega com os dois pés no peito, e apresenta alguns toques mais modernos, principalmente nos vocais. A faixa título, após uma intro hipnotizante, cai em um ritmo pesado e cadenciado, guiado por um riff marcante, que culmina em um grande refrão. A próxima música, "Zombie Inc." é uma das mais versáteis do álbum.

A segunda parte do disco é precedida pela acústica "Pallar Anders Visa", um dos raros momentos do disco que permite um descanso. Mas após pouco mais de um minuto, "Coerced Coexistence" manda a calmaria pra longe, com seu ritmo pegado e bateria marcante, além de um refrão muito bacana. A próxima faixa, "Resin", é um pouco mais arrastada, mas nada que tire o peso constante do disco. A regravação pesadíssima de "Behind Space", "Insipid 2000" e "The New World" encerram o disco de maneira digna, mantendo intacta a proposta de misturar peso e melodia, tudo temperado com muita técnica e vontade de mostrar ao mundo que a banda tinha muito para oferecer.

No final das contas, "Colony", além de apresentar ótimas bandas, se encaixa perfeitamente na discografia da banda, que sempre buscou mudar de um disco para o outro. Da mesma forma que soa como uma evolução óbvia de seu antecessor, é a preparação perfeita para o ápice da banda, o inesquecível "Clayman" (que já ganhou uma resenha minha no link abaixo.

In Flames: "Clayman", a maioridade de um clássico

E você, o que acha desta maravilha?
Um abraço,e até a próxima.


Outras resenhas de Colony - In Flames

Resenha - Colony - In Flames




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "In Flames"


In Flames: conheça o 2112, bar dos membros do grupoIn Flames
Conheça o 2112, bar dos membros do grupo

Metal Injection: 20 álbuns que completam 20 anos em 2017Metal Injection
20 álbuns que completam 20 anos em 2017


Simone Simons: Rammstein me faz querer mexer a bundaSimone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adGoo336