Megadeth: Youthanasia, um dos discos que mudou minha vida

Resenha - Youthanasia - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Ribeiro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Alguns registros musicais marcaram minha vida. "Road To Ruin" dos RAMONES, "Clayman" do IN FLAMES e "Figure Number Five" do SOILWORK são alguns desses registros. Porém, o que tem lugar garantido no meu coração é "Youthanasia", do MEGADETH.

Grandes covers: cinco versões para "Hangar 18", do MegadethVeja SP: show do Iron Maiden eleito como "pior de 2009"

Na minha modesta opinião, "Youthanasia" é a obra maior de Dave Mustaine e sua turma, além de ser um dos maiores discos dos anos 90. Sem dúvida, é o disco que mais ouvi na minha vida toda. É sobre essa maravilha que irei falar um pouco.

Durante anos, o MEGADETH sempre foi minha banda preferida dentro do metal. Sempre ouvia falar muito mal do som executado pela banda, o que me convenceu a procurar conhecer um pouco melhor o trabalho dos caras. E acredite se quiser, da primeira vez que ouvi "Rust In Peace" consegui odiar todas as músicas. Pois bem, esse sentimento de ódio virou amor quando ouvi "Youthanasia" pela primeira vez.

A paixão começou a se desenvolver pela capa. Além da ilustração magnífica, o significado não poderia ser mais real. Youthanasia é a junção das palavras youth (juventude) e euthanasia (eutanásia). Ou seja, o título insinua que a juventude está assistindo seu próprio suicídio. A crítica se referia ao grande número de jovens (inclusive os fãs da banda) envolvidos com drogas, a violência e a criminalidade como um todo.Logo que bati o olho, fiquei encantado. Até hoje é a capa que mais me chocou.

"Reckoning Day" é a primeira música. Cheia de energia, velocidade, e um riff marcante. Perfeita para abrir shows, a faixa de abertura é um arrasa quarteirão. A letra fala sobre vingança. Não sem motivo, Dave a canta com um ódio que nunca havia cantado antes. Música perfeita para se ouvir durante exercícios físicos, brigas e afins. Sem falar que o seu solo é coisa de outro planeta.

Dando sequência, temos a inconsequente "Train of Consequences". Uma levada mais calma, porém, não menos contagiante, um riff afiado, e a cozinha em perfeita harmonia garantem um dos maiores clássicos do MEGADETH. O clipe retrata bem a música, que fala sobre o problema do vício em jogos. Perfeita para encher a lata e jogar qualquer tipo de jogo. Sem apostar, de preferência.

Addicted to Chaos, A Tout Le Monde e Elysian Fields: A Santíssima Trindade do Megadeth

Acho que consegui resumir bem o que as faixas 3,4 e 5 representam para mim.

Começando do final, "Elysian Fields" demora a embalar, mas vai tomando seu rumo. Uma composição mais rock and roll, que conta com uma ponte sensacional antes do refrão, que por sua vez é um dos mais legais da banda. Vale a pena ouvir e viajar em toda o clima que a música traz. Soa como um descanso em meio a tantas fortes emoções.

"A Tout Le Monde" seria algo como a "Fear of The Dark" do Megadeth. Qualquer fã que se preze tem a obrigação moral de conhecer a melhor balada da banda até hoje, e uma das maiores da historia do Heavy Metal. A canção, que conta com seu refrão cantado em francês, é alvo de polêmica. Claramente fala sobre suicídio, mas Dave Mustaine sempre dá um jeito de driblar a situação, falando que compôs a música pensando em seus entes queridos que deixaram esse mundo.

"Addicted To Chaos" é a música que mais gosto da banda. Um clima melancólico, uma letra reflexiva e instrumentos todos em sintonia perfeita. Impossível ouvir e ficar indiferente. São poucas as vezes que ouço uma música e tenho a impressão de que quem a escreveu estava possuído. Essa é uma delas. E a introdução de bateria executada por Nick Menza é nada menos que excepcional.

A segunda parte do disco não fica atrás da primeira. O estilo mais cadenciado e melodioso continuam ditando o ritmo. "Killing Road" é um pouco mais agitada, e "Blood of Heroes" é uma música que se aproxima um pouco de ser uma balada, só que com pitadas maiores de peso do que "A Tout Le Monde", por exemplo.

A oitava música, "Family Tree", apesar de ótima, é um pouco triste, pois trata de abuso sexual em família, um assunto que infelizmente somos obrigados a conviver diariamente. Tem uma das melhores introduções de toda a carreira da banda, e tem o base de Ellefson presente como nunca esteve antes. Para variar, conta com um solo absurdo.Uma pena que não é executada ao vivo.

Final apoteótico

O final do disco é simplesmente arrebatador. Começando pela faixa título, que deixa o ouvinte atordoado com sua levada mais arrastada, que vai de encontro com um solo rápido."I Thought I Knew It All" volta com o lado mais melódico, mas não deixa de ser grandiosa, e contar com um refrão muito bom. "Black Curtains" é uma das melhores músicas alternativas da carreira da banda. Já a última faixa, "Victory", conta a trajetória da banda. Quase toda sua letra é composta por títulos que a banda havia lançado em discos anteriores. Ao lado do solo de Youthanasia, é um dos únicos momentos de mais correria do play.

Um final extremamente satisfatório, que faz quem ouviu o disco querer voltar para a primeira faixa.

No final das contas, Youthanasia representa o ápice da maturidade sonora do Megadeth. Além de um ótimo trabalho de execução e de produção, os quatro integrantes se comportaram como um banda,pelo menos por um tempo, algo raro para quem trabalha com Dave Mustaine.

Falando pessoalmente, Youthanasia é o disco que mais ouvi, e que mais tenho carinho na vida. Todas as composições me tocam de alguma forma. Tudo que eu sinto está contido ali: amor, ódio, raiva, pensamentos inconstantes, uma montanha russa de sensações.

OBRIGATÓRIO.


Outras resenhas de Youthanasia - Megadeth

Megadeth: refinamento e composições certeiras em YouthanasiaMegadeth: "Youthanasia", talvez o último grande álbum da bandaResenha - Youthanasia - Megadeth




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Megadeth"


Grandes covers: cinco versões para Hangar 18, do MegadethGrandes covers
Cinco versões para "Hangar 18", do Megadeth

Grandes covers: cinco versões para "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: por que a banda vai abrir para o Five Finger Death PunchMegadeth
Por que a banda vai abrir para o Five Finger Death Punch

Grandes covers: cinco versões para a excelente "Tornado Of Souls"

Megadeth: David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depoisMegadeth
David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depois

Desencontro com Kiko Loureiro: as frustrações de um Guitar Hero (vídeo)Desencontro com Kiko Loureiro
As frustrações de um Guitar Hero (vídeo)

Megadeth: Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma Ellefson

Megadeth: cinco curiosidades sobre o clássico Rust In PeaceMegadeth
Cinco curiosidades sobre o clássico Rust In Peace

Megadeth: Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma Ellefson

Em 24/09/1990: Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da bandaEm 24/09/1990
Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da banda

Megadeth: Dave Mustaine está indo bem contra o câncer, diz EllefsonMegadeth
Dave Mustaine está "indo bem" contra o câncer, diz Ellefson

Em 23/09/1990: Megadeth lançava o single "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: um passeio de ida e volta pelo Hangar 18Megadeth
Um passeio de ida e volta pelo Hangar 18

Em 19/09/1986: Megadeth lançava Peace Sells... But Whos's Buying?

Judas Priest: K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concertoJudas Priest
K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concerto

Dave Mustaine: aquela foi a pior Master of Puppets que ele já ouviuDave Mustaine
Aquela foi a pior "Master of Puppets" que ele já ouviu

Kiko Loureiro: os dois álbuns mais importantes de sua carreiraKiko Loureiro
Os dois álbuns mais importantes de sua carreira

Loudwire: Os 10 melhores álbuns de 1992Loudwire
Os 10 melhores álbuns de 1992


Veja SP: show do Iron Maiden eleito como pior de 2009Veja SP
Show do Iron Maiden eleito como "pior de 2009"

Antes da fama: Atores que apareceram em clipes clássicosAntes da fama
Atores que apareceram em clipes clássicos

Saúde: bater cabeça pode causar danos ao cérebroSaúde
Bater cabeça pode causar danos ao cérebro

Guitarpedia: Os 10 riffs de guitarra mais complicados da históriaGuitarpedia
Os 10 riffs de guitarra mais complicados da história

Lemmy: tatuagens, política, strippers e atrizes pornôLemmy
Tatuagens, política, strippers e atrizes pornô

Burzum: Vikernes diz que não se arrepende de nadaBurzum
Vikernes diz que não se arrepende de nada

Slipknot: o que os idosos pensam da banda?Slipknot
O que os idosos pensam da banda?


Sobre Mateus Ribeiro

Fanático por Ramones, In Flames e Soilwork. Limeirense com muito orgulho (e sotaque).

Mais matérias de Mateus Ribeiro no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336