Anima Mundi: Obrigatório para amantes de sonoriddes sinfônicas

Resenha - Way - Anima Mundi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Tiago Meneses
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

ANIMA MUNDI é uma banda com boa fama europeia que de certa forma já desperta a curiosidade unicamente por se tratar de um grupo cubano de rock progressivo. Mas muito mais do que simplesmente o fator geográfico, merece uma menção por aquilo que de fato mais importa, o seja, a música apresentada. The Way trata-se do seu terceiro álbum e sem sombra de dúvida sua obra mais ambiciosa musicalmente. São um total de 4 faixas distribuídos em quase 60 minutos de músicas executadas com maestria.

5000 acessosBackmasking: Existem mensagens ao inverso em discos de rock?5000 acessosDavid Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleão

A jornada de The Way se dá início através da faixa "Time to Understand". São cerca de quatorze minutos de uma verdadeira aula de musicalidades impregnadas de tendências sinfônicas. A banda mostra uma verdadeira gama de sons, misturando vários tipos de ritmos e humor em uma execução musical onde é mais do que evidente que estamos ouvindo músicos estudados, treinados e acima de tudo, talentosos. A tecladista VIRGINIA PERAZA faz um trabalho soberbo e em meio a toda essa variação que a música possui o ouvinte ainda é presenteado com um solo final do guitarrista ROBERTO DÍAZ de extrema beleza e feeling.

"Spring Knocks on the Door of Men" é um épico com cerca de vinte minutos, logo, é uma faixa que deve ser apreciada de forma atenta, pra que assim, o ouvinte possa captar melhor cada momento que é o dessa viagem sonora. Seu começo já mostra uma passagem instrumental suave e encantadora liderada primeiramente pelos teclados e depois por um ótimo trabalho de guitarra. Após a música ficar em um ar mais atmosférico o vocal aparece dando nova direção a faixa. É importante deixar claro e pra evitar ser injusto, que apesar de novamente os destaques estarem na maioria das vezes através das guitarras e teclados, bateria e baixo também executam suas funções com maestria e vale a pena abrir bem os ouvidos e valorizar cada um dos músicos envolvidos. Também possui uma passagem instrumental pouco antes da sua metade que faz com que o ouvinte caso esteja envolvido na seja transportado a outro mundo, um lugar onde reina a paz, o ar é puro e os campos verdes imperam. A explosão sonora causada pela orquestração criada pelo teclado constrói uma nova atmosfera e finalizam o momento mais belo de toda a canção. Não basta apenas criar uma música com quase meia hora, tem que saber fazer com que soe agradável e em nenhum momento seja vista como uma obra arrastada. "Spring Knocks on the Door of Men" é tudo isso e muito mais, desperta uma alquimia de sons, várias emoções, humor. Uma suíte do jeito que deve ser feita, obtendo assim bastante êxito no seu resultado final. Sensacional pra dizer o mínimo.

"Flying to the Sun" começa através de um mellotron que causa certo arrepio. A banda então entra na música de forma completa. Tem uma ótima linha de baixo e uma base sinfônica bastante criativa. Destaque também para as guitarras que sucedem uma linha coral dos teclados por volta do meio da canção. Ainda sobre os teclados ele é responsável por uma interrupção de humor na faixa e que a dá uma espécie de ar de filme de terror. O clima de tensão e nervosismo criado é quebrado para que a faixa termine com a levada que cominou a sua primeira metade.

O álbum finaliza através da faixa "Cosmic Man", música mais curta de todo do disco, ainda que tenha pouco mais de 8 minutos. Confesso que tem um começo que não me cativou tanto, não que isso me faça dizer que é ruim, mas soa muitas vezes repetitivo demais. Mas nas partes instrumentais da segunda metade da faixa as coisas novamente soam surpreendente como vinha acontecendo durante todo o álbum. Um trabalho sinfônico belíssimo, guitarra e uma cozinha consistente que permanecem assim até irem desaparecendo por completo fazendo “The Way” chegar ao fim.

The Way é um álbum que pode prendê-lo por um bom tempo e que venha a lhe arrancar sensações diferentes a cada audição. Obrigatório principalmente aos amantes de sonoridades sinfônicas.

Faixas:

1.Time To Understand - 13:59
2.Spring Knocks On The Door Of Men - 26:32
3.Flying To The Sun - 9:33
4.Cosmic Man - 8:18

Músicos:

Carlos Sosa - vocal
Roberto Díaz - guitarra acústica, guitarra elétrica e backing vocal
Virginia Peraza - teclado e backing vocal
Yaroski Corredera - baixo
José Manuel Govin - bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Anima Mundi"


BackmaskingBackmasking
Existem mensagens gravadas ao inverso em discos de rock?

David BowieDavid Bowie
Conheça 60 fatos da vida do cantor, ator e artista britânico

RushRush
Brasileira de cinco anos toca"Tom Sawyer" na bateria

5000 acessosEx de Malmsteen: nos drogávamos e ele me batia5000 acessosDuff McKagan: escolhendo entre Led Zeppelin e Black Sabbath5000 acessosMotley Crue: A primeira impressão de Tommy Lee sobre o Rio de Janeiro5000 acessosSlash: "Estive no fundo do poço entre 1996 e 2001"5000 acessosGuns N' Roses: Duff McKagan conta como conheceu Axl Rose5000 acessosDave Mustaine: por que Kurt Cobain se matou?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Tiago Meneses

Um amante do rock em todas as suas vertentes, mas que desde que conheceu o disco Selling England by the Pound do Genesis, teve no gênero progressivo uma paixão diferente.

Mais matérias de Tiago Meneses no Whiplash.Net.