RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemPaul Stanley sabia que seria um rockstar desde a sua juventude


Black Sabbath: "Technical Ecstasy", o pior da era clássica

Resenha - Technical Ecstasy - Black Sabbath

Por Igor Miranda
Postado em 25 de setembro de 2016

A ruína do Black Sabbath começou na segunda metade da década de 1970. Os problemas legais com o empresário Patrick Meehan influenciaram, para o bem e para o mal, o disco "Sabotage", lançado em 1975.

Sob pressão e sem tempo para sequer tirar algum tempo de folga, o Black Sabbath voltou de turnê direto para o Criteria Studios, em Miami, nos Estados Unidos. A banda seguia esse tipo de rotina há algum tempo, no entanto, isso afetaria a produtividade e a qualidade das composições em algum momento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foi o que aconteceu em "Technical Ecstasy", lançado em 25 de setembro de 1976. É, para mim, o pior disco da formação clássica do Black Sabbath. Não significa que seja um trabalho ruim, longe disso. Mas está abaixo dos cinco álbuns lançados anteriormente - e, para mim, até mesmo do sucessor "Never Say Die!" (1978).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O processo de composição já começou turbulento. O guitarrista Tony Iommi queria seguir a mesma pegada de bandas como Foreigner e Queen, que despontavam. O vocalista Ozzy Osbourne, por sua vez, era contra qualquer mudança. Em sua autobiografia, ele relembra: "achava estranho que bandas influenciadas por nós estivessem, agora, nos influenciando".

Iommi se sentiu pressionado durante o período de produção de "Technical Ecstasy". Ninguém queria tomar a responsabilidade de produzir o disco, nem contratar alguém de fora. Sobrou para o guitarrista, que trabalhava dia e noite enquanto os demais integrantes aproveitavam as belas praias de Miami.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enquanto isso, as drogas se faziam presentes na rotina dos músicos - especialmente na de Ozzy Osbourne, que acabaria enfrentando sérios problemas no futuro devido a seus vícios. E os custos para gravar "Technical Ecstasy" só aumentavam.

Com todo esse background, era inevitável que "Technical Ecstasy" soasse confuso e pouco inspirado em alguns momentos. Cada faixa trazia uma visão diferente sobre o próprio Black Sabbath, o que, no fim das contas, não deu liga.

A abertura "Back Street Kids" se aproxima um pouco do hard rock praticado à época, apesar do refrão notavelmente Sabbath. Mais dark, "You Won't Change Me" fica embolada em seu andamento. Guiada por piano e pela voz de Bill Ward, "It's Alright" foge das características primordiais da banda, mas é um momento inspirado. Boa música.

"Gypsy" volta a se aproximar do hard rock da época, mas com ares mais épicos e mudanças de ritmo mais drásticas. Bill Ward brilha em sua performance na bateria. "All Moving Parts (Stand Still)" mantém a mesma pegada, mas sem inspiração. Não é ruim, mas passa longe de ser marcante: mesmo problema de "Rock 'n' Roll Doctor", com leve inspiração do rock das décadas de 1950 e 1960.

"She's Gone" demora para começar de vez, mas é uma grande música. Conta somente com as vozes de Ozzy Osbourne, o violão de Tony Iommi e violinos muito bem colocados. Ao fim, "Dirty Women" começa sem chamar muita atenção, mas cresce com boas passagens instrumentais e um inspiradíssimo Tony Iommi na linha de frente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vale repetir: "Technical Ecstasy" está longe de ser um disco ruim. É um bom trabalho, com momentos acima da média, mas algumas faixas pouco inspiradas. Refletiu-se nas vendas: foi o primeiro disco do Black Sabbath a não entrar no top 10 do Reino Unido e a ficar abaixo da 50ª posição nos charts dos Estados Unidos.

Os álbuns anteriores colocaram as expectativas muito acima: afinal, são clássicos do heavy metal. "Technical Ecstasy" mostra um Sabbath rachado, com problemas internos e sem saber para onde ir musicalmente falando. Mesmo confuso, o quarteto conseguiu fazer um bom trabalho. Só não está entre os melhores.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Black Sabbath - "Technical Ecstasy"
Lançado em 25 de setembro de 1976.

Ozzy Osbourne (vocal)
Tony Iommi (guitarra, violão)
Geezer Butler (baixo)
Bill Ward (bateria, vocal em "It's Alright")

Músico adicional:
Gerald "Jezz" Woodroffe (teclados)

1. Back Street Kids
2. You Won't Change Me
3. It's Alright
4. Gypsy
5. All Moving Parts (Stand Still)
6. Rock 'n' Roll Doctor
7. She's Gone
8. Dirty Women

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Technical Ecstasy - Black Sabbath

Resenha - Technical Ecstasy - Black Sabbath

Resenha - Technical Ecstasy - Black Sabbath

Resenha - Technical Ecstasy - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.