Dark Witch: Estréia em alta classe!

Resenha - Circle of Blood - Dark Witch

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ed Oliver
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Para nós que acompanhamos o que acontece na música pesada ao redor do mundo, é senso comum encontrar trabalhos que passem aquela impressão de "jogar no senso comum", e é fascinante quando se ouve um trabalho que surpreende e em que você diz a si mesmo ao final da audição do CD: "Puta merda, mas que trabalho bacana!". E assim o é com este "The Circle of Blood", primeiro trabalho da banda santista Dark Witch!

Steven Tyler: "Há álbuns que prefiro esquecer"Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universo


O Dark Witch foi formado em 1999 e esse tempo contou muito para que o grupo conseguisse construir uma personalidade própria e lapidasse sua música ao nível que ouvimos nesse trabalho, cujo resultado é de teor único, daqueles lançamentos que surgem de tempos em tempos para se tornarem referência no Metal nacional.

O grupo aposta no Metal tradicional, adicionando uma dose de modernidade e guitarras cheias de riffs cortantes e aqueles maravilhosos duetos de guitarras. Vale também menção especial ao belíssimo trabalho do vocalista e baixista Bil Martins, que imprime uma marca toda própria à música. A personalidade de sua voz com certeza é um diferencial ao som da banda.

A faixa-título e que abre o CD é fantástica. Tente ouvir e não ter a tentação de cantar junto o refrão. Merecem destaque também numa primeira audição as poderosas "Wild Heart", "The Caudron", "Blood Sentence", "Death Rain" e "To Valhalla We Ride", faixas que resumem a identidade do grupo: refrões fortes, bases variadas e poderosas, duetos de extremo bom gosto e uma abertura que permite mostrar os talentos individuais dos músicos sem exageros e malabarismos. Há ainda o swing de "Firestorm", o peso da Speed Metal "Master of Fate", o rifferama fantástico de "Liberty Is Death"... enfim, todas as faixas são relevantes e dão unidade para que o CD como um todo funcione de forma perfeita.

Como se não bastasse, ainda temos, fechando a audição, o cover de "Voz da Consciência", do veterano Harppia - um presente da banda, mostrando a fonte de onde eles beberam.

O trabalho da dupla de guitarristas Cesar Antunha e Decio Andolini nada deve às clássicas duplas da NWOBHM. Um trabalho esmerado e inspirado.

Tudo em "The Circle of Blood" é bem dosado, equilibrado e executado, o que foi ainda mais evidenciado pela produção cuidadosa de Felipe Quirino que conseguiu entender o espírito e a identidade da banda tornando o som mais orgânico e de acordo com suas influências, ponto essencial para todo o resultado positivo do trabalho. A arte gráfica é simples, mas extremamente bonita a cargo de Ygor Gatti Alves, que entendeu também o espírito a imprimir na identidade visual do grupo.

Que a cena metálica prepare seus ouvidos porque o Dark Witch vem para marcar definitivamente seu caminho! "The Circle of Blood" não é apenas ótimo, é essencial, daqueles trabalhos que vêm para fazer história.

Formação:
Bil Martins (vocal/baixo);
Cesar Antunha (guitarra);
Décio Andolini (guitarra);
Andre Kreidel (bateria).

Faixas:
01 - Circle of Blood
02 - Wild Heart
03 - Master of Fate
04 - Cauldron
05 - Firestorm
06 - Stronghold
07 - Blood Sentence
08 - Liberty Is Death
09 - Lighthouse Reaper
10 - Death Rain
11 - Siegfried
12 - To Valhalla We Ride
13 - Voz da Consciência (Harppia Cover)


Outras resenhas de Circle of Blood - Dark Witch

Dark Witch: Som consistente, maduro e muito bem trabalhadoDark Witch: "The Circle Of Blood", o disco de estreia da banda




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Witch"


Steven Tyler: Há álbuns que prefiro esquecerSteven Tyler
"Há álbuns que prefiro esquecer"

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

Kerrang: os melhores singles já lançadosKerrang
Os melhores singles já lançados

Por pouco: 15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhorPor pouco
15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor

Separados no nascimento: Dave Mustaine e um Cocker SpanielSeparados no nascimento
Dave Mustaine e um Cocker Spaniel

Motorhead: fóssil ganha nome em homenagem a LemmyMotorhead
Fóssil ganha nome em homenagem a Lemmy

Bush: recusar o Metallica foi um acerto; aceitar o Anthrax tambémBush
Recusar o Metallica foi um acerto; aceitar o Anthrax também


Sobre Ed Oliver

Desenhista e Ilustrador, é também pesquisador e crítico de música especializado em Rock e Heavy Metal em todas as suas vertentes, como Ilustrador trabalha com Quadrinhos e faz material gráfico para bandas do Brasil e exterior.

Mais matérias de Ed Oliver no Whiplash.Net.

adGooILQ