Matérias Mais Lidas

João Gordo e Eloy Casagrande ironizam morte de Olavo de Carvalho nas redesJoão Gordo e Eloy Casagrande ironizam morte de Olavo de Carvalho nas redes

Steve Vai: Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como eleSteve Vai: "Eu não posso tocar como Yngwie Malmsteen; ninguém pode tocar como ele"

Bruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atençãoBruce Dickinson, sem pensar duas vezes, revela pérola do Maiden que merece mais atenção

Lemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do RockLemmy e Joey Ramone: a forte e verdadeira amizade entre duas lendas do Rock

Bruce Dickinson já fez show para um único ser humano (e ofereceu cerveja ao felizardo)Bruce Dickinson já fez show para um único ser humano (e ofereceu cerveja ao felizardo)

Foo Fighters: a tocante opinião de Brian May (Queen) sobre a bandaFoo Fighters: a tocante opinião de Brian May (Queen) sobre a banda

O sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitidoO sentimento de Pete Best, primeiro baterista dos Beatles, após ter sido demitido

Malas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citaçõesMalas sem alça: dez vezes que astros do rock e do metal foram arrogantes em citações

Capital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do ViperCapital Inicial: cinco músicas que foram escritas por Pit Passarell, do Viper

Supla diz que trap também é rock: o jovem sem guitarra é mais rock que vocêSupla diz que trap também é rock: "o jovem sem guitarra é mais rock que você"

A opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano BrownA opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano Brown

Vocalista do Saxon acha um pouco maluco Judas Priest tocar como um quartetoVocalista do Saxon acha "um pouco maluco" Judas Priest tocar como um quarteto

John Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com YokoJohn Lennon: conheça a música que o uniu a Elton John e o reconciliou com Yoko

Raul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositorRaul Seixas: a inusitada reação de Paulo Coelho ao saber da morte do compositor

Beatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NMEBeatles: todas as músicas da banda em ordem de grandiosidade, segundo a NME


Stamp

Dark Witch: Som consistente, maduro e muito bem trabalhado

Resenha - Circle Of Blood - Dark Witch

Por Bruno Melo
Em 18/08/16

Sem dúvida uma banda que deveria ter lançado seu full-length de estréia desde que começou, Dark Witch se consolida na cena com um som consistente, maduro e muito bem trabalhado. O disco de estréia "Circle Of Blood" chegou ao mercado ano passado e pode surpreender todos aqueles fãs e conhecedores de Power Metal, sobretudo aqueles que acham as bandas atuais repetitivas e não esperam mais nada do subgênero. É possível resumir este disco em duas palavras: visceral e técnico. A pegada do som flerta muito com Manowar, Primal Fear, Nevermore e até mesmo bandas de Thrash como Artillery e Kreator. Apesar de não ter um som tão rápido, os paulistanos possuem uma carga bastante grave em seu instrumental, trazendo um peso característico do subgênero quando estava se consolidando na metade dos anos 80.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixa a faixa, o conceito do disco é o mesmo que abrange a maioria das bandas de Power Metal, mitologia nórdica. O diferencial está na atmosfera criada pela banda que se aproxima bem deste universo mitológico. Primeiro eles abrem com a faixa título "Circle Of Blood" que, por sinal, tem um grande potencial para ser uma música de abertura ao vivo. Ela inicia-se de forma calma, demonstrando a técnica e o talento da banda. Na metade para o final, a música toma um outro rumo tendo mais velocidade instrumental e um tom mais épico, é boa mas deixa um gostinho de "quero mais!" nos fãs. Gostinho este que é saciado nas faixas seguintes: "Wild Heart", "Master Of Fate", "Cauldron", "Firestorm", "Stronghold" deixam o disco mais brutal de se ouvir, a gravidade da guitarra se torna mais acentuada e os drivers alcançando maiores escalas, satisfazendo aqueles que querem sentir um "feeling".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A partir de "Blood Sentence", as coisas começam a ficar mornas, mas predominando a qualidade técnica do instrumento. Seguindo das músicas "Liberty is Death", "Lighthouse Reaper" e "Death Rain", esta é a parte mais leve do álbum, dando uma boa relaxada nas composições, já que as vezes é bom recuperar o folêgo. Porém, o final do disco não poderia ser melhor: "Siegfried" dá sequência ao conceito musical do disco, traz drivers extremamente agudos, junto a uma introdução épica em tom de cultura viking muito bem executada. Por fim," "To Valhalla We Ride, que há pouco mais de um mês recebeu seu lyric video, entoa o final do disco em grande estilo, executada numa melodia recheada de solos de guitarra.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

E para dar o "adeus", "Vozes da Consciência" segue uma linha instrumental mais melódica, porém, tendo o destaque em sua letra. A música faz uma apelação social a realidade difícil que vive a humanidade, que em meio a tantas guerras e injustiças, segundo o próprio Dark Witch, ainda há esperança para que possamos pegar o caminho correto da vida. Para isso a letra da faixa afirma que basta apenas modificarmos nossa postura e passarmos a pensar mais no próximo.

Para resumir, vale a pena por play do início ao fim no álbum "Circle of Blood", com músicas politizadas, instrumentais de alto nível e a essência do Power Metal em seu rigor. Se estiverem afim de ouvir metal melódico e sair do mainstream, Circle of Blood do Dark Witch é uma ótima escolha.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal


Outras resenhas de Circle Of Blood - Dark Witch

Dark Witch: "The Circle Of Blood", o disco de estreia da banda

Dark Witch: Estréia em alta classe!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Anthrax: Scott Ian apresenta a solução para o Phil AnselmoAnthrax
Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo